Pravda.ru

Notícias » Sociedade


Dois de julho. A festa dos baianos

07.07.2011 | Fonte de informações:

Pravda.ru

 

Dois de julho. A festa dos baianos. 15268.jpegO Brasil ficou livre de Portugal em Sete de Setembro de 1822 sem luta, sem derramamento de sangue, mas na Bahia o "pau quebrou".

Tivemos que pegar em armas e colocar os portugas pra correr e definitivamente no dia Dois de Julho de 1823, a grande batalha final.

Morreu baiano feito a p...a, mas vencemos.

Desde aquela data, nos baianos comemoramos o Dois de Julho como a Festa da Nossa Independência e este ano, num sábado meio ensolarado, fomos lá pro bairro da Lapinha, vizinho ao da Liberdade, onde foi o palco maior da batalha.

Desfile de dois de julho é muito mais empolgante que o de Sete de Setembro quando se comemora a independência do Brasil.

Enquanto o Sete de Setembro é só desfile de tropas e alguns estudantes, no dois de julho é justamente o contrario, é o povo que sai da maneira que quer, apesar de alguns espíritos de porco achar que tinha que ser uma data comemorada no estilo prussiano, com marchas militares e pronto.

O povo é que dá o tom e por causa disso, a politicalha comparece em peso.

Não é nada organizado, mas o governador acompanhado de secretario, deputados e bajuladores segue logo atrás da imagem do caboclo e da cabocla que simboliza o povo que lutou, (a elite na época se picou pro interior) em seguida o prefeito, os partidos da oposição e situação botam seus blocos na rua e o mais curioso foi uma faixa do DEM: "Um partido de idéias novas" só rindo.

É no dois de julho que varias entidades protestam contra alguma coisa e esse ano, homofobia, criminalização da maconha, grupo de capoeiristas exigindo respeito, arrocho salarial, ate uma faixa com os dizeres "não deixem o samba morrer" etc, tudo isso ao som de dezenas de batucadas, com destaque para uma que tocava a todo instante: "Eu mato! Eu mato! Quem roubou minha cueca pra fazer pano de prato"

No meio de toda bagunça animada, os vendedores de cervejas com seus cartazes anunciando "latão" 1,50 e caipirinha a um real... coisas da Bahia.

  

Privatização já!

Após três anos de marcha e contra marcha, parece que finalmente a Assembléia Legislativa vai resolver atender os reclames do povo na questão dos cartórios na Bahia que é o único Estado no País em que os cartórios são públicos, ligados ao Tribunal de Justiça (coisa de ACM).

A privatização empaca num detalhe: o TJ, que não quer perder a receita, embora preste um serviço pra la de miserável, propõe que a privatização seja progressiva, a partir da promulgação da lei, com os novos cartórios que forem abrindo ou os antigos que forem se aposentando ou morrendo.

Os deputados defendem privatização total e já.

Como a maioria tem problemas com a justiça, é melhor não duvidar que possa sair ai um acordo, tudo voltar à estaca zero e povo que se dane.

 

Centro da morte

Os leitores da coluna devem já estar de saco cheio de noticias aqui sobre o caos em que se encontra o Centro Histórico de Salvador.

A situação não é seria e sim de desespero.

O Centro Histórico esta desabando e não se vê nenhuma atitude dos poderes públicos no sentido de se fazer alguma coisa.

Enquanto os Centros Históricos das varias cidade do mundo possuem vido, no nosso a morte esta a espreita em cada esquina.

Se não é um casarão que cai (e como cai) é tiros e mais tiros, seja de bandidos no povo, ou seja, da policia nos bandidos e que não sei por que diabos, terminam acertando o povo honesto e não a bandidagem.

No inicio da semana passada um vice prefeito da cidade de Simões Filho, reagiu a um assalto e levou bala em plena luz do dia.

Se alguém quiser praticar suicídio, não precisa se matar. É só da uma passeadazinha pelo Pelourinho que se não ocorrer morte com um casarão desabando em cima do suicida, uma bala seja ela de armas de bandidos ou da policia, com certeza o atingirá.

 

Baiano de araque

Jaques Wagner em quem venho votando a varias eleições, moram por aqui desde os anos setenta e parece que nunca encarnou bem o espírito baianes.

Agora que recebeu o titulo de cidadão baiano da Assembléia Legislativa espera-se que ele venha realmente a cuidar do nosso Estado, onde a saúde e educação pontuam como um dos piores do País, e onde reside o maior numero de pessoas abaixo da linha de pobreza.

O curioso, que os piores índices sempre segundo o IBGE, eram arrebatados pelos estados do Piauí e do Maranhão, com Wagner, somos os campeões.

 

CIRCULANDO

Presos políticos na Dinamarca

Sei de países onde existem centenas de presos políticos, agora, preso político na Dinamarca, essa eu nunca poderia imagina.

Segundo o site português Resistir, Anton Nielsen, de 72 anos, foi condenado a seis meses de prisão e Viggo Toften Joergensen, dirigente do Sindicato dos Carpinteiros, a seis meses de prisão pelo Tribunal de Copenhagen

Anton foi condenado por declarar apoio e solidariedade ao povo palestino, com recolha de dinheiro para o trabalho humanitário da FPLP.

Viggo foi condenado por haver enviado dinheiro a líderes sindicais colombianos que terminaram sendo assassinados por grupos de paramilitares

Verifica-se assim que além de participar das agressões ao Afeganistão e à Líbia, a Dinamarca desenvolve também a repressão contra os seus próprios cidadãos. A democracia burguesa mostra as suas garras. 

 

 

 

Doidão

O Aecio Neves parece que anda falando coisa com coisa.

Comparou as homenagens recebidas por Fernando Henrique ao Carnaval da Bahia.

Parece que não se refez ainda da queda do cavalo la em Minas.

 

Papa tuiteiro

Na falta do que fazer, Beto XVI agora é tuiteiro, ou seja: passara uma boa parte do seu tempo batendo papo com internautas e deixando de nos encher o saco com suas pregações contra aborto, camisinha, anticoncepcional e fechando os olhos para a pedofilia.

Alias, falando em pedofilia, quando eu era pequeno mim diziam que comunistas comiam criancinha.

Agora crescidinho, vejo que o habito atribuído aos comuna, é uma quase exclusividade de padre e bispos.

 

Foto: Veronicapacheco

http://veronicapacheco.files.wordpress.com

 
7591
Loading. Please wait...

Fotos popular