Pravda.ru

Notícias » Sociedade


O Deus dos Hebreus

06.04.2009 | Fonte de informações:

Pravda.ru

 

*Fernando Alves Corrêa

A Bíblia enaltece a necessidade de se descobrir o Ser Supremo e se, realmente, fomos criados à sua “imagem e semelhança”. Sentimos, entretanto, que são poucos os que, na verdade, conhecem os textos bíblicos, conservando apenas os ensinamentos da infância conhecidos nas catequeses.

A ciência provou e a Igreja deu a mão à palmatória, caso contrário, acreditaríamos, ainda, que todos os astros giram em torno da Terra e que Adão e Eva foram os primeiros seres a habitar este planeta, justamente quando, hoje, a ciência comprova a existência do homem há 3 milhões de anos atrás.

A Bíblia divide-se em duas partes: o Antigo e o Novo Testamento. O primeiro trata-se da história dos hebreus que foram tirados do Egito (onde eram escravos), para serem conduzidos à "Terra Prometida", como privilegiados filhos de Deus. Já o segundo Testamento enfoca, mais precisamente, o nascimento, a vida, paixão e morte de Jesus Cristo, além das mensagens que o Mestre pediu que fossem guardadas.

Porém, é importante observar que, segundo S. João "Ninguém jamais viu a Deus". Dizer apenas que Deus é absoluto ou infinito, Allan Kardec diria que: "A definição é incompleta. Pobreza de linguagem humana, insuficiente para definir o que está acima da linguagem dos homens".

Os deuses

O cristianismo, embora sendo uma religião monoteísta, admite a existência de três seres em Deus: Pai, Filho e Espírito Santo (dogma da Trindade); todavia, Jesus Cristo e o Espírito Santo não aparecem no Velho Testamento, assim como Javé não faz parte do Novo.

Os babilônios e os assírios tiveram por deus principal: EL (ou Ilu), divindade sideral. Os israelitas adoravam um deus único, sob o nome de "El", denominação que se tornou comum entre os grupos de origem semítica. Por ocasião do êxodo, segundo a Bíblia, El-Saddai, El-Olan, El-Adonnai, El-Elion, El-Cana, El-Haí... eram nomes dos DEUSES. Elohim (deuses) é a forma plural de EL, ou ELOHA (singular) usado na Bíblia.

Assim como Javé, os anjos e seus seguidores adotaram também o "EL" como prefixo ou sufixo no nome, tais como: Eli, Elui, Elias, Eliseu, Gabriel, Miguel, Matusael, Raguel, Samuel, Uriel etc.

Moisés, sob o comando de Javé, tirou os hebreus do Egito, onde eram escravos e, a partir desse momento, tudo girou em torno desse povo que se tornou cativo dos FILHOS DOS CÉUS. Tudo era direcionado aos chamados "filhos de Israel", e nenhum outro povo deste planeta teve esse privilégio. Essa gente deveria viver até o final de seus dias dedicando todas as suas atividades a esses seres dos céus que -segundo a Bíblia- deixaram as alturas para vir morar aqui na Terra, apenas para cuidar de um pequeno grupo de homens, mulheres e crianças que havia sido escravo dos egípcios, sendo denominado, por essa razão, "eleito de Deus".

É importante mencionar aqui a descoberta de um grupo que se apresentou, na primavera de 1117, ao rei Bauduíno de Jerusalém e ao Patriarca. Eles louvaram-nos por suas intenções. Pouco depois, os cavaleiros, cuja habitação era justamente a 'Casa Alemã', hospital dirigido pelos alemães, obtiveram a permissão de se instalarem no lugar do antigo templo. Por esse motivo, foram denominados templários .

A história dos templários teria, sem dúvida, passado despercebida, se não tivesse acontecido, nas ruínas do templo, uma descoberta importante, com o que os cavaleiros não souberam o que fazer a princípio: tratava-se de fragmentos de escritos hebraicos cujo conteúdo tornou-se rapidamente de uma importância decisiva para os cavaleiros e para toda a história da ordem. Esses fragmentos foram remetidos ao erudito Etienne Harding, que os traduziu. Isso foi o ponto de partida para tudo o que iria seguir-se.

Com efeito, os pedaços de escrita referiam-se a fragmentos dos eschaimins (espiões) judeus que, mandados pelo clero, relatavam o procedimento do maldito mamzer (filho de meretriz) Jesus e suas blasfêmias contra o “Deus de Israel”. O que se podia ler aí estava em completa contradição com o ensinamento pregado pela Igreja cristã. Jesus Cristo havia tratado o Deus hebraico Yahve com o nome de Satã e repreendido os judeus por terem feito do Diabo o seu Deus único.

Traços claros são encontrados, ainda hoje, no Evangelho de São João, no Novo Testamento (João 8, 44), onde Jesus diz aos judeus: 'Vós sois filho do diabo, e quereis cumprir os desejos de vosso pai; ele era homicida desde o princípio, e não permaneceu na verdade, porque a verdade não está nele. Quando ele diz a mentira, fala do que lhe é próprio, porque é mentiroso e pai da mentira.

Realmente, em S. João 8, encontramos versículos em que Jesus, discutindo com alguns judeus, diz claramente que Javé, o Deus Bíblico, pai dos judeus, foi um ser HOMICIDA e MENTIROSO. Portanto, há uma grande contradição entre os ensinamento de Jesus Cristo e os ensinamentos da Igreja Romana.

Por que Javé era homicida e mentiroso? Porque mentia ao povo que era Deus e matava sem compaixão. O “Deus” do Velho Testamento era perverso, matava sem razão e sem piedade, e não era misericordioso. Não curava e mandava para longe dele os enfermos, aleijados e com defeitos físicos.

Estes versículos mostra a ferocidade do deus bíblico para com aqueles considerados inimigos: “Não sejam compassivos os vossos olhos, nem tenhais compaixão alguma. O velho, o jovem, a donzela, o menino e as mulheres, MATAI TODOS, sem que nenhum escape (Ezequiel 9:2).”

Além disso, os ensinamentos de Cristo eram contrários aos de Javé, como mostra o versículo ao lado: “Não terás compaixão dele, mas exigiras vida por vida, olho por olho, dente por dente, mão por mão, pé por pé (Deuteronômio 19: 21).” Ao contrário, Jesus Cristo oferecia a outra face.

Disse ainda, Jesus: “Não tendes lido no livro de Moisés como Deus lhe falou sobre a sarça, dizendo: Eu sou o Deus de Abraão, o Deus de Isaac e o Deus de Jacó? Ele NÃO É o Deus dos mortos, mas dos vivos. Logo vós estais num grande erro (Marcos 12: 26-27)”. E esse erro as Igrejas Ocidentais vem trazendo desde a morte do Cristo na cruz.

Fernando Alves Corrêa é jornalista e pesquisador bíblico, autor do livro "Os Deuses da Bíblia" - Ed. Freitas Bastos S/A- Rio/RJ (1990) (esgotado). Defende a tese: “A Tecnologia Que os Deuses Trouxeram” - fernandopepeta@hotmail.com - http://fernandopepeta.zip.net ou http://blogdopepeta.zip.net

 
6616
Loading. Please wait...

Fotos popular