Pravda.ru

Notícias » Ciência


10º Aniversário da Escola Latino-Americana de Medicina

16.11.2009 | Fonte de informações:

Pravda.ru

 

Criadores de um mundo mais humano

(...) Permitam-me sonhar. Acontece que, depois de meio século de luta, tenho certeza absoluta de que ninguém poderá falar dos sonhos de Cuba, como disse Calderón de la Barca, "toda a vida é sonho e os sonhos, sonhos são". — Fidel, na primeira formatura da Escola Latino-Americana de Medicina (ELAM), em 2005.

José A. de la Osa. Foto de Otmaro Rodríguez

Há dez anos, uma antiga instalação militar — a Academia Naval Granma — graças à solidariedade de um pequeno país criminalmente acossado e bloqueado por um Golias dos nossos tempos, foi convertida numa universidade médica latino-americana, com o propósito de que milhares de jovens privados tornassem realidade seus sonhos, para depois promover saúde, prevenir, sarar e salvar a milhares de seus próprios irmãos necessitados.

Para palpar literalmente aquele histórico acontecimento, falei então com Nora Karina, da Guatemala, com Lesver Miguel, da Nicarágua, com Nelson Menocal, de Honduras, e muito mais daquele grande grupo de jovens da nossa América que começavam a caminhar para o futuro.

Impressionou-me muito o relato de uma jovem miúda, comunicativa, Igni Estrada Moncada, memória viva da pobreza, que podia ter muitas similitudes com a de muitos jovens que estudam gratuitamente na Escola Latino-Americana de Medicina, e que recebeu seu diploma de doutora, segundo consta na Secretaria Geral da Universidade, n a primeira formatura da ELAM, em 2005.

Igni, lembro que dizia, gostava da chuva, mas, paradoxalmente, sofria quando a escutava cair, porque a poucos metros da sua casa, no município de Ilopango, em El Salvador, inúmeras pessoas moravam em casas de lâminas, e "então, penso que as crianças estão se molhando dentro de suas casas, ficam doentes, e as pessoas que mais precisam são as que recebem menos atendimento de saúde".

Y perguntava-se: Que médico dos que moram em Colonia Escalón (uma zona próxima onde vivem pessoas abastadas) vai atender a uma comunidade onde existe tanta pobreza?...

"Eu vim a Cuba, respondendo a sua solidariedade, para me preparar e servir a quem precisar de atendimento, sem diferença de nenhum gênero".

Às vezes, ela tinha medo, refletia, de que a visão humana e social que sentia tão profundamente pudesse ser desviada de seus caminhos, se tivesse, inclusive, a possibilidade de se formar num país capitalista, "e fiquei impregnada da filosofia, como eu vi, de a gente leva uma criança doente, e se não tiver dinheiro para pagar, não é simplesmente atendida e isso me aconteceu com um irmãozinho quando tinha um dia de nascido".

Estudando este curso humano em Cuba, concluía, sei que não vou mudar destas ideias, porque estou rodeada de médicos que pensam o mesmo: que como médicos devemos estar onde o povo nos precisar.

O processo de seleção dos estudantes para matricular na ELAM realiza-se nos países donde procedem, respondendo fundamentalmente à sugestão de Cuba de que sejam jovens com vocação pela medicina e de escassas ou nenhuma possibilidade de formação neste curso universitário em seus países.

O surgimento de um idéia

No coração da Cidade de Havana, dirigindo em direção ao oeste da capital pela Quinta Avenida, comunica-se com a estrada Panamericana. A uns 25 quilômetros, no limite mesmo das províncias de Havana e Cidade de Havana, encontra-se a ELAM, que se destaca por sua estrutura e bucólica alocação e, também, no âmbito acadêmico pela integração dos componentes docente, de pesquisa e assistencial no processo de ensino e aprendizagem.

A ideia de um Programa Integral de Saúde (de ajuda médica gratuita para a região e outros continentes), e uma Escola Latino-Americana de Medicina (como a parte sustentável dessa ajuda), nasceu em 1998, depois do açoite de dois furacões pelo Caribe e pela América Central, deixando um saldo de um número impressionante de óbitos e consideráveis estragos materiais.

Em 15 de novembro de 1999, por ocasião da 4ª Cúpula Ibero-Americana de Chefes de Estado e de Governo, em Havana, Fidel teve a seu cargo a inauguração oficial do projeto ELAM, "como simples símbolo do que nós, juntos, podemos alcançar", e que pretende ser, disse, uma modesta contribuição de Cuba para a unidade e integração dos povos que aqui representamos.

Expressou que na ELAM não se ministram disciplinas de caráter político, como se faz com os jovens cubanos em todos nossos centros universitários. Aprenderão a história do nosso hemisfério, particularmente, a da América Latina e do Caribe (...) Cada um tem liberdade de professar sua religião, seja qual for. E assinalou: O mais importante é a sagração ao mais nobre e humano dos ofícios: salvar vidas e preservar saúde. Mais que médicos, serão guardas zelosos do mais prezado do ser humano; apostolos e criadores de um mundo mais humano.

"Médicos dispostos para trabalharem onde for preciso, nos mais remotos cantos do mundo, onde outros não estão dispostos a ir. Esse é o médico que vai se formar nesta Escola".

O exemplo de vocês, jovens queridos que já estudam nesta escola — indicou Fidel — despertará consciências e vai ser seguido pelos profissionais que, em número elevado e com ótima qualidade, têm formado as universidades da América Latina. Salvar milhões de vidas, prestar serviços de saúde seguros e ótimos aos 511 milhões de habitantes da América Latina e o Caribe, só pode ser tarefa de centenas de milhares de médicos que, na sua maioria, já estão tecnicamente preparados para isso.

Formação acadêmica

A vice-reitora docente da ELAM, dra Midalys Castilla Martínez, disse que os princípios de formação da Escola são os mesmos que se aplicam aos estudantes cubanos, com o mesmo plano de estudo e rigor. Neste âmbito acadêmico, a integração dos componentes docente, investigativo e assistencial no processo de ensino e aprendizagem favorece a preparação integral que estes jovens devem atingir na sua formação.

Outro objetivo essencial deste programa está associado aos valores que devem caracterizar o profissional da medicina: o humanismo, a solidariedade, a ética profissional e o internacionalismo, elementos fundamentais de seu trabalho que os torna seres humanos capazes de ajudarem às transformações sociais e comunitárias, expressas em melhores indicadores de saúde, qualidade de vida e bem-estar, meta principal do projeto ELAM como contribuição para uma maior equidade social.

O modelo pedagógico de formação destes médicos estabelece o vínculo direto dos estudantes com o lugar onde trabalharão como profissionais. Desde o primeiro ano, dos seis que dura o curso, e no período de férias, estes jovens se inserem nas comunidades mais afastadas dos seus países para realizar trabalhos de promoção e prevenção.

Esta vinculação vai-se aprofundando e diversificando à medida que os estudantes adiantam no curso.

Como exemplo desta integração no âmbito da pesquisa e assistencial, realiza-se atualmente uma pesquisa clínico-pedagógica para conhecer transtornos nas funções renais dos habitantes de uma comunidade afastada de El Salvador, com a participação de estudantes e graduados da ELAM, junto com especialistas do Instituto de Nefrologia do Ministério da Saúde Pública de Cuba e dessa nação centro-americana.

Para concluir os estudos estes jovens devem fazer um exame estatal nacional, que corrobora legalmente sua preparação como médicos profissionais, segundo as normas estabelecidas pelo sistema de Ensino Superior cubano que lhes possibilita enfrentar os processos de reconhecimento e credenciamento do diploma nos seus países de origem.

A vice-reitora docente reconhece que a heterogeneidade dos estudantes da ELAM, quanto à procedência e diversidade cultural, é um desafio para os professores da Escola, como também um importante fator na formação integral do estudante.

Nestes dez anos de existência, o projeto ELAM demonstra fortaleza e consolidação ao eliminar literalmente as fronteiras entre os nossos países, na marcha iniciada para conseguir a unidade e a integração.

Do ideário de Fidel

(Trechos do discurso de inauguração, em 15 de novembro de 1999)

Fidel junto aos primeiros líderes estudantis da Escola, Luther Castillo (Honduras), à esquerda, Carlos Flores (Guatemala), e o reitor da ELAM, o professor Juan D. Carrizo.

Nos setores com mais carência de médicos na América Latina e no Caribe morrem a cada ano mais de um milhão de pessoas, delas 500 mil são crianças, por doenças previsíveis e curáveis. Dezenas de milhões de latino-americanos não têm acesso aos serviços de saúde. Isto acontece inclusive num país tão rico como os Estados Unidos. As pessoas que vão morrer não podem esperar.

(Por ocasião da primeira formatura de 1.610 médicos da ELAM, em 20 de agosto de 2005)

Há quase sete anos, esta formatura era um sonho. Hoje é uma prova da capacidade dos seres humanos para conseguirem as mais elevadas metas, e um prêmio para os que cremos que um mundo melhor está ao nosso alcance.

Formar um médico nos Estados Unidos, como é sabido, custa não menos de US$300 mil. De fato, Cuba está formando neste momento mais de 12 mil médicos para o Terceiro Mundo, com o qual faz uma contribuição para o bem-estar desses países, cujo valor atinge mais de US$3 bilhões. Se formar ou contribuir para a formação de 100 mil médicos de outros países em dez anos, a contribuição seria de US$30 bilhões, apesar de Cuba ser um país pequeno do Terceiro Mundo, bloqueado economicamente pelos Estados Unidos.

OPINIÕES DE ESTUDANTES DA ELAM

Por que estudo Medicina?

ARGENTINA

"Porque em nossos países precisamos de médicos para as pessoas que, devido às desigualdades sociais, não têm acesso à saúde. Além disso, porque é uma profissão que me aproxima, dia após dia, da realidade dos mais pobres, e creio que ‘a cabeça pensa onde os pés pisam. A medicina nos oferece as ferramentas para poder mudar o injusto sistema atual.’" — Alejandro Sosa Cueto.

BOLÍVIA

"Porque gosto da profissão e isso me possibilita ajudar muitas pessoas que realmente o necessitam, prevenir doenças e mortes originadas especialmente por falta de atendimento médico, tão necessário para milhões de pessoas em nosso continente." — Erika Paola Quintanilla Muñoz.

CHILE (MAPUCHE)

"Vejo a medicina como ferramenta e o médico, como agente de mudança. Atualmente, em Cuba, essa convicção se multiplica a cada dia. Este curso foi o meu amor à primeira vista e é tão humanista como nenhum outro e tão perfeito como para saber, com certeza, que um mundo melhor é possível. Estudo medicina por amor, porque esse é o caminho." — Alihuen Antileo García.

EQUADOR

"Para ajudar as pessoas que precisem melhorar seu estado de saúde, fazendo parte do exército de batas brancas que querem saúde para todos, e que seu maior estímulo é o bem-estar dos outros e não a acumulação de recursos econômicos." — Flavio Efraín Pozo Vargas.

ESTADOS UNIDOS

"No meu país não existe justiça no tocante aos seguros médicos nem ao acesso aos serviços de saúde de quase 700 milhões de cidadãos. Qual outro curso poderia ter escolhido se do que mais gosto é da ciência e fico feliz quando ajudo o próximo? No exercício da medicina é possível chegar ao coração de cada ser humano." — Ian Fabian.

PARAGUAI

"Para ajudar a minha comunidade que o necessita e para que haja uma América mais solidária, seguindo o exemplo dos cubanos." — Jessica Eloísa Gómez Benítez.

Dados interessantes

Desde 2005, quando da primeira formatura da Escola Latino-Americana de Medicina, graduaram-se 7.256 médicos de 45 países e de ao redor de 84 povos originários. Em 2005, 1.496; em 2006, 1.419; em 2007, 1.545; em 2008, 1.500; em 2009, 1.296… Os três países que acumulam até hoje o maior número de formados são Honduras com 569, a Guatemala, 556 e o Haiti, 543… Mais de 2 mil graduados estudam atualmente especialidades médicas como parte da educação de pós-graduação, inseridos em nosso sistema nacional de saúde… Quanto à procedência social, são mormente operários, seguidos de camponeses e intelectuais… As religiões predominantes no alunado são a católica e a evangélica… A universidade médica latino-americana é integrada por 28 edificações numa área de mais de um milhão de metros quadrados, onde os estudantes recebem o curso pré-médico e os dois primeiros anos do curso de medicina (as ciências básicas). Depois, os alunos realizam o "ciclo clínico" nas 13 universidades médicas com que conta Cuba… O claustro geral de professores é de mais de 12 mil… Nos dez anos de existência, a ELAM foi visitada por 44 presidentes, oito vice-presidentes, 14 primeiros-ministros, 105 ministros e mais 148 personalidades

Granma

http://www.patrialatina.com.br/editorias.php?idprog=ac0b236e346da355400a90fcc7e28be6&cod=5065

 
13450
Loading. Please wait...

Fotos popular