Pravda.ru

Notícias » Federação Russa


2019, um ano complexo para a economia da China

22.12.2019 | Fonte de informações:

Pravda.ru

 
2019, um ano complexo para a economia da China. 32353.jpeg

2019, um ano complexo para a economia da China

Por Yolaidy Martínez * Pequim (Latin Press) 2019 foi um dos anos mais complexos para a economia da China, pois chegou e se despediu em meio a desafios e pressões internas e externas que testaram sua resiliência.

Desde janeiro, o país viu um agravamento da guerra comercial desencadeada pelos Estados Unidos e isso implicou aumentos mútuos nas tarifas de um número significativo de mercadorias.

Os dois poderes ainda buscam - entre avanços e retrocessos - um acordo para enterrar o conflito, mas são negociações difíceis, com muitos obstáculos a serem superados e a adição das manobras intervencionistas de Washington que agregam peso às relações tensas com Pequim.

Além do conflito tarifário, a Casa Branca recarregou com artilharia pesada a ofensiva contra a Huawei e outras empresas líderes no setor de tecnologia chinês, restringindo suas operações com parceiros e clientes dos EUA.

Doméstica, a nação asiática luta contra uma epidemia de gripe suína africana que levou ao abate de milhões de porcos e, consequentemente, a um aumento nas importações dessa carne e inflação, devido ao aumento do custo dos alimentos.

No final do terceiro trimestre de 2019, o Produto Interno Bruto (PIB) da China desacelerou de 6,4 para 6,2%, enquanto houve um discreto crescimento ano a ano no comércio exterior de 2,4 pontos e nos serviços de 2.6

Muitos interpretam esses dados com preocupação, pois também há um 2018 desfavorável como precedente e onde a expansão da economia chinesa foi de 6,6%.

Foi o menor boom anual registrado desde 1990, mas ainda excedeu a meta do governo de 6,5 pontos; A China continuou a liderar nesse aspecto das cinco principais potências do planeta e contribuiu com 30% do PIB mundial.

Ciente de todas as adversidades, o Governo e o Partido Comunista (PCC) continuam focados no desenvolvimento de nichos que garantam crescimento sustentável.



Portanto, a prioridade é corrigir problemas, controlar riscos e concentrar esforços nas áreas que contribuem para um progresso estável, sólido e sustentado, mas, acima de tudo, sem perigo para a alimentação, o bem-estar médico e geral das pessoas.



Daí o compromisso com uma maior abertura de seu mercado, pois garantirá a entrada de investimentos, bens e produtos estrangeiros de alta qualidade para estimular o consumo interno, cujo papel é cada vez mais relevante.



Nesse contexto, o governo introduziu profundas reformas em todo o aparato institucional destinado a tornar os procedimentos mais flexíveis, reduzir impostos e eliminar o excesso de capacidade em indústrias como carvão e aço, as mais poluentes.



A Exposição Internacional de Exportações e Importações também desempenha um papel fundamental, consolidada como plataforma de negócios entre empresários chineses e o mundo.



Uma reunião realizada em dezembro para delinear a agenda econômica no próximo ano, determinou que o nível de crescimento do PIB em 2019 de seis para 6,5% permaneça inalterado.



Os planos para estabelecer uma sociedade modestamente abastada em 2020 também não foram alterados no país, mas a ênfase foi colocada em ter variantes de contingência à mão, pois são esperados maiores desafios que levem a augúrios de crescimento abaixo de seis pontos.



Para tanto, foram feitos esforços para redobrar esforços na erradicação da pobreza, luta ambiental, controle de riscos financeiros e fortalecimento de políticas nos níveis macro e microeconômico, que também ajudam a responder às necessidades básicas.



O foco também será a inovação, uma política monetária prudente e estratégias de desenvolvimento no Delta do Rio Yangtze e na Grande Baía de Guangdong-Hong Kong-Macau para integrar o potencial de cada área.



No entanto, foi chamado para aumentar a conscientização de que a China está passando por um período crítico de transformação de seu modelo em rápido desenvolvimento, otimização da estrutura econômica e mudanças drásticas no crescimento.



Também foram destacadas a continuidade das pressões que mantêm o crescimento do PIB e a tendência de desaceleração global devido aos ajustes decorrentes da crise financeira internacional e da crescente turbulência.



Nesse momento, as autoridades chinesas insistiram em estar bem preparadas com planos para responder a qualquer eventualidade, embora o país esteja confiante em superar os riscos e desafios atuais.



Outro passo a seguir será o apego à reforma estrutural do lado da oferta para resolver problemas e recorrer mais frequentemente a meios orientados para o mercado e baseados na lei.

De conjunto, el 1 de enero entrará en vigor la legislación sobre la inversión extranjera que derriba barreras para hacer más atractivo el mercado nacional y se buscarán nuevos tratados de libre comercio para expandir los destinos foráneos de las mercancías domésticas.



Pese a los auspicios poco estimulantes, el Gobierno y el PCCh reafirmaron optimismo en que el gigante asiático podrá navegar las aguas agitadas, mantenerse sin zozobrar y llegar hasta sus ansiadas metas de revitalización social, política y económica.



'Entre mayor sea la resistencia que enfrentemos, más determinados estaremos a la apertura. Tengo plena confianza en las perspectivas de desarrollo de China', sentenció recientemente el presidente Xi Jinping.



arb/ymr

https://www.prensalatina.com.br/index.php?o=rn&id=28020&SEO=2019-um-ano-complexo-para-a-economia-da-china

 

 
6949

Fotos popular