Pravda.ru

Notícias » Cultura


O GANCHO

23.09.2003 | Fonte de informações:

Pravda.ru

 

Os escritores levam a injusta fama de possuir uma prodigiosa imaginação. As histórias que eles contam, diz-se até, que eles criam, às vezes parecem vir de um cérebro em delírio. Algo como a história de uma criança que entra em um espelho e cai num buraco de um coelho que passeia com um relógio. Pelo efeito criado, pelo mundo que uma história insinua, pelas aparências enfim, uma história narrada é sempre uma fantasia, um reino à margem da realidade e da natureza. Engano. Os efeitos criados levam a essa ilusão. Toda história digna de ser lembrada, que deixa um eco permanente em nosso espírito, que acorda uma nota íntima na gente, é sempre um reflexo e uma reflexão. Dêem a isso o nome e a obra mais estranha. Chamem-na de A Metamorfose, Cervantes, Fausto, ou Marcel Proust.

Quando se afirma que Balzac aumentou o número de livros do Registro Civil na França, a tendência imediata que temos é a de ver este senhor e escravo do romance como um Deus, como um Ser que soprava no barro informe e produzia homens. Para alcançar e compreender o engano disso, não é preciso ir ao Prefácio à Comédia Humana que ele escreveu, no passo em que diz “ao copiar toda a sociedade, ao interpretá-la na imensidade das suas agitações, aconteceu, tinha de acontecer, que tal composição apresentasse mais de mal que de bem...”. Nem mesmo ao comentário da irmã de García Márquez, que diz ser ele um grande indiscreto, pois sempre encontra os personagens do escritor na vida do cidadão García Márquez. Não precisa. Para chegar à compreensão do erro, basta substituir imaginação por sensibilidade. É claro que esse “basta” é uma palavra ainda imprópria. Porque à sensibilidade, que não é pouca substituição, teríamos que acrescentar capacidade aprendida e trabalhada de exprimir o que se sente, além, é claro, de uma certa imaginação, se por isso alcançamos uma largueza do compreender, e um inconformismo com o mundo. “Basta” isso.

Essas coisas nos vêm pelos enganos de que são vítimas também os escritorezinhos pequenininhos, de pouca obra ou quase nenhuma, como este cronista. Presenciamos coisas que, quando as contamos, parecem “surreais”, para usar uma palavra grata aos colunistas de modas e sociedade. Coisas que parecem inventadas, pura invenção. De um vendedor de carne de cabrito, ouvimos dizer a uma dona de casa, numa sexta-feira santa:

- Pode comprar, madame. Compre em confiança: cabrito é quase peixe.

De uma cobradora de passagens, num ônibus, esta semana:

- Tem gente que não sabe tratar as pessoas. Lá no meu bairro, uma aluna foi tratada aos gritos pela diretora da escola. A mocinha disse a ela: “A senhora é diretora aqui dentro. Mas lá fora é diferente”. Aí a diretora teve que sair com uns seguranças. Por quê? É que a diretora tem o nome de Socorro. Então as mocinhas ficam chamando: “Socorro, Socorro...”. Aí a diretora grita: “Socorro é grito de ajuda. Meu nome é Dona Socorro”. Aí começou a confusão.

Mas onde está o “Gancho” do título? O gancho, para quem não sabe, no jargão jornalístico, é um fato que se ligue, que dê margem a outro, que sirva de ponte, de gancho, enfim, para a notícia. É claro que o “gancho” é uma burrice repetida por gerações de repórteres e redações no Brasil. Assim, por exemplo, uma reportagem ou artigos sobre o terrorismo, somente será possível em 11 de setembro, e sempre em onzes de setembro. O gancho desconhece que os fatos, as notícias dos fatos se impõem por sua força, pelo inusitado, ou, notícia que os repórteres nem sonham, pelo tratamento. Sequer vêem que o mundo e a vida giram sem gancho. Que notícia, no inglês que tanto prezam, remete ao novo, e que o novo não é necessariamente o mais recente. Mas isto já seria esperar muito de quem corre e corre numa redação, para satisfazer um tempo de fábrica, de indústria, que associa Internacional aos Estados Unidos, que conhece a queima de florestas no Brasil somente no dia em que o NY Times noticia, e faz da Cultura o mesmo que show business. Seria esperar demais.

Onde portanto o gancho, antes que se pendure o autor nele? Aos fatos, nus e crus. Esta semana, recebi a honra da publicação de uma crítica a meu romance Os Corações Futuristas, no site www.novacultura.de . Ora, isto não acontece todos os dias. Quero dizer, um editor de um site na Alemanha sair de seus inúmeros trabalhos, ler um romance escrito em português, para sobre ele se curvar e escrever uma crítica. E é preciso que se acrescente, em um tempo de safadeza e canalhice geral, para elogiar um romance sem ganhar um só centavo por isso. Para falar pelo simples e humano fato de haver gostado da sua leitura. Diante disso, que faz este feliz autor? Ah, meus amigos, o quanto a felicidade é falaz, frágil e fugaz. O incauto autor, este incautor, liga para a redação de um dos jornais de sua província. Diálogo:

- Meu nome é Urariano....

- Quem?

- Urariano Mota, acrescento, porque eu sempre acho que o Mota ajuda muito.

- Sei..... e ????????

- Pois é, eu tive um romance que recebeu uma crítica favorável na Alemanha, e.... (Vou dizendo uma enxurrada de diabólicas asnices, numa enxurrada, que correm por uma Sibéria de gelo e silêncio.)

- Passe um mail.

- Eu já passei.

- Ah! É que hoje o sistema aqui no jornal travou, houve uma pane geral nos computadores. Ligue amanhã.

Chega amanhã. Ligo. Diálogo:

- Recebeu a mensagem?

- Deixa ver. Está aqui.... tererê, tererê....é. Olha, eu agora estou fechando a página.....Ligue amanhã.

Ligo. Diálogo:

- Aqui quem fala é Urariano...

- ?.... Você repete o assunto que a gente conversou antes? Aqui é uma correria...... hum, hum, sei, sei .... Sei. Claro, claro. Mas... Qual é o gancho?

- O gancho é um autor local receber uma crítica a um livro seu na Europa.

- E daí? O que tem a ver?

O leitor já vê que o chamado diálogo é uma composição de monólogos paralelos. De um lado, um autor envergonhado e pedinchão. De outro, uma jornalista que não vê a hora de se ver livre desse inconveniente. Na hora, isto evidentemente não ocorre ao autor. Na realidade, de um modo geral, os autores são péssimos no diálogo falado, ao vivo. Na hora, não lhe ocorre, não me ocorre dizer que o maior gancho é um autor ser conhecido em várias partes do mundo, Rússia, Alemanha, Itália, Espanha, Portugal, México, Argentina.... e ser absolutamente desconhecido na terra onde nasceu. Que isto é um fato tão paradoxal, tão irônico, que por si só mereceria uma notícia. Quando nada, um relato que recebesse o nome de O Gancho.

Na hora, apenas me ocorre perguntar:

- Se um cometa cair sobre a terra e abri-la ao meio, qual o gancho?

- O seu livro é um cometa?!

Sem resposta, desligo. E reconheço: isto, contado, ninguém acredita. Decididamente, essas coisas que acontecem à gente são muito surreais.

 
7078
Loading. Please wait...

Fotos popular