Pravda.ru

Notícias » Sociedade


União dos Povos da Europa ou o nacionalismo à solta (a)

04.10.2016 | Fonte de informações:

Pravda.ru

 
União dos Povos da Europa ou o nacionalismo à solta (a). 25209.jpeg

Nunca se esteve tão perto da unificação do género humano, nem nunca aquela foi tão necessária; basta manter a globalização e enterrar o capitalismo. É urgente ir criando uma Weltanschauung, uma cosmovisão que enquadre as estratégias e as táticas adequadas.

1 - A globalização tornou obsoletos os estados-nação

A globalização e as novas tecnologias unificam gradualmente os povos, facilitam trocas culturais, criam novas entidades e retiram a relevância à grande maioria dos estados-nação, erigidos a partir do século XVII através de guerras que consolidaram nos respetivos territórios burguesias nacionais ciosas do controlo das suas populações e intratáveis para quem lhes disputasse a respetiva coutada de força de trabalho. Do mesmo modo que os senhores feudais procuravam manter direitos sobre os seus servos ou os donos de escravos procuravam assegurar a posse tranquila daqueles.

No quadro da evolução histórica dos sistemas produtivos importava ao capitalismo aumentar a produtividade reduzindo os custos da submissão da força de trabalho. Para que esse controlo ficasse aceite ou facilitado - e com menor recurso à coerção - utilizaram a escola e o serviço militar para incutir essa coisa historicamente recente, do patriotismo, da exclusão e desconfiança face ao Outro; embora, como nós próprios, o Outro seja de carne e osso, desejando igualmente, a satisfação das mesmas necessidades - paz, pão, liberdade, habitação, saúde, educação e ainda, a pulsão de amar e ser amado.

Hoje, a produção de bens e serviços, através das tecnologias de informação e comunicação tornou-se global, segmentada, distribuída por vários locais, colaborativa e constituída por redes de micro-decisões, tornando desnecessária a função docapitalista, bem como essa construção do capitalismo chamada estado-nação.

Após as transformações decorridas nos últimos cinquenta anos, contam-se pelos dedos os estados-nação, com umasoberania significativa. Mesmo nesses poucos casos, a globalização tornou-os muito vulneráveis a mudanças ocorridas quer dentro, quer fora dos seus espaços nacionais, promotoras, por sua vez, de desigualdades e hierarquias interiormente ou no exterior, com os problemas imensos decorrentes dessa multifacetada interação. 

Urge construir uma Humanidade solidária, como matriz de trocas materiais e culturais, consolidar a unificação dos povos, o processo histórico da globalização, o aproveitamento do conhecimento para o bem-estar coletivo. Para isso é essencial mandar pela borda fora o capitalismo e os seus agentes económicos, políticos e ideológicos.

2 - A tríade que atualmente domina

O poder das multinacionais, das suas redes de negócio erguidas com grande dinâmica, destruiu fronteiras e vêm diluindo os estados-nação em organizações feitas à sua medida, ainda que formalmente sejam plurinacionais - FMI, OMC. OCDE, ASEAN, TTP e, porventura o TTIP ou o CETA... Entre elas, no caso dos europeus, merece um relevo particular, a UE com a sua burocracia, claramente dominada por lobbies, gerando em conjunto de fórmulas criativas e antidemocráticas de gestão política, erigindo monstruosos aparelhos de manipulação mediática e de coerção dos povos. 

Por outro lado, o sistema financeiro, igualmente globalizado, vem condicionando através do crédito e da dívida, os estados pequenos e médios ou, os que detêm menores indicadores de riqueza ou maior fragilidade política; Utiliza para o efeito as classes políticas respetivas que, para manterem os seus quinhões no saque, transferem os custos dessa pressão para a população, mormente trabalhadores, desempregados, pensionistas e pobres em geral, inviabilizando também pequenas e médias empresas que, para acompanharem a lógica da competitividade ficam entaladas entre a pressão do crédito e a punção fiscal, ambas sempre em crescimento. 

Em paralelo, existe uma economia do crime que, alicerçada em tráficos vários, burlas, fugas fiscais e corrupção, possibilita elevadas taxas de rendabilidade; o que a torna muito atrativa. É o sistema financeiro que, transforma esses capitais "sujos", através dos conhecidos offshores, em "investimento" na economia dita real, mormente no imobiliário, na hotelaria e na especulação bolsista que, tanto pode elevar, como baixar, o valor de mercado de títulos de dívida pública e das grandes empresas, fundos e entidades financeiras, seguindo as volúveis opiniões das empresas de rating.

3 - Alguns instrumentos ideológicos de domínio

Em consonância, multinacionais e capital financeiro montaram uma ideologia de consumo que potencia a distância entre as aquisições e as reais necessidades individuais, favorecendo o endividamento que envolve as pessoas numa ânsia demente de comprometimento do futuro para acompanhar a onda de consumo do momento; o que é tanto mais insano quanto, estruturalmente, a precariedade e a incerteza na vida se acentuam. A mesma volúpia é gerada pela ideologia do empreendedorismo e da competição que mantém as empresas pequenas e médias com elevada dependência do asfixiante financiamento bancário e cujos custos transferem, tanto quanto possível, para os seus trabalhadores, precarizados, mal pagos e reprimidos. Replicando, portanto a lógica neoliberal.

A fixação na acumulação de capital faz parte do código genético do capitalismo e, mais concretamente, conduz à acumulação da riqueza numa escassa minoria de seres humanos; a sua irracionalidade pode observar-se sob vários ângulos. Produz uma rápida e descuidada deterioração das condições de vida no planeta; as políticas de precarização do trabalho e de baixo salário reduzem as capacidades de consumo da grande maioria e traduzem-se num baixo crescimento do sacrossanto PIB (imagine-se!); promove um endividamento global, impagável, cujo volume é o triplo do PIB global; foca-se nos lucros obtidos na esfera financeira a que chamam "investimento"; e inclui habilidades estatísticas criativas como a consideração dos gastos militares como investimento ou a inclusão dum cálculo das receitas da prostituição para que o PIB possa crescer nos dados do Eurostat e ainda, a recente anomalia irlandesa referida pelo seu próprio governo.

No contexto ideológico consolidou-se um discurso que se traduz na perpetuação da situação de crise para justificar uma austeridade sem fim, em paralelo com uma optimista e constante afirmação da sua próxima superação - um suplício que faz lembrar Tântalo. Para isso, joga um papel essencial o pensamento único, expresso nos grandes meios de comunicação, mormente as cadeias de televisão, através de comentadores, propagandistas próximos da classe política, contratados pelos grupos económicos que controlam os media.

Ler na íntegra

 

 
8575
Loading. Please wait...

Fotos popular