Pravda.ru

Notícias » Sociedade


Diretor do histórico estúdio de cinema russo MOSFILM vem ao Brasil

19.05.2018 | Fonte de informações:

Pravda.ru

 
Diretor do histórico estúdio de cinema russo MOSFILM vem ao Brasil. 28796.jpeg

Diretor do histórico estúdio de cinema russo MOSFILM vem ao Brasil para o lançamento do seu longa ANNA KARENINA: A HISTÓRIA DE VRONSKY

 

O cineasta Karen Shakhnazarov estará no país nos dias 05 e 06 de junho para a divulgação do filme, que estreia em várias capitais brasileiras em 07 de junho

 

DUAS ÚNICAS CABINES | SÃO PAULO

  

DATA 1: Terça-feira, 29 de maio, às 10h30, no Espaço Itaú | Frei Caneca

DATA 2: Sábado, 02 de junho, às 11h, no Espaço Itaú | Frei Caneca

  

IMPRESCINDIVEL a confirmação de presença. A sessão de sábado tem vagas limitadas.

  

FOTOS | CARTAZ:https://goo.gl/f7WBw4

TRAILER:https://youtu.be/Kuc_zruaLjo

 

  

Personagem clássica da literatura russa e mundial, Anna Karenina retorna às telas do cinema sob o ponto de vista de seu amante no novo longa-metragem russo Anna Karenina: A História de Vronsky, que estreia no dia 07 de junho (quinta-feira), em diversas capitais brasileiras. Para o lançamento do filme, o cineasta Karen Shakhnazarov vem ao Brasil e participa de eventos com produtores locais, imprensa e pré-estreias nos dias 05 e 06 de junho. Além de divulgar seu mais recente trabalho, em que assina a direção, o roteiro e a produção, o também diretor geral do Mosfilm compartilhará sua experiência de vinte anos à frente do histórico estúdio que fomentou o cinema soviético de Sergei M. Eisenstein, Andrei Tarkóvski e tantos outros nomes, transformando-o, após uma crise, na maior empresa de produção de conteúdo audiovisual da Europa atualmente.

 

Baseado no romance "Anna Karenina", de León Tolstói, e nas "Notas de um Médico sobre a Guerra Russo-Japonesa", de Vikenty Veresaev, o longa Anna Karenina: A História de Vronskyparte do encontro entre o Dr. Sergei Karenin, filho de Anna, e Vronsky, logo após o término de uma das batalhas da Guerra Russo-Japonesa, em um vilarejo de Manchúria no início do século XX. Responsável pelo hospital militar, o filho de Anna Karenina resolve conversar com Vrosnky para tentar entender as escolhas de sua mãe.

 

As filmagens do longa foram realizadas simultaneamente às da minissérie Anna Karenina, também dirigida por Karen Shakhnazarov e exibida no canal estatal Rússia-1, em 2017. Enquanto a produção televisiva está mais próxima do clássico de Tolstói, o longa, que também estreou na Rússia no ano passado, logo após o seriado chegar ao fim, segue o viés do livro de Veresaev, com um Vronsky envelhecido reavivando as memórias do passado e percebendo que sempre esteve preso a elas. Além disso, o filme apresenta cenas de batalhas que só as telas do cinema poderiam fazer jus ao seu aspecto espetacular.

 

Anna Karenina: A História de Vronskyabriu a 4ª edição da Mostra Mosfilm de Cinema Soviético e Russo, em dezembro passado, na Cinemateca Brasileira, em São Paulo. Agora, o título marca a entrada no circuito comercial da distribuidora CPC-UMES Filmes, que desde 2014 é atuante no mercado nacional de home videoe organiza a mostra de cinema soviético e russo citada, graças à parceria com o Mosfilm, que lhe permite o licenciamento do catálogo do estúdio.

 

 

Sinopse

1904. Guerra Russo-Japonesa. Manchúria. Hospital militar russo nas estações de retirada de um vilarejo chinês parcialmente destruído. O responsável pelo hospital, Sergei Karenin, descobre que o Conde Vronsky, ferido e em recuperação ali, é o homem que arruinou a vida de sua mãe, Anna Karenina. Sem nutrir esperanças ou esperar respostas, Karenin faz a Vronsky a pergunta que o vem atormentando por toda a vida: o que fez a sua mãe tirar a própria vida? Depois de hesitar um pouco, Vronsky concorda em contar a história de seu trágico amor por Anna Karenina, ressaltando que as pessoas só lembram o que escolhem se lembrar. Imerso no passado, Vronsky começa a rememorar uma história de 30 anos atrás e finalmente percebe o quanto, ao longo dos anos, esteve sufocado pelo passado.

  

  

Ficha Técnica

Rússia, 2017, 138 min, cor

Direção:Karen Shakhnazarov

Roteiro:Alexey Buzin, Karen Shakhnazarov

Trilha Sonora:Yuriy Poteenko

Direção de Fotografia:Aleksandr Kuznetsov

Elenco:Anna Karenina - Elizaveta Boyarskaya; Vronsky - Maksim Matveyev; Karenin - Vitaly Kishchenko; Sergei Karenin - Kirill Grebenshchikov / Makar Mikhalkin

  

  

SOBRE O DIRETOR E PRODUTOR

 

Diretor, roteirista, produtor e romancista, Karen Shakhnazarov nasceu em Krasnodar em 08 de julho de 1952. Graduou-se no Departamento de Direção da Universidade Russa de Artes Cinematográficas (VGIK), na mesma turma de Igor Talankin, em 1975, especializando-se em direção para cinema e televisão.

Em 1976 entrou para o Mosfilm como diretor de cinema e, em 1987, assumiu a direção artística do estúdio criativo Start, que, em 1990, mudou de nome para Courier. Desde 1998, é Diretor Geral do Mosfilm e Presidente do Conselho Administrativo da Corporação Mosfilm de Cinema. Sob sua direção, o maior estúdio de cinema da Rússia não só superou um período de dificuldades nos anos 90, mas cresceu e se tornou a maior empresa de produção de conteúdo audiovisual da Europa. Operando em escala global, o estúdio produz atualmente a maior parte do conteúdo de cinema, televisão e vídeo da Rússia.

Ao longo dos anos, os filmes de Karen Shakhnazarov vêm sendo exibidos em vários dos mais prestigiados festivais internacionais de cinema e foram agraciados com mais de 20 prêmios em várias categorias. Seus filmes A Enfermaria Número 6Tigre Brancoforam selecionados como os candidatos russos na disputa pelo Oscar de Melhor Filme Estrangeiro.

  

Filmografia

 

Anna Karenina. A História de Vronsky

(2017, co-roteirista com Alexey Buzin, diretor, produtor)

 

Anna Karenina

(2017, série de TV, co-roteirista com Alexey Buzin, diretor, produtor)

 

Tigre Branco

(2012, co-roteirista com Alexander Borodyansky, diretor, produtor)

 

A Enfermaria Número 6

(2009, co-roteirista com Alexander Borodyansky, diretor, produtor)

 

Cidade dos Ventos

(2008, diretor, produtor)

 

Um cavaleiro chamado "Morte"

(2004, co-roteirista com Alexander Borodyansky, diretor, produtor executivo)

 

A Estrela

(2002, autor do projeto, produtor)

 

Venenos, ou uma história mundial dos envenenamentos

(2000, co-roteirista com Alexander Borodyansky, diretor)

 

Dia de Lua Cheia 

(1998, co-roteirista com Alexander Borodyansky, diretor)

 

A Filha Americana 

(1995, co-roteirista com Alexander Borodyansky, diretor)

 

Sonhos

(1993, co-roteirista com Alexander Borodyansky)

 

O Assassino do Czar

(1991, USSR-UK, co-roteirista com Alexander Borodyansky, diretor)

 

Cidade Zero

(1988, co-roteirista com Alexander Borodyansky, diretor)

 

O Mensageiro

(1986, roteirista, diretor)

 

Noite de Inverno em Gagra

(1985, co-roteirista com Alexander Borodyansky, diretor)

 

Nós somos do Jazz 

(1983, co-roteirista com Alexander Borodyansky, diretor)

 

As damas convidam os cavalheiros 

(1980, co-roteirista com Alexander Borodyansky)

 

Bonzinhos 

(1979, co-roteirista, diretor)

 

 

SOBRE OS PRODUTORES & DISTRIBUIDORES

  

  

CORPORAÇÃO MOSFILM DE CINEMA

  

A história do Mosfilm remonta ao início de novembro de 1923, com o início das filmagens do primeiro longa-metragem realizado no estúdio, Na krylyah vvys (dirigido pelo chefe do estúdio, Boris Mikhin). Em 1927, o primeiro passo foi dado para a criação de uma cidade cenográfica, na Colina dos Pardais, perto da vila de Potylikha, com a primeira filmagem na região sendo realizada em 1931. O nome Mosfilm, que conhecemos hoje, foi dado ao estúdio em 1936. O célebre monumento "O Operário e a Camponesa", com a Torre Spasskaya ao fundo, de autoria da escultora Vera Mukhina, foi adotado como símbolo do Mosfilm em 1947, e apareceu pela primeira vez na tela no filme Primavera, de Grigori Aleksandrov.

Ao longo de sua existência, o Mosfilm lançou mais de 2.500 filmes, muitos dos quais fazem parte do Golden Fund of World Cinema, e conquistou grande quantidade de prêmios em vários festivais e competições tanto na Rússia quanto no mundo todo. Vários cineastas expressivos trabalharam com o Mosfilm: Sergei M. Eisenstein, Alexander Dovzhenko, Vsevolod Pudovkin, Ivan Pyryev, Grigori Aleksandrov, Sergei Yutkevich, Mikhail Romm, Grigory Chukhray, Mikhail Kalatozov, Aleksandr Ptushko, Andrei Tarkovsky, Vasiliy Shukshin, Sergei Bondarchuk, Leonid Gaidai, Larisa Shepitko, Yuri Ozerov, e muitos outros.

A Corporação de Cinema é um marco na indústria e produz a vasta maioria do material audiovisual russo na atualidade. A maioria dos filmes lançados na Rússia nos últimos anos é do Mosfilm. Com 14 locações internas e 4 externas, o Mosfilm tem as configurações perfeitas para receber uma ampla gama de projetos: longas metragens, séries de TV, comerciais, videoclipes e muito mais. Sendo a maior e mais bem equipada instalação de produção cinematográfica na Rússia e na Europa atualmente, o Mosfilm tem capacidade de dar suporte no ciclo técnico completo de produção, desde o tratamento do roteiro até a cópia final. Também estão disponíveis no Mosfilm, além dos estúdios (de filmagem e processamento de imagem, gravação, edição e mixagem de som), equipamentos de filmagem, arquivos de elenco, arquivos exclusivos, coleções de carros clássicos e antigos, de armamentos e figurinos.

A capacidade de produção da companhia, e sua operação integrada de forma singular possibilitam o trabalho em mais de 100 projetos cinematográficos por ano, e a criação de produtos audiovisuais de todos os tipos, produtos esses que são competitivos globalmente. O Mosfilm produz longas-metragens russos que são exibidos tanto nacionalmente quanto no mundo todo. O grande número de prêmios e a popularidade com os espectadores são provas da qualidade desses filmes, tanto criativamente quanto tecnicamente.

  

  

CPC-UMES FILMES

Braço do Centro Popular de Cultura da União Municipal dos Estudantes Secundaristas de São Paulo, a distribuidora CPC-UMES Filmes está no mercado nacional de home videodesde 2014, com 30 títulos lançados em DVD e uma parceria de lançamentos em Blu-Ray com a Versátil Home Video. Com licenciamento direto do Mosfilm, os filmes incluem clássicos do cinema soviético e russo de nomes como Sergei M. Eisenstein (O Velho e o Novo, 1929, com codireção deGrigori Aleksandrov; Aleksandr Nevsky, 1938), Andrei Tarkóvski (Solaris, 1972), Vsevolod Pudovkin (O Retorno de Vassily Bortnikov, 1953) e tantos outros.

Tendo como base esse catálogo da parceria com o estúdio, a CPC-UMES Filmes também organiza, há quatro anos, a Mostra Mosfilm de Cinema Soviético e Russo, sediada em São Paulo e com exibições em outras capitais. O filme de abertura da última edição, realizada em dezembro de 2017, foi Anna Karenina: A História de Vronsky, longa de Karen Shakhnazarov, diretor da Corporação Mosfilm de Cinema, que marca a entrada da distribuidora CPC-UMES Filmes no circuito comercial de cinema.

https://pt.wikipedia.org/wiki/Anna_Karenina#/media/

 

 
15367
Loading. Please wait...

Fotos popular