Pravda.ru

Federação Russa

Moscou ciente dos planos da OTAN de atacar a Rússia

03.08.2018
 
Moscou ciente dos planos da OTAN de atacar a Rússia. 29261.jpeg

Moscou ciente dos planos da OTAN de atacar a Rússia

O ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, disse que o governo russo estava ciente dos planos dos potenciais inimigos da Rússia de iniciar uma guerra contra a Federação Russa.

Fonte: Fotodom.ru

"Nossa consciência de quais planos os militares dos EUA e de outros países ocidentais estão tomando em relação à Federação Russa está garantida", disse Lavrov durante o fórum de jovens "Território de Significados". O ministro também disse que a presença militar da Rússia no mundo garante a segurança e capacidade de defesa do país. Apesar das recentes mudanças na agenda global, os cidadãos russos serão protegidos de acordo, acrescentou.

 As observações de Lavrov sobre o assunto não foram por acaso. A OTAN realiza regularmente exercícios perto das fronteiras russas, especialmente nos países bálticos. Ao mesmo tempo, a presença de embarcações da Marinha dos EUA no Mar Negro tem crescido constantemente. Oficiais da Otan, incluindo o secretário-geral Jens Stoltenberg, falam constantemente sobre a "agressão da Rússia" e a necessidade da Otan em defesa.

Em fevereiro deste ano, Lavrov falou sobre os estados membros da Otan que preparam um ataque nuclear preventivo contra a Rússia, ligando esses esforços a exercícios militares em larga escala perto das fronteiras russas.

A OTAN continua sua política de expansão e não se importa de aceitar a Geórgia. Essas declarações, no entanto, ainda são extremamente difíceis de implementar em termos práticos. Para que a Geórgia consiga unir-se à aliança, a OTAN deve primeiro reconhecer a Ossétia do Sul e a Abkházia como estados soberanos e independentes. Escusado será dizer que o Ocidente não está pronto para fazê-lo.

Ao mesmo tempo, a OTAN continua o programa de modernização das bombas nucleares não estratégicas B61 na Europa. Esta é uma arma americana que deve ser atualizada antes de 2024. Havia 150 dessas bombas na Europa até o inverno de 2017. Esse fato também não contribui para aliviar as tensões entre a Rússia e vários países ocidentais.

Esta é provavelmente uma das razões pelas quais Putin deu tanta atenção ao desenvolvimento de novos tipos de armas nucleares quando proferiu seu discurso anual na Assembléia Federal. Vale a pena mencionar aqui que a Rússia completou os testes para as novas armas e lançou a produção em série de algumas delas.

Em geral, a consciência de possíveis ameaças é uma situação normal para qualquer país desenvolvido, e foi isso que Sergei Lavrov quis dizer quando falou no fórum. A OTAN não quer impedir suas manobras contra "aqueles russos", embora este seja um passo político e demonstrativo. No entanto, tal demonstração de poder, por sua vez, deixa claro que a Rússia também precisa continuar fortalecendo suas próprias forças armadas.

Veja mais em http://www.pravdareport.com/russia/politics/01-08-2018/141324-attack_russia-0/

Nota editorial: Foi a Rússia que invadiu o Iraque? Foi a Rússia que destruiu a Líbia e reduziu o país africano com o melhor Índice de Desenvolvimento Humano aos escombros de um estado falhado cheio de terroristas? Foi a Rússia que instigou a Geórgia a atacar e assassinar soldados de paz em 2008? Foi a Rússia que usou terroristas na Síria para desestabilizar o governo de um estado soberano? Foi a Rússia que fez um golpe de estado fascista na Ucrânia, destituindo o Presidente democraticamente eleito? Foi a Rússia que elaborou de repente as leis da República da Criméia que estipulam claramente que na ausência do poder legal democraticamente instituído (Presidente), o organismo em vigor é a Assembleia Legislativa da República da Criméia? Negativo. A Rússia sempre zelou por uma abordagem multilateral usando o Conselho de Segurança da ONU como forum de debate e diálogo, os fundamentais da democracia.

A Rússia respondeu sempre às provocações de forma sagaz e comedida. No caso da Criméia, perguntem outra vez aos cidadãos se querem retornar à Ucrânia, depois dos massacres de russófonos pelo país fora por elementos terroristas e fascistas. Votaram com grande e esmagadora maioria para re-integrar a Rússia, num exercício aberto e transparente, tal como os residentes dos Falklands/Malvinas fizeram e todos acharam bem (menos os argentinos). Chama-se democracia. Talvez os que reclamam tanto contra a Rússia deveriam experimentá-lo de vez em quando em vez de intrometer-se nos assuntos de estados soberanos e invadir países e destituir governos e esconder-se atrás de terroristas.

Timothy Bancroft-Hinchey

Director e Chefe de Redacção

Versão portuguesa


Loading. Please wait...

Fotos popular