Pravda.ru

Federação Russa

9 de maio: Dia da vitória na guerra antifascista

09.05.2007
 
Pages: 12345
9 de maio: Dia da vitória na guerra antifascista

Passados sessenta e dois anos do final da II Guerra Mundial vale refletir sobre a imensa campanha que, há décadas, vem sendo lançada contra a figura de Stalin, na verdade, contra o líder do povo soviético nessa vitória. E não só contra Stalin, mas também contra outras lideranças comunistas, como Lênin, fundador do Partido Comunista da Rússia (Partido Bolchevique) e o seu principal dirigente na revolução de outubro de 1917, e contra Mao Tsetung, destacado líder de uma revolução popular e da derrota contra os invasores japoneses na China.

Nove de maio ( i ) é a data em que o povo soviético comemora o Dia da Vitória contra o fascismo. Epopéia de um povo que foi o responsável principal pela derrota do nazi-fascismo, sustentando com sacrifícios inauditos o combate às tropas de Hitler. “É indiscutível que o principal peso das lutas contra as forças armadas fascistas recaiu sobre a União Soviética. Foi a mais cruel, sangrenta e dura de todas as guerras que sustentou nosso povo. Basta dizer que mais de 20 milhões de soviéticos morreram durante o conflito.” ( ii ) Uma vitória do Estado socialista, da União Soviética (URSS), do Exército Vermelho, em uma guerra de todo o povo, dirigida pelo Partido Comunista, e que tinha um líder, o seu principal dirigente, Josef Stalin.

Passados sessenta e dois anos do final da II Guerra Mundial vale refletir sobre a imensa campanha que, há décadas, vem sendo lançada contra a figura de Stalin, na verdade, contra o líder do povo soviético nessa vitória. E não só contra Stalin, mas também contra outras lideranças comunistas, como Lênin, fundador do Partido Comunista da Rússia (Partido Bolchevique) e o seu principal dirigente na revolução de outubro de 1917, e contra Mao Tsetung, destacado líder de uma revolução popular e da derrota contra os invasores japoneses na China.

Contra eles, livros e mais livros são lançados e estampados com destaque nas prateleiras das livrarias. Cabe aqui uma indagação. Se o socialismo acabou, se é uma página virada da história, por que tanta necessidade de caluniar, de se bater contra aqueles que estiveram à frente dos povos que em alguns anos, algumas décadas, abalaram o mundo? Ou melhor, abalaram o domínio imperialista sobre os povos do mundo. Povos que descortinaram um novo horizonte, livre da miséria, da fome, da exploração de uma classe por outra, para um imenso contingente da população no mundo.

Países que em poucos anos experimentaram imensos avanços no campo social, da saúde, da educação, da tecnologia e que, com isso, impulsionaram a luta de classes do proletariado e dos povos em todo o mundo e obrigaram os governos dos países imperialistas e, em certos segmentos, também dos países dominados, a “concederem” um “Estado de bem-estar social” a um conjunto de trabalhadores. A possibilidade de novas revoluções chacoalharem o domínio imperialista, em particular dentro de seus próprios territórios, assustou as classes dominantes. Com os chamados “Estados de bem-estar social”, perdia-se alguns anéis, para não se perder os dedos.

Nesse sentido, toda esta detração (contra as principais lideranças dos países que experimentaram a construção do socialismo) não seria um temor, um medo das classes dominantes, da grande burguesia no mundo, da alternativa que os comunistas apresentam ou teriam condições de apresentar à barbárie capitalista, ao desemprego, à miséria, à violência e às guerras contra os povos explorados e oprimidos, promovidas pelo imperialismo na conjuntura atual? Por isso a necessidade de atacar os líderes, expressões das vitórias dos povos na construção do socialismo e na derrota do capitalismo, com a tentativa de desqualificar, por meio da mentira, do método fascista de repetir mil vezes uma mentira. E obstar reflexões, por pequenas que sejam, desestimular o conhecimento, o debate e estudo do marxismo, da ciência marxista, do marxismo-leninismo, das experiências de construção do socialismo, suas grandes vitórias e seus equívocos.

É a tentativa de impedir um balanço das experiências de construção do socialismo com base no materialismo histórico, analisando a luta de classes, a partir dos interesses da classe operária, das classes dominadas, da luta de posições teóricas, políticas e ideológicas, como expressões da luta de classes, em cada formação econômico-social e no mundo. A retomada do marxismo, do marxismo-leninismo, do partido revolucionário, se constitui em uma ameaça ao imperialismo, ao espectro que ora ronda o mundo, o espectro da barbárie capitalista.

Contra Stalin, em particular, não há artigo “politicamente correto”, para não dizer palatável, no campo da ideologia dominante, burguesa, que não contenha alguma alusão depreciativa à sua pessoa. O texto ou artigo pode estar se referindo a assuntos os mais variados e diversos, mas se for necessário dar um ar de “esquerda”, de “politicamente correto”, mas palatável, há que - noves fora - sobrar uma bordoada para Stalin. É sempre de bom tom criticá-lo, manter dele distância. “Crítica” geralmente sem um mínimo conhecimento ou pesquisa da história, da análise da conjuntura em que ocorreram estes acontecimentos históricos da época de Stalin. “Crítica” que, na maioria das vezes, repete as versões levantadas pela extrema direita internacional, abraçadas e divulgadas pelos revisionistas de todos os matizes.

Pages: 12345

Loading. Please wait...

Fotos popular