Pravda.ru

Notícias » Federação Russa


Rússia: Onde o Ocidente se enganou

18.01.2010 | Fonte de informações:

Pravda.ru

 

Repetidas vezes lemos histórias Russofóbicas nos jornais de "prestígio" ocidentais, escritos por "jornalistas" que são pagos para rebocar a linha editorial que não conseguiu passar dos dias da Guerra Fria, perpetuando um mito negativo que a Rússia é um sítio escuro, desagradável e perigoso. Por quê eles se enganam sempre?


Uma fonte fácil de desinformação para o futuro editor é encontrar matéria anti-russa nas de ex-repúblicas soviéticas, como os Estados bálticos, Geórgia ou Ucrânia, independentemente do fato de que há muitos georgianos que privilegiam as excelentes relações com Moscovo, muitos dos quais são casados com russos, muitos vivem na Rússia e vivem muito bem, independentemente do fato de que os Estados bálticos são pequenos e se pressionarem o botão certo, eles podem ganhar mais da OTAN e independentemente do fato de que as sondagens apontam para sentimentos mútuos favoráveis entre muitos ucranianos e russos.


Como Vladimir Putin disse, porquê é que o Ocidente tenta sempre criar problemas entre a Ucrânia e a Rússia?


E é nas sondagens que nós vemos o que realmente está acontecendo, como os russos realmente sentem e conhecemos o que de fato se passa no terreno; para escrever uma peça que vale a pena ler, um(a) jornalista tem que entender a psique e o contexto sobre o que está escrevendo.
Tomemos como exemplo um excelente conjunto de estatísticas reunidas por Anatoly Karlin, com base em uma pesquisa de opinião realizada pelo Centro Levada (Gallup, da Rússia). Nesta pesquisa, os russos responderam a perguntas sobre si (todos os dados referentes a 2009). Vejamos alguns dos resultados:


É evidente para começar que os russos não estão tentando copiar a cultura ocidental e estão orgulhosos da sua própria. Apenas 4 por cento comemoraram o Natal em 25 de dezembro de 1999, a mesma percentagem dos que comemoram Hallowe'en. 70%, todavia, apoia o ensino de "As Fundações de Cultura Ortodoxa" a nível do ensino fundamental.


Em relação à transição do passado soviético à Rússia atual, apenas 29% consideram que o país está melhor agora do que nos tempos da União Soviética; 60% "lamentam" o fim da União Soviética e consideram que poderia ter sido evitado, enquanto 51 % gostariam de ver mais intervencionismo do Estado e 63% consideram que o Estado deve prestar serviços públicos e garantir um padrão de vida decente.


Quanto à baboseira da mídia ocidental sobre a "ditadura" na Rússia, Presidente Medvedev goza de índices de popularidade de 74%, o primeiro-ministro Putin, de 79% (e devemos lembrar que ambos foram eleitos democraticamente, com ampla margem sobre os seus rivais mais próximos).
Quanto às críticas de que tudo é melancolia e desgraça na Rússia, então vamos perguntar aos russos. Dez por cento dizem que têm uma vida difícil e mal podem ganhar para comer, enquanto 90 por cento dão respostas entre "tenho tanta comida que preciso" e "posso facilmente obter bens de consumo duráveis".


Dois a três por cento consideram "democracias" do estilo ocidental como sendo necessárias na Rússia, enquanto a mesma percentagem de pessoas que aprovam os queridinhos ocidentais como Kasparov.


Isso não significa que os russos querem um retorno ao sistema soviético ou tempos soviéticos - afinal, quem quer voltar 20 anos no tempo? No entanto, também lança luz sobre a arrogância, a insolência de intrusão por trás dos relatos irregulares e imprecisas por "fontes" de ... desinformação ocidentais, o que na prática não são mais ou menos que pontos de propaganda ao serviço dos interesses daqueles que querem perpetuar o mito, manipular a opinião pública e é uma forma de reverenciar a (não eleito) lobby de armas que dita a política externa - a OTAN. Agora, quão democrático é isso?


A União Soviética, ao mesmo tempo que era longe de ser perfeita, e quando precisava de reformas económicas para recompensar o esforço humano e aumentar o controle de qualidade, também estava muito longe de ser o péssimo modelo que muitos reportam. Devemos lembrar também que as relações externas da URSS seguiram a abordagem de desenvolvimento nos países que haviam sido retidos pelo jugo do imperialismo. Eles foram libertados, as pessoas foram educadas e serviços públicos foram implementados.


O mundo de hoje seria um lugar muito melhor, mais livre do terrorismo e muito menos perigoso, se esses programas de desenvolvimento tinham sido deixados a florescer em vez de serem sabotados vinte ou trinta anos atrás, pois é precisamente nas áreas em que a influência soviética foi substituída por interesses ocidentais, onde os problemas residem hoje.


Vale a pena os jornalistas e meios de comunicação ocidentais pensarem mais cuidadosamente antes de escrever, tentando entender o quadro mais amplo de modo a não relegar a sua "notícia" para o reino do pregoeiro bêbado num farrapo tablóide.


Timothy BANCROFT-HINCHEY
PRAVDA.Ru

 
5177
Loading. Please wait...

Fotos popular