Pravda.ru

Notícias » Sociedade


Turquia: Ofender Erdogan não deterá as mudanças na política externa

24.07.2016 | Fonte de informações:

Pravda.ru

 
Turquia: Ofender Erdogan não deterá as mudanças na política externa. 24771.jpeg

Turquia: Ofender Erdogan não deterá as mudanças na política externa 



Leem-se atualmente muitas ofensas contra Erdogan na mídia-empresa nos EUA e na Europa. Tudo sugere que os autores das peças hostis teriam preferido que o golpe fosse bem-sucedido. Por que um estado de emergência e algumas restrições a direitos humanos na Turquia seria evento tão preocupante, se as mesmas medidas - e muito menos justificadas - foram implantadas na França absolutamente sem qualquer protesto? 

O presidente francês acaba de empurrar goela abaixo dos cidadãos uma nova legislação trabalhista rejeitada pelos cidadãos, servindo-se do Parlamento. Isso, sem qualquer votação e usando uma provisão constitucional muito obscura, concebida para ser usada em situação de emergência. Que fim levou o protesto na mídia-empresa e governantes 'ocidentais' contra a violação à francesa dos princípios e regras da democracia?

O golpe na Turquia fracassou - até agora. Como aconteceu - quem planejou, como foi traído, por que foi costurado de modo tão amadorístico -, tudo isso continuará a intrigar. Algumas respostasparecem plausíveis, mas permanecem abertas muitas perguntas.

Verdade é que até aí é tudo mero interesse histórico. O povo turco percebe o golpe como golpe militar contra o povo que, felizmente, falhou. Erdogan (e o fato de eu não gostar dele nada altera) resgatou a democracia dos turcos. Que o movimento Gülen, orientado pela CIA, tenha participado é suficientemente plausível para ser acolhido como verdade. Diferente do que os liberais "ocidentais" pressupõem, Gülen e suas escolas caras e elitistas não são amados na Turquia. Os secularistas o veem como islamista conservador perigoso; os seguidores do Partido AKP como concorrente falso, traiçoeiro, contra suas crenças, ideais e heróis.

O público turco permanece em estado de choque. Nunca antes na história turca aconteceu de militares bombardearem o Parlamento e matarem civis pelas ruas, qualquer civil que aparecesse. Que algum pregador ensandecido protegido pelos sempre suspeitos EUA tenha estado por trás disso tudo é tomado por fato autoevidente. Nessa situação, o governo está conseguindo tomar contramedidas extraordinárias. E considerando as dimensões do evento e o trauma que causou, a resposta de Erdogan (até agora) é bastante moderada.

O governo turco suspendeu ou demitiu cerca de 40 mil pessoas. Cerca de 10 mil foram detidos, muitos dos quais militares de baixa patente envolvidos de algum modo no golpe. Esses serão logo libertados. Os suspensos e demitidos são apenas 1% dos 3 milhões de funcionários públicos da Turquia. Mais 27 mil professores privados tiveram cancelada a licença para lecionar. Trabalhavam nas escolas de Gülen que foram fechadas.

Depois do golpe militar de 1980 na Turquia, (em população correspondente à metade da atual população turca), o número de detidos, demitidos, condenados e executados veio em escala muito, muito maior:

  • 650mil pessoas foram presas.
  • 1,683 milhão de pessoas entraram para uma lista negra.
  • 230 mil pessoas foram julgadas em 210 mil processos judiciais.
  • 7 mil pessoas foram acusadas de crimes capitais.
  • 517 pessoas foram condenadas à morte.


Em 1980, os militares revolucionaram brutalmente a sociedade e a forçaram a seguir um estrito padrão kemalista, secular. Pode-se interpretar o golpe agora em curso como tentativa para corrigir, até mesmo para desfazer, o que aquela revolução fez.

Comparado ao golpe militar de 1980, a ação atual do governo Erdogan é bastante moderada. O povo turco sabe disso e não está preocupado. Autores 'ocidentais' liberais, influenciados por elementos de Gülen no modo de ver do alto e de longe a própria sociedade, ignoram aquele fato. Não me parece que Erdogan venha a perseguir partidos seculares ou nacionalistas da oposição, se não estiverem sob influência do exterior. Erdogan conta com maioria confortável e não precisará esquivar-se para fora do manto democrático. Fazê-lo só complicaria seus planos para ter uma Turquia islamista e otomana, e os passos subsequentes nessa direção.

O que mais interessa agora é o futuro desenvolvimento da política externa da Turquia. A eletricidade da base aérea de EUA/OTAN em Incirlik foi religada hoje, depois de ter ficado interrompida durante uma semana, sem qualquer razão visível. O sinal de aviso que aí havia foi com certeza bem compreendido. Se EUA e OTAN criarem muitos problemas serão expulsos da Turquia. Antes do golpe, a Turquia já havia restaurado suas relações com Rússia e Israel. Irã manifestou-se contra o golpe quando ainda em andamento e os golpistas pareciam capazes de vencer. A atitude valerá pontos extras aos iranianos. A Turquia retirou as tropas ilegalmente estacionadas no Iraque. Todas essas ações apontam para o redirecionamento da política externa turca, de uma visão exclusivamente 'ocidental', para uma visão mais eurasiana.

A grande questão é a Síria, com a Rússia a exigir que a Turquia mude de posição. O que Erdogan fará?

Há sinais de que também aí ele mudará suas políticas. Já há notícias de que os agentes da inteligência turca ativos na Síria estão em retirada. A Turquia pode bem fazer cessar completamente o apoio que deu aos Jihadistas e fechar as próprias fronteiras. Até aqui o homem de ponta da Turquia para a Síria foi o chefe da inteligência, Hakan Fidan. Era quem recrutava, mantinha e controlava os Jihadistas e comandava todo o show. Há agora sinais de que será demitido em breve. Será tratado como o elemento responsável por o golpe não ter sido percebido e abortado mais cedo:


"O vice-primeiro-ministro Nurettin Canikli disse na 6ª-feira que haverá mudanças profundas na Agência Nacional de Inteligência da Turquia (MİT).

...

"Já está muito claro que houve falhas e deficiências em nossa inteligência, e nem vale a pena tentar esconder ou negar. Eu mesmo disse isso ao diretor da inteligência nacional" - disse presidente Erdoğan à agência Reuters numa entrevista no palácio presidencial em Ankara."


A maior preocupação da Turquia agora são os curdos, que parecem ter apoio militar dos EUA para unir-se e organizar-se num estado independente com imensas reservas de petróleo (PDF).

Espero que a Turquia se acertará com os governos em Teerã, Bagdá e Damasco (com a Rússia como grande potência por trás de tudo), para derrotar a ameaça que é, para todos eles, um estado curdo independente. O plano será dividir os curdos em várias facções e fazê-las lutar umas contra as outras. De modo geral, não é difícil de fazer acontecer. Sempre funcionou 'bem' durante séculos, e sempre impediu os curdos de fixar um estado nacional unido.

Nem o Irã, nem Rússia, nem Síria nem Iraque confiará na Turquia. Estarão atentos, à procura de qualquer mínimo sinal de que Erdogan possa recair para posição hostil; e estarão preparados para traição. Erdogan precisará de muitos anos para recuperar posição de confiança ante qualquer daqueles países. Mas tem de começar de algum ponto. A política externa dos últimos anos só gerou problemas terríveis para a Turquia. O golpe gorado dá a Erdogan a chance de mudar completamente de direção, e bem depressa. EUA, OTAN, Arábia Saudita e Emirados Árabes Unidos tentarão de tudo para fazer gorarem todas as mudanças. A atual campanha de ofensas e demonização de Erdogan é parte disso. Dará em nada, porque não tem qualquer eco dentro da Turquia.

Seguindo conselhos do Irã, Erdogan está mantendo gente sua nas ruas e praças. A primeira tentativa do que seria o golpe da CIA em 1953 no Irã dia 15 de agosto falhou. Quatro dias depois, uma segunda tentativa foi bem-sucedida. O perigo ainda ronda a democracia turca.*****

22/7/2016, Moon of Alabama

 

 
9892
Loading. Please wait...

Fotos popular