Pravda.ru

Notícias » Federação Russa


Economia russa em alta

18.07.2003 | Fonte de informações:

Pravda.ru

 

Marina Shakina considera que é possível um salto exponencial da economia russa nos próximos tempos, baseando-se nas cifras mais que encorajadoras dos últimos meses.

Na primeira semestre de 2003, o PIB russo cresceu por 7.2%, o investimento por 11.9% e a produção industrial, 6.8%. A economia russa está franca e inegavelmente saudável e tudo indica que a meta do Presidente Vladimir Putin de duplicar o PIB até 2010 é inteiramente realístico.

Para tal, o PIB tem de aumentar por 7% todos os anos, o que tem estado a acontecer apesar da valorização do rublo, que afeta negativamente a exportação de bens e a importação dos capitais..

Na base deste comportamento melhor do que esperado é a estabilidade em alta dos preços de petróleo e a taxa de câmbio do Euro comparado com o USD. Quanto mais valorizado o Euro, melhor para a economia russa. Os pessimistas dizem que uma vez que o preço de petróleo comece a cair, será o princípio do fim.

No entanto, há outros sinais prometedores: também tem havido forte crescimento nos recursos não-energéticos, como o setor da engenharia, a indústria alimentar e as comunicações.

O Ministro de Desenvolvimento Económico e de Comércio da Federação Russa, Stefan Gref, tem um discurso realista, afirmando que durante a primeira metade do ano a economia se portou melhor do que será o caso na Segunda parte, quando a taxa de crescimento do PIB é esperado decrescer ligeiramente para os 6%.

O objectivo de Putin mostra a sua habilidade não só como diplomata mas também como político. Em vez de adoptar uma retórica pessimista e derrotista, semeando o pânico, afirma que os russos têm a capacidade de fazer acelerar a sua economia e isso lança uma onda de euforia, de confiança, que a economia precisa para crescer. O seu apelo para duplicar o crescimento do PIB foi uma arma psicológica, que mobilizou o governo e a sociedade para se lançarem na senda de crescimento económico.

A questão que agora se põe é quais as reformas estruturais para suportar esse crescimento. Há quem defende, como Professor Yasin, que o setor não-mercado precisa de ser revitalizado, diminuindo a escala das firmas estatais e o poder das monopolias, congelando despesas públicas, desregulamentar os preços de gás e electricidade, de taxas municipais e as tarifas dos transportes.

Sem dúvida isso teria um impacto negativo sobre o bolso familiar. Um possível mecanismo para contrariar essa tendência seria o aumento dos salários no setor público e das pensões.

Os críticos de Yasin defendem que essas medidas iriam diminuir o crescimento do PIB, além de criar sérias condições para uma crise social e uma diminuição da produção industrial, minando capacidade de investimento.

Seja como for, o governo já decidiu adotar uma política de reduzir a despesa pública entre 2004-2007, enquanto investe na educação, na ciência e na área de medicina e liberaliza a moeda, enquanto as firmas estatais que não são competitivas ou estratégicas serão vendidas.

Vladimir Putin sabe o que quer e para onde vai. Com determinação, ele traça o próximo futuro da Federação Russa. Quem pode negar que pelo menos parece um futuro sorridente?

Timofei BYELO PRAVDA.Ru

 
3309
Loading. Please wait...

Fotos popular