Pravda.ru

Federação Russa

Reacção de Moscovo à Reunião Extraordinária do Conselho da Europa

03.09.2008
 
Reacção de Moscovo à Reunião Extraordinária do Conselho da Europa

“A cimeira da UE passou bastante previsivelmente, uma vez que até mesmo antes de se realizar não tinha havido falta de declarações de políticos europeus. De facto, havia chamadas por um certo número de países para a aplicação de sanções contra a Rússia e para um congelamento das relações, e as tentativas de condenar a nossa política sobre linhas de escrúpulos de uma distorção dos factos na sequência dos bem-conhecidos acontecimentos na região do Cáucaso.

O principal, porém, é que eles ficaram em minoria, enquanto a maioria dos estados membros da UE exibiram uma abordagem responsável e aprovou uma linha em parceria com a Rússia, bem consciente da importância de uma cooperação mutuamente vantajosa, em cujo âmbito muita coisa já foi conseguida, nos últimos anos.

Naturalmente nós não podemos concordar com toda uma série de declarações tendenciosas sobre a Rússia contidas na declaração final da cimeira, incluindo a tese sobre a reacção desproporcionada da Rússia para a agressão da Geórgia. A propósito, não foi dada uma avaliação adequada da acções de Tbilisi ou dos fornecedores de armas para a Geórgia, em violação das regras da UE e da OSCE.

Quanto à prática, as conclusões sobre os resultados da cimeira da UE, lamentamos a intenção de adiar as negociações sobre um novo Acordo de Parceria, embora ao longo dos últimos dois anos Moscou já se habituou a artificiais obstáculos no caminho deste documento. Estamos interessados na sua conclusão, na mesma medida que está a UE. Nesta fase, existem suficientes possibilidades para o desenvolvimento de uma cooperação mutuamente vantajosa com a Rússia com os países europeus nos mais diversos campos. No conjunto, consideramos que toda nossa parceria com a União Europeia não deve ser refém de diferenças de opinião sobre questões específicas.

A nossa cooperação é mutuamente vantajosa, e de benefício mútuo; é tão grande que seria imprudente colocar tudo isso em perigo, para dizer o mínimo. Da nossa parte, estamos dispostos a interacção construtiva e de igualdade de interação e prosseguimento do diálogo sobre todos os temas, incluindo aqueles em que nossas posições não coincidem. Na verdade é assim que deve ser entre os parceiros.

Nesta base, sempre é possível encontrar soluções para os problemas mais complicados, como foi confirmada pela iniciativa do Presidente francês, de que resultou a adopção, em Moscovo, em 12 de agosto o Plano Medvedev-Sarkozy para resolver a situação que surgiu após o ataque da forças georgianas contra Tskhinval. Rússia cumpre rigorosamente com o acordo de seis pontos e não está a tentar reescrever-los. Temos cumprido tudo o que diz com respeito aos nossos passos. Também apresentamos propostas concretas sobre as formas de implementar os itens que estão ligadas a medidas na comunidade internacional.

Nós estamos a trabalhar activamente com a OSCE, com vista a aumentar o número de observadores desta organização na Geórgia, sugerimos que cria uma presença policial internacional sob a sua égide, e apoiamos um papel activo da União Europeia nestas estruturas. Sua distribuição nas zonas da segurança, a desmilitarização destas zonas e a elaboração das garantias do não-uso de força contra Ossétia do Sul e Abcázia tornarão possível criar mecanismos internacionais para assegurar a segurança destas repúblicas de acordo com os artigos 5 e 6 do Plano Medvedev-Sarkozy.

Naturalmente, é igualmente necessário começar a executar a parte do Plano referente às obrigações da Geórgia – nomeadamente o retorno dos soldados às suas casernas. Nós esperamos que as matérias em relação à execução prática da planta do estabelecimento estarão examinadas completamente no curso da próxima visita a Moscovo do Presidente da França em 8 de Setembro”.

Ministério das Relações Exteriores

Federação Russa


Loading. Please wait...

Fotos popular