Pravda.ru

Notícias » Sociedade


Prisões para quê?

17.05.2011 | Fonte de informações:

Pravda.ru

 

Prisões para quê?. 15010.jpegPrisões para quê?

Seminário, quarta-feira, 25 de Maio de 2011
sala 340, da Ala Autónoma,

ISCTE-IUL, Av Forças Armadas, em Lisboa


organização Grupo de Intervenção nas Prisões (GIP)
http://intervencaoprisoes.org/

 

9:30 Apresentação do GIP

10:00 - Nota de abertura -

"Prisão: o discurso ambíguo do legislador" por Eduardo Maia e Costa (juiz-conselheiro do Supremo Tribunal de Justiça)

10:45 1ª sessão - Justiça ou Repressão?

Presidente da Mesa - Diana Andringa (jornalista e membro do GIP))
Imagens da justiça - Mário Contumélias (autor de Justiça à Portuguesa)
Castigo ou tratamento? O caso dos pedófilos - Afonso de Albuquerque (psiquiatra)
Policiamento: caminhos da proximidade - Susana Durão (investigadora ICS)

12:15 - Debate

12:45 - Almoço

14:30 2ª sessão - Estado e Liberdades

Presidente da Mesa - José Mário Branco (músico e membro do GIP)
A aplicação da pena - Edite Sousa (procuradora adjunta)

Um retrato das prisões em Portugal - Almeida dos Santos (visitador de prisões)
Estado Contra Direito - José Preto (autor de Estado Contra Direito)

16:30 - Debate

17:00 - Apresentação e projecção do filme "Sem companhia"*, de João Trabulo

18:30 - Debate com a presença do realizador.

 *

Documentário, 2010, 85', 35mm

Fotografia: Miguel Carvalho
Som: Pedro Gois
Produtor: João Trabulo
Produção: Periferia Filmes

Julgados e condenados por vários crimes, Ernesto e Gaspar estão detidos numa prisão de alta segurança no norte de Portugal. SEM COMPANHIA é um filme sobre a juventude perdida de Ernesto e Gaspar e a longa caminhada que os espera quando saírem da prisão. João Trabulo trabalha sobre a fronteira entre o documentário e a ficção, partindo da realidade longamente observada no interior da prisão (a rodagem durou 13 meses) para construir a história do filme com a participação activa dos dois protagonistas e de outros presos, encenando por vezes alguns aspectos das suas próprias experiências em tempo de reclusão. As rotinas na prisão, as conversas entre estes homens e as consequências da lenta passagem do tempo sobre eles. "O desafio foi filmar o incorpóreo e o movimento selvagem destes homens face à sociedade, guiados apenas pela imaginação e pela utopia" (João Trabulo).

Texto "Indie"

 

 

 

"Innaharda, ehna kullina Misryeen." Hoje somos todos egípcios (tunisinos, imenitas, jordanos, palestinianos)

 
3321
Loading. Please wait...

Fotos popular