Pravda.ru

Notícias » Sociedade


Egito recusa exibir filme de EUA por distorção sionista

31.12.2014 | Fonte de informações:

Pravda.ru

 
Egito recusa exibir filme de EUA por distorção sionista. 21355.jpeg

Cairo, (Prensa Latina) O Ministério de Cultura egípcio proibiu a projeção do filme norte-americano Êxodo: reis e deuses, por incluir inexatidão histórica e apresentar uma visão sionista, segundo comunicado que circula neste sábado (27)  aqui.

O filme, realizada a um custo bilionário, alude à história de Moisés e apresenta aos judeus residentes em Egito na época faraônica como os construtores das pirâmides, uma das sete maravilhas do mundo antigo, e do atual.

É um filme sionista, mostra a história desde um ponto de vista sionista e falsifica fatos históricos; a realidade demonstra que as pirâmides foram construídas por egípcios dos períodos dos reinos antigo, argumentou um porta-voz do Ministério de Cultura.

O postulado não é novo já que um dos pais do gigantismo fílmico de Hollywood, Cecil B. De Mille, difundiu a hipótese em seus filmes Os 10 Mandamentos, uma de 1923 e outra EM 1956, refutada por arqueólogos e científicos quem concluíram que os construtores eram operários assalariados.

De Mille é responsável por outro disparate histórico segundo o qual a vida a ou morte dos escravos e os primeiros cristãos no Circo Maximus romano se decidia mostrando o polegar da mão direita para acima ou apontado par solo.

Investigações indicam que Moisés não era judeu, sim egípcio, membro da aristocracia faraônica com o nome Tut Moses, que era comum na época, e sua decisão de abandonar o país se deveu às turbulências religiosas unidas à intenção de implantar o monoteísmo.

O panteón teológico egípcio chegou a albergar 150 deidades, algumas das quais foram levadas à Roma imperial, o que implicava a existência de uma casta sacerdotal cujo poder em ocasiões se impôs ao dos Faraós, que eram considerados deuses em si.

Exodo: história de reis e deuses tropeçou desde temporão com polémicas pois foi produzida em parte com fundos de Rupert Murdoch, o bilionário britânico dono do jornal Times de Londres, por sua resposta simplista a críticas pela cor da pele dos protagonistas, todos brancos.

Apresentado pelo fato de que a maioria da população egípcia é sepia, devido ao intercâmbio humano com Nubia, o atual Sudão, Murdoch lhes restou importância alegando que "todos os egípcios que conheço são brancos".

Os detratores replicaram-lhe que é normal que assim seja, porque só se rodeia com milionários, mas que visitasse Egito e desse uma olhada aos camponeses, as capas mais desfavorecidas, e inclusive importantes segmentos da classe média.

De ter-se tratado de Moisés, a pugna não tinha existido já que os muçulmanos consideram a Moisés, (Musa em árabe), como um dos profetas de Alá, o Deus único.

 

http://www.iranews.com.br/noticia/13009/egito-recusa-exibir-filme-de-eua-por-distorcao-sionista

 

 
3554
Loading. Please wait...

Fotos popular