Pravda.ru

Notícias » Sociedade


Hegemonia ocidental contra ditadores

29.03.2010 | Fonte de informações:

Pravda.ru

 

Por: Anna Malm

O que significa hegemonia ocidental? Quem são os ditadores à quem o Brasil se deve opor? Antes de responder a essas perguntas vejamos as idéias que foram apresentadas para uma alternativa Política Externa brasileira no debate “O Brasil e a Nova Geopolítica Mundial.” O debate foi organizado pela oposição em Brasília e a pergunta que se apresenta é se essas mesmas idéias seriam sustentadas, por exemplo, por uma coalizão PSDB DEM PPS ou qualquer outra coalizão com características semelhantes.

A idéia básica apresentada no debate é que a política externa brasileira deveria mais era apoiar e fazer parte de uma hegemonia ocidental conquanto afastando-se de ditadores.

Estava claro que em primeira mão o Brasil deveria alinhar-se com os Estados Unidos, a União Européia e os Estados com eles configurados, ou seja, a dita hegemonia, conquanto afastando-se de ditadores. Deveriam estar se referindo a Uribe na Colômbia ou a ditadura militar de Pervez Musharraf no Paquistão, mas infelizmente esse ponto não entendi muito bem.

Também é um pouco difícil de entender o que querem dizer mais especificamente como hegemonia ocidental, a tal com a qual o Brasil deve se alinhar e seguir piamente. Espontaneamente me pergunto se é a hegemonia responsável pelos atos criminosos que causaram mais de um milhão de mortos assim como cinco milhões de refugiados no Iraque, sem se ter em conta todo o sofrimento e as tragédias causadas pelas sanções anteriores e posteriores aos bombardeios e tudo partindo de justificativas baseadas em calúnias premeditadas. Calúnias essas que posteriormente foram comprovadas como premeditadas e até mesmo reconhecidas pelo próprio acusado como tais.

Será que querem dizer que a hegemonia a que incondicionalmente se deve seguir é a hegemonia dos países ditos sofisticados que estão matando e morrendo no Afeganistão? Estarão êsses países, ou seja, a dita hegemonia, matando e morrendo pelo bem da democracia assim como para o bem estar de todo o mundo ou para ganhar o controle dos inúmeros depósitos de ouro, cobre, ferro, mercúrio e chumbo existentes em abundância no Afeganistão, conforme estudos geológicos americanos constataram em 2002 e que estudos anteriores já nos anos 70 tinham determinado? Ou será que o interesse maior seja mesmo o de ganhar controle da mineração dos metais raros como o Caesium, Lithium, Nobium ou Tantalum, também conhecido como Coltam, todos lá em depósitos de mineração?

Tantalum é um elemento raro necessário para a fabricação de celulares, computadores e câmaras digitais. Lithium é necessário para a fabricação de baterias de alta tecnologia entrando também na mistura para a produção de metais com alto teor de desempenho tecnológico. Nióbium entra na mistura para a produção do aço. No final das contas nem sei se são as tais “Burkas”, [as roupas femininas] que irritam tanto as almas sensíveis ocidentais ou se é o gás e o petróleo que atraem, pois estes também lá estão e isso em abundância. Morrer e matar para que as mulheres possam andar pelas ruas de biquíni ou de tanga conquanto mostrando seus atributos esculturais? Pode ser. Sabe se lá como gente sofisticada pensa.

A hegemonia ocidental deve ser preservada tal como é e aprimorada, mas eu continuo não entendendo, porque se estivessem se referindo a hegemonia que soube manter sua distância e seu silêncio conquanto dos massacres em Gaza isso fosse mais do que cumplicidade passiva, seria um crime declarado. Referem-se talvez a hegemonia que age febrilmente para enfraquecer um Irã que poderia se pôr em condições de impedir novos semelhantes massacres contra uma população indefesa? Um Irã que mesmo sem ser nuclear teria eventualmente condições de impor condições de limites e restringir futuros eventos na região?

Para não se falar da hegemonia que espera ter o controle dos sete mares usando para tanto sua capacidade bélica contra um poder tão ameaçador para o ocidente como o Yemen que por alguma aberração da natureza mostra uma incompreensível capacidade de enganar o conjunto inteligente das nações mais poderosas do mundo. Ou por aberração da natureza ou por milagre, sabe se lá. Fato é que Yemen está localizado em Bab-el- Mandab, o estreito que controla a entrada e saída de embarcações como, por exemplo, as de petróleo, ligando o Mar Vermelho ao Oceano Índico, ou em outras palavras, um ponto de enorme valor estratégico ficando atrás só mesmo ao estreito de Hornuz (Irã) em valor estratégico quanto ao controle do fluxo energético, ou seja mais uma vez o petróleo mas aqui também entram considerações bélicas. Isso quer dizer as considerações bélicas dos que, também por razões incompreensíveis, se sentem como donos do mundo com todos os direitos incontestáveis que o direito de propriedade traz consigo.

Enfim. Pode até ser a hegemonia das bases americanas pela terra afora que seja a tal hegemonia ocidental a qual se referem com tanto respeito e admiração:- mil bases militares em solo estrangeiro, mais as sete bases negociadas na Colômbia com capacidade de alcançar qualquer rincão do nosso continente por motivos de antiamericanismo, pobreza endêmica ou sabe se lá também o que mais. Terrorismo talvez? Não somos nós as crianças que aprenderam que terrorismo é um conceito relativo? Por mal das misérias essa hegemonia ainda tem o descaramento de querer economizar na gasolina conquanto transportando suas bombas pelo hemisfério sul, para despejá-las onde? Parece brincadeira? Confira no exato.

Pois bem, não consigo entender a virtude de se apoiar ou ainda menos de seguir essa hegemonia ocidental. Devemos estar falando da mesma hegemonia pois a meu ver não tem outra candidata para explicar todos os fenômenos acima mencionados se não à dita hegemonia ocidental.

Quanto aos ditadores que eles tinham em mente, pois certamente não era a ditadura militar de Pervez Musharaf, amigo do peito que estava em questão, ou a administração do Sr Uribe da Colômbia a que se referiam. Bem, aqui a situação fica muitíssimo complicada porque os “ditadores” teimam em ficar ganhando eleições por todo lado. Teremos talvez que mudar a nomenclatura para agradar aos predicamentos?

Vejamos Venezuela e o Mandato Democrático de Hugo Chávez por exemplo:-

- dezembro de 1998, eleito com 56,2% dos votos

- julho de 2000, reeleito com 59,76% dos votos

- julho de 2000, eleições para Assembléia Nacional, “Chávez” em maioria.

- dezembro de 2000 eleições municipais: 2/3 dos partidos apóiam Chávez.

- agosto de 2004 –Referendum Nacional – levantado pela oposição para remover

Chávez do poder. Chávez ganhou a partida com a conta arredondada de 60%

- outubro de 2005 – eleições locais e regionais por todo o país. Os apoiadores de

Chávez ganham as eleições em 80% dos municípios e em 22 das 20 regiões.

- dezembro de 2006 Hugo Chávez foi eleito por 62,87% dos votos.

O que é isso minha gente? É uma democracia a fazer inveja aos próprios gregos que como se sabe foram os primeiros a conceptualizar o conceito “Democracia”.

A hegemonia ocidental, ou seja, a de um mundo unipolar, tem seu líder nominal, os Estados Unidos, já com graves problemas de saúde, numa constelação de poder mantida na marra pelo poder militar bruto. Nesse mundo unipolar os interesses norte americanos e da união européia são mantidos, se não pela OTAN, pela ameaça do uso dela. Isso tem que ser superado pelo poder do argumento contra o canhão.

E abre alas que queremos passar, conquanto mantendo nossos direitos de negociar com quem quer que seja que acharmos dignos de parceria. E isso num mundo multipolar, quer dizer heterogêneo – pluralis. Em bom português um mundo dos muitos por essa terra afora.

*Anna Malm, é Licenciada em Psicologia Econômica, Bacharelado em Ciências Sociais: - Política e Economia Nacional da Universidade de Estocolmo e correspondente do Pátria Latina na Suécia.

 
8097
Loading. Please wait...

Fotos popular