Pravda.ru

Notícias » Ciência


Boko Haram, de seita extremista a grupo armado

22.01.2015 | Fonte de informações:

Pravda.ru

 
Boko Haram, de seita extremista a grupo armado. 21496.jpeg

Nos últimos meses, o grupo nigeriano tem copiado o Estado Islâmico e focado suas ações na tomada de territórios

Carta Capital

O grupo islamita Boko Haram, autor do recente massacre e destruição em massa das cidades de Baga e Doron Baga, nasceu de uma seita extremistas que pouco a pouco se transformou em movimento armado, realizando atentados e conquistando territórios. 

Boko Haram significa "a educação ocidental é pecado" em haussa, a língua mais falada no norte da Nigéria. Mas o grupo prefere ser chamado de Jama'atu Ahlis Sunna Lidda'awati wal-Jihad (Grupo pela Pregação e Jihad). Pregando um Islã radical e rigoroso, Mohammed Yussuf, o fundador, acusava os valores ocidentais, instaurados pelos colonizadores britânicos, de serem a fonte todos os males sofridos pelo país. Também atraiu a juventude de Maiduguri, capital do estado de Borno, com um discurso agressivo contra o governo nigeriano corrupto.

As pregações de Yussuf na mesquita de Maiduguri começaram a atrair cada vez mais seguidores a partir da década de 1990, de acordo com um recente relatório do International Crisis Group. Mas o Boko Haram nasceu, de fato, em 2002, quando começou a atrair a atenção das autoridades.

Em 2009, eclodiram confrontos entre a polícia e o Boko Haram em Maiduguri. Em uma grande operação, o Exército matou 700 pessoas e capturou Yussuf, que depois foi executado. O movimento passou a agir na ilegalidade. Alguns de seus integrantes fugiram para o exterior. "É neste momento que eles são influenciados por um movimento jihadista internacional que os convence da inutilidade do protesto pacífico", indica o pesquisador francês Marc-Antoine Pérouse de Montclos.

Na clandestinidade, os líderes do Boko Haram passaram a um nível superior. Não trata-se apenas de impor a lei islâmica na Nigéria, mas desestabilizar o Estado com uma estratégia terrorista de medo e pânico. Neste período, Abubakar Shekau, que era o braço direito do líder executado, assumiu o comando do Boko Haram.

A partir de então, o que se seguiu foi uma escalada da violência, com dezenas de ataques a escolas, igrejas, mesquitas e símbolos do Estado e das forças de ordem, deixando milhares de mortos, principalmente no nordeste do país.

Considerado um "terrorista global" pelos Estados Unidos, Shekau foi dado duas vezes como morto pela polícia nigeriana, antes de reaparecer em vídeos. O sequestro, em meados de abril de 2014, de mais de 200 estudantes do ensino médio em Chibok, no estado de Borno, "mostrou que Shekau não tem limites", segundo o pesquisados Gilles Yabi.

Desde agosto, o grupo islamita reivindica um "califado" nas zonas sob seu controle, assim como o fez o grupo jihadista Estado Islâmico (EI) nos territórios conquistados no Iraque e na Síria. De fato, o Boko Haram adotou nos últimos meses a estratégia de conquista territorial, tomando mais de vinte localidade no nordeste do país, praticando as piores atrocidades.

O mais sangrento e destrutivo ataque do Boko Haram, lançado em 3 de janeiro, destruiu quase inteiramente as cidades de Baga e Doron Baga, situadas na costa do lago Chade, no norte do estado de Borno (nordeste da Nigéria). Segundo várias ONGs, o ataque teria provocado a morte de até 2.000 pessoas. De acordo com autoridades locais, ao menos 16 aldeias próximas a Baga foram incendiadas, e 20.000 pessoas fugiram.

De acordo com diplomatas, membros do Boko Haram foram treinados pela AQMI (Al-Qaeda no Magrebe Islâmico), no norte do Mali, entre 2012 e 2013. Washington também acredita que existam ligações entre as duas organizações.

Além disso, "a presença do Boko Haram em Níger, Chade e Camarões, não é uma novidade", segundo Yabi. As fronteiras entre esses países são muito porosas porque são pouco controladas. "Sabemos que, principalmente, o Níger e Camarões servem de bases para o Boko Haram", diz.

No extremo norte de Camarões, onde os ataques e sequestros se multiplicaram nos últimos meses, fontes da segurança falam de "centenas de jovens" que se juntaram ao grupo extremista. Em termos de financiamento, o Boko Haram recebe o apoio de fiéis nas mesquitas e organiza assaltos a bancos. Não há evidência de movimentações de recursos do exterior.

http://www.patrialatina.com.br/editorias.php?idprog=138c47661e9396a89b5af1c48c06effc&cod=14976

 
5125
Loading. Please wait...

Fotos popular