Pravda.ru

Notícias » Cultura


A VERDADE

09.08.2003 | Fonte de informações:

Pravda.ru

 

EDITORIAL

Dia dos Pais! Uns abnegados, outros não! Uns sofrem por querer lhes ensinar o certo e vocês não querendo seguir os conselhos! Uns acreditam estarem lhes ajudando, e fazendo o contrario! Uns amam Vocês, uns aturam, outros... Bem! O meu objetivo foi alcançado!

Mostrar a vocês jovens, como é difícil compreenderem os seus pais; assim como para eles é difícil compreenderem vocês! Conselho? AMOR! Se um pai AMA o seu filho, dificilmente, mas muito dificilmente este não retribuirá o amor recebido! O filho é um ser super sensível e requer, desde o nascer, toneladas de AMOR, o que não se encontra nas ruas.

AMAR um filho desde os primeiros minutos de sua vida, é uma necessidade, sabendo que esse é o principal alimento de seu pequeno espírito, e que sem isso ele morre! Uma verdade que a maioria dos pais desconhecem!

O maior erro dos pais é matarem os seus filhos e depois tentarem ressuscita-los com presentes! E os presentes ofendem ao defunto!

Nesse dia dos Pais, peço e imploro: se Você vai ter um filho, não o deixe morrer!

Armando COSTA ROCHA

A PROCURA DO AMOR, capítulo VI

PAIXÂO

Ligada ao AMOR, no que em nossa concepção errada do AMOR existe, tem procedência. Paixão, essa tara que nos sentimos por uma mulher, ou vise versa, mas que na realidade, não significa o que queremos apresentar para os nossos conhecidos.

Normalmente usamos essa palavra para demonstrar o nosso descontrole de sentimento por alguém; mas que na realidade não tem uma gota de sentimento e sim um “T” grande! Desde criança achava a tal da paixão, pelo menos como era apresentada, não como uma loucura sentimental, mas como obsessão por um prato especial de comida (pode pensar em outra comida) que queríamos comer imediatamente, mas que por varias razoes não podíamos.

O interessante é que, eu estudava profundamente o caso, e quanto mais me aprofundava na questão, mais tinha a certeza de que paixão partia do sentimento que temos, em adquirir o que queremos, no mínimo de tempo possível.

Observei também, no decorrer de minha vida, pessoas que me informavam, logo que apresentados a uma mulher interessante, que se tinham apaixonado. E dois dias depois, já satisfeito o seu desejo carnal, não mais se sentiam assim.

Outras estórias com outros amigos. Um deles, apresentado a uma garota, se interessou muito superficialmente por ela; mas, como varias tentativas de leva-la para a cama tinham fracassado, passado algum tempo, estava sofrendo de uma grande paixão aguda!

O pior é que, se pode chegar a uma situação de total demência, por essa paixão que não passa de um “T” grande, impedido de ser satisfeito.

Como adoramos viver amores e paixões, que simplesmente não têm nenhuma significação sentimental, creio que procuramos problemas, e ficamos aborrecidos quando os encontramos.. Gostamos de nos enganar e também enganar o próximo; mas...muitas e muitas vezes não são os grandes que pagam a conta, mas lindas crianças inocentes que muitas vezes nasceram sem ninguém as querer.

· Para quem não entende a gíria brasileira, “T” grande significa “tesão“

Armando COSTA ROCHA

REMINISCÊNCIA

Vamos fazer vocês voltarem novamente ao passado, e por mais incrível que pareça, ele se parece muito com o presente.

O artigo de hoje se chama: “Por quem os sinos dobram na África do Sul!” quando presenciávamos a covardia do homem branco contra o povo da África do Sul, e foi escrito em 10-9-85.

Vemos estarrecidos os acontecimentos que se desenrolam na África do Sul, sem que nada de definitivo seja feito para terminar com o barbarismo, perpetrado pelos que se dizem civilizados, contra o que eles chamam de selvagens!

Crianças são torturadas, por protestarem contra as prisões e torturas infligidas aos seus pais.

Cães são lançados contra cidadãos, só pela razão de estarem protestando contra o serem tratados em sua terra de nascença como pessoas de segunda categoria.

O mundo, absolvido com a “guerra fria” Leste x Oeste, esquece que há outros problemas muito mais importantes para serem tratados, e agora!

Enquanto a consciência do homem branco não despertar, os sinos continuarão a dobrar na África do Sul!

Armando COSTA ROCHA

Cansaço

Motivo e inspiração: Creio que TODO o ser humano passa por esse estado de espírito. É inevitável, em contato permanente com pessoas de várias camadas sociais, em especial da alta sociedade, você sentir o que senti num certo momento: o vazio das conversas e especialmente, dos objetivos que essas pessoas pretendem alcançar.

Eu vou, como você vai agora A procura de alguém, a procura do nada Eu encontrei você, justamente nessa hora. Eu tenho que ir, eu tenho que ir embora!

Porque precisas sonhar, você vive Vida que de vida nada tem. Sabes que agora sofres. Você vai novamente a procura de alguém

Procura por necessidade de encontrar. Sabes que depois vais sofrer. Por que os homens não se cansam de procurar? Por que os homens não se cansam de viver?

UM CAPIXABA PELO MUNDO, parte 7

Quando o navio se aproximou das costas portuguesas, pensei: foi nessa terra que o meu pai nasceu. E logo depois: quando os portugueses chegaram no Brasil, eram os descobridores nos visitando, agora é a vez dos descobertos. Creio que o mundo vai se tornando menor, todas as vezes que você passa a conhecer novos países e continentes.

Para você entrar no porto de Lisboa, tem que navegar antes pela entrada do rio Tejo e passar por baixo de uma grande ponte, que nessa época se chamava de Ponte Oliveira Salazar, e hoje foi rebatizada de Ponte 25 de Abril, em homenagem a Revolução dos Cravos.

O navio fez manobra e desembarcamos, eu prometendo ao meu acompanhante italiano de ir lhe fazer uma visita em Genova, pois comprei passagem para ir do Rio a Lisboa e de Genova ao Rio.

Ninguém me esperando, pois ninguém sabia que eu iria chegar, meus familiares distantes, e eu por DEUS, não queria que alguém me esperasse.Queria que a Europa me recebesse, sem me conhecer e nem ser apresentada.Era a minha necessidade de entrar em contacto com ela sem propaganda, a favor ou contra, e melhor ainda, sem ser compreendido na maior parte de minha viagem.

Creio que a melhor maneira que você tem de conhecer alguém é pelo sentimento que ele emana, e isso é muito melhor sem palavras.

Bem, cheguei a Europa, quer dizer a Portugal. Chego, sem saber por quanto tempo vou ficar e onde?

Como a diferença entre a temperatura externa do navio perto do Brasil, e a interna variava entre 15o a 20o, todos os passageiros chegaram gripados em Lisboa, uns muito, outros nem tanto. Eu fui um dos que griparam muito. Peguei táxi e pedi para me indicar um hotel barato. Conclusão: fui levado para a Praça da Alegria, numa modesta pensão, onde consegui assistir pela primeira vez na minha vida pela TV o jogo de futebol de um grande time europeu, Ájax da Holanda. Achei fantástico.

Estranhei o fato, de que apesar de ser noite, 21 horas, o sol, apesar de fraco, dava o ar de sua graça.

No dia seguinte pela manha, estava andando em direção ao Jardim Zoológico, que meu avo português me recomendou, por ser um dos melhores da Europa, quando quase tropecei com a senhora desquitada que tinha encontrado navio, que me informou o nome do hotel em que se tinha hospedado e me deu até o numero do seu apartamento, a fim de mais tarde procura-la.

O jardim zoológico lisboeta de fato é muito bom com muitas espécies de animais que não encontramos nos nossos zoológicos.

Voltei para a pensão ardendo de febre, notando no caminho, que com raras exceções, as portuguesas eram feias.

Lisboa, lembrou-me muito o Rio de Janeiro antigo ou a parte velha de Vitória do E.Santo mas, isso não foi nenhuma surpresa para mim, pois logicamente a nossa arquitetura tradicional vem de Portugal.

Não dei a bola para desquitada, não porque não gostei dela, mas porque com a febre que estava, só poderia piorar o que não convinha a mim por duas razoes: 1 – Por estar sozinho e sem condições de conseguir ajuda, caso piorasse. 2 – Porque queria continuar viagem o mais breve possível.

Lisboa, por causa da sua arquitetura me fazia lembrar muito o Brasil e não era por esse motivo que eu estava viajando, a minha meta era ver arquiteturas diferentes assim como povos, o que não poderia acontecer em Portugal. Por isso, quando fui dormir, já tinha a passagem de Lisboa para Madrid de trem, comprada.

Armando COSTA ROCHA PRAVDA.Ru BRASIL

 
9185
Loading. Please wait...

Fotos popular