Pravda.ru

Federação Russa

Desastre em Baikonur: Últimas

05.07.2013
 
Desastre em Baikonur: Últimas. 18462.jpeg

Uma comissão especial foi anunciada pelo Primeiro-Ministro da Federação Russa, Dmitry Medvedev, para investigar as causas do acidente no dia 2 de Julho quando um foguete Proton-M explodiu por cima da base de Baikonur e depois explodiu, espalhando fumo altamente tóxico.

O primeiro-ministro russo, Dmitry Medvedev nomeou uma comissão especial para investigar as causas do acidente e identificar os funcionários que possam ter sido responsáveis. Ele também indicou que seu governo vai preparar as medidas mais duras de fiscalização sobre a indústria espacial para evitar tais acidentes no futuro.

Desta vez, a explosão por cima da base de Baikonur em Cazaquistão não causou vítimas mas custou 200 milhões de USD e é mais um numa série de acidentes nos últimos três anos.

O foguete que explodiu foi da série Proton-M, que transportava três satélites de navegação para a rede Glonass - resposta da Rússia ao Sistema de Posicionamento Global dos EUA (GPS). A nave explodiu segundos após a decolagem na manhã de terça-feira, chovendo detritos tóxicos sobre uma vasta área em torno do cosmódromo de Baikonur.

O chefe da agência espacial da Rússia tem sugerido que só pode ser explicada pela "sabotagem externa". Relatórios de Baikonur dizem que tudo parecia bem com o lançamento, até cerca de 10 segundos após a decolagem, quando o foguete vacilou, então começou a voar horizontalmente antes de se desintegrar em uma espetacular bola de fogo e cair para o cosmódromo. O evento foi transmitido ao vivo pela TV estatal da Rússia.

Não foram registradas vítimas.

"Houve um acidente durante o lançamento Proton-M. O foguete caiu e explodiu no território do local de lançamento", informou um porta-voz da agência espacial russa Roskosmos.

De acordo com relatórios de notícias russas, havia 600 toneladas de combustível altamente tóxico a bordo do foguete. O Ministério dos Serviços de Emergência do Cazaquistão disse que tinha planos de contingência para evacuar a comunidade mais próxima (cerca de 40 quilômetros de distância) se a nuvem de fumaça venenosa continuasse a aumentar a partir dos destroços. Várias horas após o acidente continuou à deriva com os ventos.

Glonass, originalmente desenvolvido para o exército soviético, é atualmente o único concorrente em pleno funcionamento do sistema de posicionamento global dos EUA, tendo alcançado uma cobertura global completa cerca de dois anos atrás, apesar de vários contratempos graves.

O acidente de terça-feira foi parecido com várias outros anteriores que ocorreram nos últimos três anos, muitos deles envolvendo o carro-principal do programa espacial da Rússia, o Proton-M, que é desenvolvido a partir de uma família de grande sucesso de foguetes soviéticos.

Cientistas espaciais russos dizem que a série de acidentes que tem atormentado o programa espacial da Rússia não é, provavelmente, devido a eventuais falhas na tecnologia de base, mas sim, os problemas provavelmente derivam de controle de qualidade e questões de fator humano que surgiram nos últimos anos.

 

Fonte: Agências

Konstantin KARPOV

 


Loading. Please wait...

Fotos popular