Pravda.ru

Notícias » Ciência


Assassino preso

02.11.2011 | Fonte de informações:

Pravda.ru

 

Assassino preso. 15875.jpegNa Argentina, 'anjo da morte' é condenado à prisão perpétua por crimes contra a Humanidade

 

Por ANTONIO CARLOS LACERDA

PRAVDA.RU

 

BUENOS AIRES-ARGENTINA - A Justiça da Argentina, na América do Sul,  condenou o ex-capitão da Marinha Alfredo Astiz, de 59 anos, à prisão perpétua por crimes contra a humanidade, torturas e sequestros cometidos durante a ditadura militar instalada no país, entre 1976 e 1983.

 

"Condeno Alfredo Astiz à pena de prisão perpétua por privação ilegítima de liberdade, tortura e homicídio", foi o veredicto do tribunal que julgava 18 militares repressores da ditadura, a maioria ex-membros da Marinha.

 

Alfredo Astiz, conhecido como o "anjo louro da morte", já tinha sido condenado à prisão perpétua à revelia na França e na Itália, e é considerado um agente emblemático da repressão durante a ditadura militar argentina.

 

O comandante Astiz, reformado em 1998 por dizer à imprensa que "mataria" e "colocaria bombas" se recebesse ordens, foi considerado culpado do desaparecimento das freiras francesas Leonie Duquet e Alice Domon, da fundadora das Mães da Praça de Maio, Azucena Villaflor, e do escritor e jornalista Rodolfo Walsh, entre outras vítimas.

 

O chefe de Astiz durante a ditadura, o comandante Jorge "Tigre" Acosta, também foi condenado à prisão perpétua por crimes contra a humanidade.

 

Ainda em maio deste ano, o governo argentino pedira a prisão perpétua a Astiz, que já havia sido condenado, em 2010, à mesma pena pela Justiça francesa.

 

As religiosas francesas foram sequestradas nos dias 8 e 10 de dezembro de 1977, ao lado de dez militantes de defesa dos direitos humanos, entre eles a fundadora do movimento Mães da Praça de Maio, Azucena Villaflor.

 

Com a condenação, o ex-oficial, de 59 anos, poderá permanecer na prisão além do limite de 25 anos previsto pela lei, sem possibilidade de recurso.

 

A ditadura militar argentina é considerada uma das mais sangrentas da América do Sul. De acordo com organizações de direitos humanos, cerca de 30 mil pessoas morreram ou desapareceram durante o regime militar instalado no país em 1976, indo até 1983.

 

ANTONIO CARLOS LACERDA é correspondente internacional do PRAVDA.RU

 
2562
Loading. Please wait...

Fotos popular