Pravda.ru

Federação Russa

Plano Medvedev-Sarkozy: Rússia cumpre todos os seus compromissos

02.09.2008
 
Pages: 12
Plano Medvedev-Sarkozy: Rússia cumpre todos os seus compromissos

De uma vez por todas, vamos analisar ponto por ponto o Plano Medvedev-Sarkozy para realçar o facto que a Federação Russa tem cumprido todos os seus compromissos desde o início do conflito começado pelo aliado dos Estados Unidos da América, Geórgia, na noite de 7/8 de Agosto quando chacinou de forma covarde e brutal 2.000 civis russos com equipamento militar, um “pormenor” tão insignificante que vários grandes jornais ocidentais esqueceram-se de o referir.

“No âmbito das discussões em torno da situação na Ossétia do Sul e da Abcásia nossos parceiros ocidentais instam a execução integral dos seis princípios acordados pelos presidentes da Rússia e da França em Moscou em 12 de agosto de 2008. Frequentemente, as alegações são levantadas que a Rússia não tenha cumprido plenamente os pontos definidos nos acordos.

Nós explicámos e apresentámos provas no nível mais alto, que Moscou efectuou todas as acções previstas nos princípios. Nós gostaríamos de voltar a ver em pormenor esta questão, por forma a esclarecê-la de uma vez por todas.

O primeiro princípio diz: "a renunciar ao uso da força". Dirige-se, em primeiro lugar e acima de tudo, para a liderança georgiana, que levou a cabo um ataque agressivo contra a Ossétia do Sul, na noite de 7/8 de agosto em violação de todas as suas obrigações e os compromissos e os acordos já existentes. Rússia durante o ano passado tinha procurado consistentemente, designadamente através da OSCE e do Conselho de Segurança das Nações Unidas, obter um acordo juridicamente vinculativo entre Tblisi, Tskhinval e Sukhum sobre a inadmissibilidade da resolução de conflitos pela força.

As nossas propostas foram repetidamente rejeitadas pelo regime de Saakashvili, e seus mandantes tinham recusado a tentar influenciar o líder georgiano. É inegável, portanto, que a iniciativa em conformidade com o primeiro princípio do acordo Medvedev-Sarkozy depende da Tbilisi e aqueles que apoiam o seu regime.

O segundo princípio pressupõe a cessação definitiva de todas as hostilidades. Aqui também a coisa mais importante é manter Saakashvili fora de novas aventuras militares e impedir o rearmamento de um regime que ao longo dos últimos quatro anos tem demonstrado repetidamente para que fins ele usa as armas fornecidas abertamente e dissimuladamente. Infelizmente, há a informação de que o rearmamento do regime de Saakashvili já começou. Os participantes deste processo deveriam tornar-se conscientes da sua responsabilidade. Quanto à Rússia, as acções militares da nossa força de manutenção da paz, empenhadas para forçar o agressor a aceitar a paz, foram interrompidas por ordem do Supremo Comandante-em-Chefe das Forças Armadas da Rússia em 12 de agosto de 2008.

O terceiro princípio diz respeito ao livre acesso à ajuda humanitária. Não há obstáculos no caminho do lado russo. Essa ajuda foi proveniente a partir do território da Federação Russa em quantidades significativas. Nossos Capacetes Azuis, controlando a zona de segurança em torno da Ossétia do Sul, também têm o fim de permitir que passe qualquer meio de suprimentos humanitários acordados com Tskhinval a partir do território da Geórgia, de acordo com os procedimentos geralmente aceites. Evidentemente, tais procedimentos pressupõem controlo para garantir que as mercadorias declaradas como a ajuda humanitária devem realmente ter um caráter totalmente humanitária.

O quarto princípio, exigindo que as forças armadas georgiano ser devolvidos aos seus locais de permanentedistribuição, isto é, às casernas, atenção especial dos méritos, porque a evidência até agora não torna possível falar do seu que está sendo executado pelo lado Georgian. É necessário que a missão do OSCE na Geórgia deve jogar seu papel em assegurar a execução estrita deste princípio.

O quinto princípio consiste em duas partes. No que diz respeito à retirada das forças armadas russas para posições anteriores, este processo está terminado. Todas as unidades das nossas forças armadas que tinham sido introduzidos na Ossétia do Sul para repelir a agressão georgiana foram devolvidos para o território da Rússia, com excepção dos estacionados na Ossétia do Sul, em resposta ao pedido dos seus dirigentes para o cumprimento das suas funções de manutenção da paz.

Além disso, as forças militares russas, tal como previsto na segunda parte do quinto princípio, têm tomado medidas de segurança suplementares. Uma zona de segurança foi formada em redor da Ossétia do Sul para esses efeitos.

Intimamente ligada ao quinto princípio é o sexto - a convocação de um dos debates internacionais sobre medidas de segurança duradouras para a Ossétia do Sul e Abcásia. Essas discussões já estão em curso na OSCE, no caso da decisão ter sido tomada para um envio mais 100 observadores militares para a missão da OSCE na Geórgia. A parte russa está pronta para o seu aumento.

Com a triste experiência ligada à agressividade da actual liderança georgiana, as funções dos observadores militares da OSCE "deveriam centrar-se em funções a patrulhar as zonas de segurança com especial atenção para o seu perímetro exterior. Os soldados da paz russos estão prontos para a cooperação mais próxima com eles. E além disso, uma presença policial internacional deve ser fornecida na zona de segurança. Esta presença pode ser implantada sob um mandato da OSCE com confiança nas capacidades da União Europeia, dado o interesse manifestado pelos países membros da UE nesta matéria.

Pages: 12

Loading. Please wait...

Fotos popular