Pravda.ru

Federação Russa

Dia Internacional da Mulher: Que vergonha!!

08.03.2020
 
Dia Internacional da Mulher: Que vergonha!!. 32803.jpeg

Dia Internacional da Mulher: Muito mais que fazer

08 de Março. Hoje nós celebramos o Dia Internacional da Mulher, um feriado na Rússia desde 1965, celebramos vitórias para os direitos das mulheres. No entanto, em vez de tomar tudo o que foi alcançado como um dado adquirido, devemos recordar o muito que tem de ser feito.

Setenta por cento dos pobres do mundo são mulheres, 66% dos analfabetos são mulheres, as mulheres podem ser decapitadas, espancadas, apedrejadas até a morte ou enterradas vivas, as mulheres podem ser punidas com a morte por terem sido estupradas, ou por reclamar que foram estupradas; as mulheres podem ser forçadas a ter seus clitóris removido cirurgicamente quando são crianças, para que elas não possam ter um orgasmo e "portar-se mal" (Mutilação Genital Feminina). 100 a140 milhões de meninas foram vítimas de Mutilação Genital Feminina, 3 milhões de meninas por ano são submetidas a este ato horrível de intrusão e violação da pessoa.

E não estamos falando de países menos desenvolvidos, apenas. No mundo industrializado, as oportunidades de emprego para as mulheres já estão encolhendo, a igualdade de remuneração não existe, as oportunidades de promoção não são as mesmas para homens e mulheres, a pergunta não formulada na entrevista, "Você não está pensando em começar uma família, pois não?" pode ser facilmente evitada, perguntando a mesma coisa por outras palavras.

Na verdade, as disparidades salariais entre os géneros nos países da OCDE é de cerca de 17,6%, enquanto nos Estados Unidos da América, para o grupo etário dos 35 aos 54 anos, a média dos salários semanais são mais de 23% a menos para as mulheres. No Oriente Médio (Estados Árabes) 28% das mulheres participam na força de trabalho e em termos globais, a propriedade e os níveis de renda para as mulheres são muito inferiores aos dos homens: 1% dos bens do mundo, comparado a 99% para homens e 10 % da renda, comparado a 90% para os homens.

O único país com uma percentagem de mulheres no Parlamento a mais de 50% é Ruanda (nos EUA e na Grã-Bretanha é inferior a 20%). Em todo o mundo, dependendo da região, entre um mínimo de 15% e um máximo de 71% das mulheres sofreram violência perpetrado por um parceiro (na maioria das áreas, o valor médio é de 29% para 62%) e 10-27 % sofreram abuso sexual. Para o grupo etário 15-44, a violência faz mais vítimas entre as mulheres do que o câncer, malária, acidentes de trânsito e guerra; até 40% das mulheres em alguns países, afirmaram que sua primeira relação sexual não foi consensual, há 5.000 assassinatos de honra por todo o mundo cada ano, 20% das mulheres sofrem abuso sexual em todo o mundo enquanto são crianças; na África do Sul, uma mulher é morta a cada 6 horas pelo parceiro íntimo; na Índia, 22 mulheres são assassinadas a cada dia em incidentes relacionados com a dote, muitas vezes queimadas vivas.

As mulheres se concentram em empregos precários no setor informal e são muito mais vulneráveis ao desemprego, 80% das vítimas do tráfico humano são mulheres; há 60 milhões de meninas por ano, forçadas a se casarem enquanto são menores; em todo o mundo, 25% das mulheres grávidas são submetidas a abuso físico ou sexual (inclusive levando murros e pontapés no abdómen), 40 a 50% das mulheres na UE são vítimas de assédio sexual no trabalho ...

"Um dia ele voltou para casa muito tarde. Eu lhe perguntei: "Você está tão tarde ... onde
você esteve? Ele respondeu: Eu fui para a zona da luz vermelha. Você tem algum
problema com isso? Eu comecei a gritar com ele e imediatamente desferiu um golpe no
meu olho direito. Eu gritei e ele agarrou meus cabelos e me arrastou de um quarto
para outro, sempre dando-me pontapés e socos. Ele não se acalmou...Ele soltou seu cinto e então me bateu tanto e quanto ele queria. Só aqueles que foram atingidos com um cinto sabem como é".

(Mulher com formação universitária casada com um médico em Bangladesh - Estudo da OMS sobre a Saúde da Mulher e Violência Doméstica contra Mulheres)

História do Dia Internacional da Mulher

O Dia Internacional da Mulher teve início nos Estados Unidos da América, lançado por uma declaração do Partido Socialista da América em 28 de fevereiro de 1909, utilizando como base a necessidade de garantir os direitos das mulheres em uma sociedade cada vez mais industrializada e foi retomada pela comunidade internacional na primeira Conferência Internacional da Mulher em Copenhague, na Dinamarca, em 1910. As condições horríveis e desumanas na fábrica em Nova York, Shirtwaist, que causou a morte de 140 trabalhadores de vestuário (principalmente mulheres) em 1911, forneceu um novo ímpeto no momento em que as mulheres estavam pressionando para o direito de voto; manifestações na Rússia antes da  Revolução de 1917foram os primeiros sinais de emancipação das mulheres naquele país, culminando com a declaração por Lênin de um Dia da Mulher, em 8 de Março; em 1965 foi declarado feriado pelo Presidium do Soviete Supremo.

Conclusão

Ter um dia Internacional só é importante e só vale a pena se planos concretos forem elaborados e implementados, como hoje está fazendo a UN Women das Nações Unidas, juntamente com várias ONGs e grupos da sociedade civil em todo o mundo. Estatísticas como essas demonstram quão longe ainda temos de ir. As mulheres têm igualdade de género? Em parte nenhuma. Que vergonha!


Timothy Bancroft-Hinchey
Pravda.Ru

Diretor e chefe de redação da versão portuguesa

Media Partner da UN Women

 


Fotos popular