Pravda.ru

Notícias » Cultura


Dia de Gulbenkian

19.07.2006 | Fonte de informações:

Pravda.ru

 
Dia de Gulbenkian

Fundação Calouste Gulbenkian foi «o mais extraordinário golpe de sorte» da história de Portugal, afirmou hoje o sociólogo António Barreto, na sessão solene que assinalou os 50 anos da instituição. «A verdade - disse - é que esta fundação com o seu património é o mais extraordinário golpe de sorte da nossa história. Muitos foram os êxitos dos portugueses durante séculos, mas sofridos, e resultado de esforço, por vezes sobre-humano. Com esta fundação, estamos perante aquele que é um dos mistérios da história: a sorte».

António Barreto, coordenador de um livro sobre o meio século da Gulbenkian e o seu impacto da sociedade portuguesa, a lançar no Outono, foi o orador convidado da sessão solene, que contou com a presença do Presidente da República e reuniu centenas de convidados na fundação.

Segundo o investigador, nunca se saberá o principal motivo que levou o milionário de origem arménia Calouste Gulbenkian a deixar a Portugal a sua colecção de arte e a sua fortuna, dando origem à fundação com o seu nome, cujos estatutos foram aprovados faz hoje 50 anos. Com a Gulbenkian, considerou o sociólogo, «a sociedade não ficou aberta. A vigilância e a censura não terminaram. Mas entraram o ar e a luz. Mais que isso, ideias. E saíram pessoas, foi possível falar e ver. Sem essa janela teríamos vivido pior».

Mas o principal factor de sucesso da fundação é, para António Barreto, a sua independência. «Em Portugal, mesmo depois de fundado o Estado democrático, é difícil ser-se independente. Num país marcado pela omnipresença do Estado, por uma economia oligárquica, por uma igreja hegemónica, por partidos políticos inseguros e por umas classes médias com pouca história e parcos meios, a independência é um bem raro», destacou.

Barreto afirmou ainda que os que discutem a fundação «debatem sempre a questão do seu elitismo». «Os que condenam o elitismo - disse a concluir - confundem elites sociais com elites científicas e culturais. Não são a mesma coisa. Nas sociedades fechadas, coincidem em grande parte. Nas sociedades abertas, não necessariamente. Umas podem transformar-se noutras. Se a fundação trabalhar só com elites sociais, falha a sua missão. Se trabalhar para promover elites científicas, profissionais e culturais, então triunfa».

Segundo "Portugal Diário"

 
2429
Loading. Please wait...

Fotos popular