Pravda.ru

Notícias » Federação Russa


Quem deve temer a doutrina militar da Rússia?

25.10.2009 | Fonte de informações:

Pravda.ru

 

A nova doutrina militar da Rússia, que vai entrar em vigor em 2010, provocou um debate acalorado, em primeiro lugar, porque estabelece preferência para ataques nucleares. Além disso, ele diz que as armas nucleares também podem ser utilizadas em conflitos locais em caso de ameaças críticas à segurança nacional da Rússia.


O texto tem incentivado algumas pessoas a dizer que a Rússia tem a intenção de usar armas nucleares em conflitos com seus vizinhos mais próximos - as ex-repúblicas soviéticas. Uma séria ameaça para a segurança nacional da Rússia pode vir de diferentes tipos de conflitos, incluindo uma guerra em grande escala com um bloco de países, ou de um hipotético conflito territorial com um ou vários países desenvolvidos militarmente.


Desde que as forças armadas das ex-repúblicas soviéticas não são muito eficientes, pode-se supor que apenas os países bálticos, que são membros da OTAN, podem representar uma séria ameaça para a Rússia. Embora não exista uma probabilidade de um conflito com um país báltico, se essa guerra acontecer, ela iria imediatamente sair do contexto de um conflito local, e não seria um país báltico, que seria alvo da Rússia nesse caso.


Uma ameaça crítica também pode ser criada por uma tentativa de um vizinho mais desenvolvido que não seja um membro da OTAN, de usar a força militar contra a Rússia para resolver uma disputa territorial. Teoricamente, um conflito com o Japão é possível se os políticos japoneses procuram usar a força militar para resolver o problema Kuril.


No entanto, uma séria ameaça para a Rússia é mais provável numa grande guerra. Rússia começou a falar sobre a possibilidade de dar preferência a ataques nucleares há muito tempo, na década de 1990 após a OTAN bombardear a Jugoslávia. Rússia posteriormente realizou jogos de guerra “West 1999” simulando um conflito militar com a OTAN, semelhante ao da Jugoslávia.


Esse jogo de guerra mostrou que apenas armas nucleares poderiam salvar a Rússia, em caso de agressão do Ocidente. O governo russo em seguida, mudou os esquemas de utilizar armas nucleares, especialmente as táticas.


A nova disposição foi selada em dois documentos fundamentais - a doutrina militar e o conceito de segurança nacional aprovadas em 2000. Declaram que o uso de armas nucleares é justificado e necessária "para repelir uma agressão militar, quando todos os outros métodos de resolução da crise têm sido usados e ineficazes".


A decisão parecia lógica, ao mesmo tempo desde que o poder militar da OTAN foi superior ao da Rússia, e a situação não mudou muito desde então. Por outro lado, a possibilidade de uma disputa - e muito menos um conflito militar - com a NATO tem vindo a diminuir porque a Rússia lançou uma nova rodada de diálogo com o bloco. Mas doutrinas militares prevêem disposições básicas que não levam em conta a actual situação tática.


Deve-se dizer que outros países, incluindo Estados Unidos, também estão considerando preferência a ataques nucleares. A nova doutrina militar da Rússia também tem uma cláusula sobre o uso da força militar para proteger as vidas e os interesses dos cidadãos russos no estrangeiro. Esta nova adição à Lei de Defesa foi aprovada no verão de 2009, e também será selada na nova doutrina militar.


No conjunto, a nova doutrina militar reflete um movimento gradual da Rússia para os padrões ocidentais do uso da força militar. As disposições ideológicas da doutrina militar da União Soviética - com a exceção do termo "inimigo potencial" - têm sido esquecidos. Rússia agora pretende usar sua força militar, quando e onde necessário, e contra qualquer adversário.

Fonte:

Comentarista militar Ilya Kramnik

RIA Novosti

 
3872
Loading. Please wait...

Fotos popular