Pravda.ru

Federação Russa

Israel, o respeito pela Lei e o insulto à Comunidade Internacional

09.12.2010
 

A cidade capital dos Estados Unidos da América, fica, para todos os efeitos, aparentemente, não em Washington DC, mas em Tel Aviv. Os EUA doam bilhões de dólares dos descontos dos seus contribuintes todos os anos para Israel e qual é o retorno? Mostrar o dedo.

Antes que alguém começa a atirar lama e mais uma vez acusar o autor de ser anti-semita, antes de qualquer website judeu abrir outro endereço eletrônico de ódio, antes do meu (suposto) nome e endereço na vida real serem postados com ameaças de morte de gelar o sangue em fóruns de ódio, mais uma vez, vamos deixar uma coisa bem clara: levar ao conhecimento público os crimes de Israel e seu desrespeito peloo direito internacional é um direito que, como um jornalista e um ser humano, exercerei durante o tempo que eu quiser. Racista e xenófobo eu não sou. Nem covarde, tampouco.

Quanto ao "anti-semita", o termo é ridículo, já que "semita" refere-se a falantes das línguas semitas, ou seja, hebraico e árabe. O termo em si é um absurdo.

Chegar ao ponto: o processo de paz no Médio Oriente, em que a Rússia, os EUA, União Européia e ONU compõem o quarteto. Neste quarteto os EUA têm um enorme peso e influência. Ou deveria ter, dada a quantidade de dólares dos contribuintes que doa a cada ano. Quanto? Cerca de 2,5 mil milhões de dólares por ano, todos os anos, atualmente, e um total de cerca de USD 134 bilhões desde 1948.

E esse dinheiro é pago em troca do quê? Resposta: Violando a lei. Washington acaba de deixar cair a exigência de que Tel Aviv cesse a construção ilegal de colônias na Cisjordânia, considerados ilegais pelas leis internacionais, como

pré-requisito para a retomada do processo de paz.

Esta decisão foi duramente criticada na União Europeia, cuja chefe de política externa, Catherine Ashton, declarou que "contraria os esforços da comunidade internacional a retomar as negociações diretas e a decisão deve ser revertida". A abordagem  fraca de Washington poderia muito bem sair pela culatra, uma vez que o Presidente da Autoridade Palestina, Mahmoud Abbas, agora afirma que ele espera que a UE pode começar a desempenhar um papel mais importante no processo, como os EUA.

As conversações de paz entre israelenses e palestinos foram retomadas em setembro, após uma pausa de dois anos, mas foram interrompidas quando os israelenses anunciaram o fim da moratória sobre a construção de assentamentos em terras que ocupa ilegalmente.

Fica agora evidente que Israel não está minimamente empenhado no processo de paz. Cego na sua própria arrogância, e cegado pelo apoio do seu Big Brother, os EUA, Israel tem utilizado a noção de que as suas autoridades podem cometer crimes de guerra, violação do direito internacional, roubar, estuprar, matar, atirar contra crianças, no olho, com balas de borracha , deixar grávidas palestinianas a morrerem na rua.

A Carta das Nações Unidas estabelece claramente as regras para a comunidade internacional a se comportar, o culminar de séculos de diplomacia e o direito consuetudinário sendo elaborados num acordo escrito. E as fronteiras traçadas pela UNO para Israel foram aquelas dentro das quais o Estado de Israel foi constituído em 1948. Estes não incluem os territórios conquistados desde então, a saber, Jerusalém Oriental e Cisjordânia.

A lei internacional é clara sobre isso: a Resolução 242 (S/RES/242), aprovada por unanimidade pelo Conselho de Segurança das Nações Unidas em 22 de novembro de 1967, adoptada ao abrigo do Capítulo VI da Carta da ONU, reitera a inadmissibilidade "de aquisição do território pela guerra e a necessidade de trabalhar para uma paz justa e duradoura no Oriente Médio, na qual todos os Estados da região poderá viver em segurança". E isso se baseia em dois princípios:

(i) Retirada das forças armadas de Israel dos territórios ocupados no conflito recente;
(ii) Encerramento de todas as reivindicações ou estados de beligerância e respeito e reconhecimento da soberania, integridade territorial e independência política de cada Estado na área e seu direito de viver em paz dentro de fronteiras seguras e reconhecidas, livres de ameaças ou atos de força .

Enquanto os Estados Unidos da América continuem a ajudar, amparar, financiar, armar e apoiar Israel, apesar dos seus actos criminosos e claras violações do direito internacional, em seguida, nenhum destes dois países podem ser levados a sério com vista à implementação de um processo de paz. Por mais bem-intencionado que Washington possa ser, a verdade da questão é que os Estados Unidos da América têm sua garganta apertada por Tel Aviv, que por sua vez faz uma paródia da sua "política externa ética".

Até que Israel comece a respeitar o direito internacional, e até que Washington insista que sim, nenhum desses países está a fazer nada sério em prol da paz, em vez disso eles estão produzindo gerações de crianças criadas no ódio, dando-lhes uma causa e minando os esforços sérios de da comunidade internacional.

Timothy Bancroft-Hinchey
Pravda.Ru

 


Loading. Please wait...

Fotos popular