Pravda.ru

Notícias » Ciência


No Brasil, de minuto em minuto, quatro pessoas são demitidas do emprego

27.10.2015 | Fonte de informações:

Pravda.ru

 
No Brasil, de minuto em minuto, quatro pessoas são demitidas do emprego. 23151.jpeg

BRASILIA/BRASIL - No Brasil, o resultado da péssima administração e gerência de um governo formado, basicamente, por PT, PMDB, PDT, PTB, e outros:- A cada minuto, quatro pessoas são demitidas do emprego Brasil afora. Com a alta de impostos, que aniquila as finanças das empresas, há o sério risco de o desemprego aumentar ainda mais.

Por ANTONIO CARLOS LACERDA

PRAVDA.RU

Em julho, 157 mil trabalhadores foram demitidos no Brasil, o pior resultado para o mês nos últimos 23 anos. Sob qualquer ângulo, trata-se de um dado assustador. Significa que, a cada minuto, quatro pessoas acabaram dispensadas. É como se toda a população de uma cidade como São Caetano do Sul, na Grande São Paulo, perdesse o emprego. 

De acordo com o IBGE, quase meio milhão de vagas - ou uma Florianópolis inteira - desapareceram nos sete primeiros meses do ano. O publicitário paulistano Felipe Oliani, 29 anos, faz parte dessa dramática estatística. Ele está desempregado desde fevereiro, quando foi excluído da multinacional do setor hospitalar em que trabalhava como coordenador de marketing.

Nos últimos seis meses, Oliani tem feito de tudo para arrumar uma colocação. Retomou todos os contatos profissionais, investiu dinheiro em redes sociais profissionais, iniciou um curso de MBA e contratou uma empresa de coaching e transição de carreira. Até agora, nada funcionou. Sem a garantia do salário, o publicitário foi obrigado a deixar o apartamento em que morava sozinho e buscou abrigo na casa da avó.

Assim como ele, 8,4 milhões de brasileiros - o equivalente à população da Suíça - estão desocupados e procuram a cada dia, em graus variados de desespero, novas oportunidades no mercado de trabalho. Se a economia continuar desabando, nos próximos meses será ainda mais difícil encontrar um lugar para dar expediente.

A alta do desemprego é uma tragédia anunciada. Desde o início do segundo mandato da presidente Dilma Rousseff, praticamente todos os indicadores econômicos pioraram. A inflação disparou. O consumo caiu. Os impostos subiram. O PIB encolheu. Sem ter para onde correr, as empresas recorreram à medida mais doída: as demissões em massa. 

De acordo com a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio (Pnad), a taxa de desemprego no Brasil é de 8,3%. No ritmo descendente da atividade econômica, alguns especialistas projetam um índice de dois dígitos até o final do ano. Para um país emergente como o Brasil, desemprego na casa dos 10% é uma enormidade. Na zona do euro, ainda às voltas com a hecatombe financeira da Grécia, o número está em 11%, o que dá a dimensão do tamanho da encrenca para os brasileiros.

A taxa de desemprego tem sido pressionada também pelas pessoas que estavam fora do mercado de trabalho, mas que, devido à crise, foram obrigadas a procurar emprego para ajudar na renda familiar. Para os jovens, a situação é crítica. O desemprego na faixa etária entre 14 e 17 anos saltou de 20,9% no segundo trimestre de 2014 para 24,40% no mesmo período de 2015.

Entre os que têm de 18 a 24 anos, a taxa está beirando os 20%, quase o triplo da marca observada entre trabalhadores de 25 a 39 anos. "Os jovens são os primeiros a ser dispensados", constata Cimar Azevedo, coordenador de Trabalho e Rendimento do IBGE. "Isso acontece porque, em geral, eles são menos produtivos", diz Daniel Sousa, professor de economia do Ibmec. "É comum as empresas escolherem demitir o jovem porque ele tem mais chance de reconstruir a vida."

O engenheiro mecatrônico, Bruno Donegatti, 25 anos, sentiu isso na pele. Ele trabalhou por 4 anos na mesma empresa em Barueri (SP) e foi dispensado em março deste ano. "A companhia estava fazendo uma reestruturação e acho que me desligaram porque eu não tenho família para cuidar", afirma. 

Bruno mora com os pais, mas está financiando a compra de um apartamento. Há alguns dias, o ministro do Trabalho, Manoel Dias, afirmou que o governo dispõe de políticas públicas para combater os indicadores negativos. "Nós queremos ver se até o final do ano colocamos 1,5 milhão de jovens no mercado de trabalho", disse.

O discurso está desconectado da realidade e lembra a velha e desgastada ladainha do governo petista. Desde Lula, o PT diz que o seu grande mérito foi ter gerado milhões de vagas para todas as classes sociais, especialmente os mais pobres. Durante a disputa presidencial do ano passado, Dilma Rousseff declarou que, apesar das dificuldades do País, os empregos seriam mantidos. A dura verdade, porém, é que eles desapareceram - e todos foram afetados, inclusive os pobres.

Apesar do sinal vermelho, o governo só tem piorado a situação. Para os trabalhadores, a nova tragédia deve vir na forma de mais cortes provocados pelo aumento excessivo da carga tributária. Quantos mais impostos, menos dinheiro as empresas têm para manter postos de trabalho. A proposta orçamentária para 2016, que o governo enviará ao Congresso até o dia 31, representará um duro golpe para empresários e funcionários. O Planalto quer unificar a cobrança do Programa de Integração Social (PIS) e da Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (Cofins). Em tese, a proposta simplifica as cobranças, mas o efeito colateral imediato será o aumento da mordida tributária.

Na terça-feira 25, o Instituto Brasileiro de Planejamento e Tributação (IBPT) apresentou um estudo sobre o impacto da unificação. Segundo Gilberto Luiz do Amaral, presidente do IBPT, a criação de uma alíquota única elevará em cerca de 5% a tributação sobre as empresas prestadoras de serviços e pequenos negócios. Estima-se que a medida afetará 2 milhões de companhias, que pagarão R$ 50 bilhões a mais em tributos. "Em vez de simplificar, a proposta torna o sistema mais complexo", diz Amaral.

Outra medida planejada pelo governo tem potencial para trazer de volta uma antiga polêmica. Segundo publicou o jornal Folha de S.Paulo na quarta-feira 26, vem ganhando força no Executivo a ideia de sugerir ao Congresso a reedição da CPMF, o chamado "imposto do cheque". Extinta em 2007, no segundo mandato do presidente Lula, a CPMF é um artifício para arrancar dinheiro dos cidadãos brasileiros quando as contas do governo não estão bem. Agora que tudo está péssimo, Dilma especula ressuscitar o defunto. E, claro, quem vai pagar a fatura será você.

ANTONIO CARLOS LACERDA é Correspondente Internacional do PRAVDA.RU

 

 
7740
Loading. Please wait...

Fotos popular