Pravda.ru

Federação Russa

Multiculturalismo e segregação

07.02.2011
 

As palavras do primeiro-ministro britânico, David Cameron em seu discurso em Munique recentemente, quando ele afirmou que o multiculturalismo do Estado falhou, abriu um debate no Reino Unido sobre valores universais. Em que medida estes devem ser praticados, ou impostos, como parar as tensões entre as comunidades de vivendo lado a lado, mas de costas viradas?

Certamente, as potências imperialistas, ao imporem políticas coloniais sobre outros povos e culturas, criando países desenhando linhas em mapas, não pouparam qualquer pensamento para as sociedades que estavam destruindo, nem praticaram direitos humanos enquanto eles massacraram os "nativos" que se atreveram a opor-se à regra europeia. E lembremo-nos de que os europeus não adotaram o estilo de vida, costumes e hábitos dos povos que vieram a dominar.

Agora, esses mesmos poderes que reclamam e se queixam quando as pessoas dos países que colonizaram durante séculos, ao passo que desviavam os seus recursos, querem um pedaço da ação no Velho Continente e residência no terreno dos antigos poderes imperiais.

No entanto, isso não significa que tensões e ódio têm que continuar, e em um mundo que está cada vez mais uma aldeia globalizada, é tempo de globalizar valores positivos, praticando políticas de amizade fraterna e de inclusão, não desconfiança e marginalização.

Se o multiculturalismo do Estado falhou no Reino Unido, como afirma David Cameron, certamente não é culpa de qualquer grupo étnico, mas sim uma tendência generalizada que tem suas raízes baseadas em tendências históricas, por sua vez cimentada em fenômenos sociológicos; por exemplo, o comportamento observado quando as comunidades

se formam em seus países de acolhimento, ligam para seus familiares e amigos que vêm para o mesmo bairro e se estabelecem como uma comunidade.

Isso não é novidade: na equação que constitui a humanidade, a migração tem sido um factor constante e as comunidades migrantes não se têm, historicamente, sempre misturado bem com os seus anfitriões - ao contrário, várias guerras foram iniciadas devido às tensões criadas e incontáveis milhões de vidas foram perdidas como resultado.

Felizmente, a humanidade evoluiu mas estamos ainda enfrentados pela questão: como implementar os valores globais adoptadas pela Organização das Nações Unidas, na Declaração Universal dos Direitos do Homem há 62 anos em 1948.

Onde os direitos de um grupo social começam e onde a liberdade do outro termina? Enquanto as palavras de David Cameron eram talvez exageradas (alguns membros de certas comunidades se viram para o extremismo, sejam eles muçulmanos ou cristãos, independentemente da sua origem étnica; isso não significa que as comunidades vivem em um estado de desgaste) refletem sobre as sociedades modernas no mundo do direito de movimento, tecnologia e acesso à informação globalizado mas não uma uniformidade de culturas, felizmente, nem um padrão singular de comportamento.

Que maravilhoso, que interessante e que emocionante assistirmos os costumes de diversos povos, sejam eles culturais, gastronômicos, religiosos ou seja o que for. A diversidade deve ser um sintoma de força e de partilha, e não fonte de divisão e segregação e, certamente, as sociedades podem ganhar uma identidade coletiva, enquanto as pessoas vivem juntas em comunidades, e não ilhas, lado a lado e não de costas viradas, um bom exemplo sendo cada vez mais visível hoje nas maiores cidades do mundo.

Os problemas e as tensões de hoje não são causadas por diferentes etnias ou credos ou cores, mas sim por um sistema econômico que gera desemprego endêmico, isolamento forçado, falta de oportunidade, a pobreza e exclusão de uma percentagem crescente da população nas sociedades que servem para aqueles que têm - e marginalizam os que não têm.

O Islã não é o problema , nem o cristianismo (talvez mais muçulmanos foram mortos pelos cristãos ao longo dos anos que os cristãos pelos muçulmanos), o problema é os sistemas de ensino, que se tornaram empresas, sistemas de saúde que se viraram negócio e os ciclos econômicos que saltam de crise a crise.

Certamente, haverá sempre jovens que terão vontade de atirar uma caixa de pregos em uma estrada - sem consequências reais, mas com a intenção de causar estragos - e outros que vão à Internet e aprendem a fazer um engenho explosivo a partir de ingredientes facilmente disponíveis ao público em geral - com sérias conseqüências reais.

Atacar não o grupo social ou étnico, mas a origem da causa que serve de combustível ao extremismo é a resposta e isso vem através do desenvolvimento, não o envio de militares, vem de debate e diálogo, e não demagogia. Ao invés de reconhecer que o multiculturalismo do Estado fracassou, devemos admitir que o sistema económico que temos nunca lhe deu qualquer hipótese de funcionar ou florescer.

Timothy Bancroft-Hinchey

Pravda.Ru

 


Loading. Please wait...

Fotos popular