Pravda.ru

Federação Russa

A hipocrisia das relações internacionais

14.02.2011
 

O povo do Egito removeu um ditador aceite no seio da comunidade internacional, que fechou os olhos ao pormenor que seu regime era corrupto até a medula, que pisava sobre o seu povo utilizando métodos de violência bárbara, enquanto um clique de elitistas desviou dezenas de bilhões de dólares; tudo isto porque o regime simbolizava a estabilidade na região.

Foi risível, quando não há muito tempo, os países falaram de uma "política externa moral", e em seguida, fizeram negócios vendendo armamentos para a Indonésia, enquanto o Governo estava massacrando o povo Maubere em Timor Leste, convenientemente esquecido do mapa político antes de Portugal assumir a causa e alertar a comunidade internacional sobre o que estava acontecendo.

Não há muito tempo atrás, os mesmos países que se desenvolveram através de controlar o fluxo de recursos das suas colônias durante décadas ou séculos, em alguns casos, sustentavam corruptos regimes ditatoriais no mundo em desenvolvimento, que não só saqueavam os recursos, enriquecendo-se ao custo do povo mas também tinham registos de abusos humanitários deploráveis.

E hoje, neste mesmo dia, domingo 13 de fevereiro de 2011, a comunidade internacional está com um dilema. Depois de apoiar o regime de Mubarak durante 30 anos, um regime que governou sob um estado de emergência por três décadas, e mais uma vez fechar os olhos para as práticas da nojenta governação do mesmo, a comunidade internacional não sabe o que fazer, nem para que lado se virar.

Por quê? Porque ele nunca seguiu uma política externa "ética" e agora que o povo do Egito falou e disse: "Basta!" ninguém está em

posição de decidir o caminho que o país vai tomar, exceto os próprios egípcios; mais ninguém tem qualquer influência ou poder de acção, porque todos jogaram no mesmo lado que o ditador e meteram os ovos nesse cesto.

E agora o que acontece? Ninguém sabe. Os relatórios oriundos do Egipto são pouco acima do nível de "Alguém disse que ouviu uma mulher dizer que ela ouviu o padeiro alegar que ..." como se fosse uma fonte credível e o sítio electrónico que servia de articulação de recursos de vários blogues egípcios, um excelente "site" chamado Omraneya.net, onde os egípcios contavam sua história em tempo real, agora aparece com a seguinte mensagem:

"Não é possível conectar ao servidor de banco de dados ...
O erro do MySQL foi: Perdeu a conexão com servidor MySQL na leitura dos pacotes de comunicação inicial ', erro de sistema: 113. "

Em bom português, o site foi retirado ou bloqueado. Quem ou o quê está tentando controlar a Internet e até que ponto, será objecto de outros artigos, mas este é um exemplo gritante da governação iluminada e "ética" das nossas queridas e democraticamente eleitas entidades, um exemplo do monstro em que a comunidade internacional está se tornando: um grupo sinistro de tecnocratas cinzentos e invisíveis, sem qualquer responsabilização, que fazem o que querem, onde e quando e como desejarem, em sua miríade de clubes (Parlamentos, Conselhos e por aí fora) que existem em vários níveis para criar empregos para políticos fracassados... e seus amigos.

Tomemos a União Europeia, por exemplo, que conseguiu impor um Estado pseudo-Federal sobre seus 370 milhões de cidadãos sem quase nenhuma vez pedir a opinião de alguém, e nos referendos que poucas vezes foram realizadas, qualquer voto "não" resultou em uma repetição do processo ad nauseam, e uma mudança subtil de palavras, de modo que o "não" virasse "sim".

Se a ética não existe nas relações internacionais, então também não existe o direito internacional. A Federação Russa é um dos poucos países que, juntamente com seus parceiros na América Latina, tem apelado para uma abordagem multilateral nas relações internacionais e uma política de gestão de crises que vê a ONU como o fórum adequado de resolução em um mundo o que favorece o debate, o diálogo e a discussão sobre a arrogância, beligerância e chantagem como as ferramentas de engajamento.

Nós não precisamos de falar sobre o Iraque ou a camarilha doentia de bajuladores que apoiou o regime de Bush quando unilateralmente violou/violaram e quebrou/quebraram todas as fibras do direito internacional, degradaram a ONU e desrespeitam a sua Carta, que deveria servir de base para a criação de uma comunidade internacional.

Nós não precisamos de falar sobre os terríveis atos de tortura cometidos pelas autoridades das nações que gostam de rotular-se com os preceitos que eles certamente não praticam, sob a égide das decisões tomadas pelos dirigentes dos regimes responsáveis por essas violações flagrantes dos direitos humanos e crimes de guerra.

Nós não precisamos de falar sobre a obsessão com que fecham os olhos a Israel e sua violação flagrante do direito internacional, na apreensão e retenção de terras que não lhe pertencem, na construção de colônias em terras que não lhe pertencem, derrubando casas, destruindo fazendas, profanando cemitérios, utilizando munições ilegais, como bombas de fósforo contra civis - e até mesmo contra escolas. Estes são crimes de guerra, crimes contra a humanidade e o Estado de Israel é um pária na comunidade de nações, um dos piores exemplos dos que desrespeitam as normas do direito internacional.

No entanto, reverências de todos para Tel Aviv, porque o lobby judeu é tão poderoso nos EUA, e como ele tem conseguido, historicamente, é tão perto dos centros centrais nervosos do poder, do controle das massas e dos processos de tomada de decisão.

Em conclusão, não há tal coisa como a ética nas relações internacionais, não existe tal coisa como o direito internacional. Se e quando houver, não vai depender de a maior parte daqueles que controlam a comunidade internacional de hoje, mas sim dos líderes como Vladimir Putin, Dmitry Medvedev, Hugo Chávez, Evo Morales, Dilma Roussef (agora) e Lula da Silva (antes) , Fidel e Raul Castro (hoje) que pregam o respeito ao direito internacional dos órgãos de tomada de decisões... e vai depender do povo.

No Egito, as pessoas tomaram o poder - o Exército será responsabilizado perante as suas exigências. No entanto, dado que vivemos em um mundo sem ética e sem direito, em termos reais, o que acontece no Egito pode não depender deles, especialmente porque parece que os poderes invisíveis já começaram a agir (como vimos acima, começando pelo controlo da Net).

Para aqueles que não estão felizes com o status quo, existe uma arma legítima e poderosa: o voto. Até, e a não ser que, as autoridades eleitas sejam responsabilizadas por todas as suas decisões, e isso inclui uma política externa ética, baseada na lei, então quando vamos tão obedientemente executar nosso dever civil, depositando aquele voto em aquela urna, apenas estamos a perpetuar a lei da selva.

O que é triste é que as pessoas vão teimar em sempre votar nos mesmos.

Timothy Bancroft-Hinchey
Pravda.Ru

 


Loading. Please wait...

Fotos popular