Pravda.ru

Notícias » Federação Russa


Rússia comemora o 65º Aniversário do Dia da Vitória

10.05.2010 | Fonte de informações:

Pravda.ru

 

O que está sendo comemorado hoje, domingo 09 de Maio, em toda a Federação Russa e em outros lugares, é um evento singular e único: homenagear os 26 milhões de cidadãos soviéticos que fizeram o último sacrifício de qualquer ser humano, reunindo em torno da figura colossal de Stalin, que conseguiu galvanizar a sua nação para salvar não apenas a sua Pátria, mas o mundo inteiro, do jugo da tirania fascista.


Nos bastidores, como de costume, são tentativas de desviar a questão principal e tirar o foco de aquilo que está sendo comemorado: a questão central é a magnífica contribuição feita pela União das Repúblicas Socialistas Soviéticas em derrotar o pior flagelo que o mundo tinha visto em séculos, e ao fazê-lo, fazendo um dos mais tremendos sacrifícios humanos. Cerca de vinte e seis milhões de homens e mulheres soviéticos deram suas vidas abnegadamente na luta contra a tirania fascista e racista desencadeada pela arrogância do regime nazista em todo o continente europeu.


As forças deste templo de racismo e intolerância encontraram na Frente Oriental um inimigo resoluto, a URSS, onde o governo de Stalin já tinha preparado a indústria para uma economia de guerra, muito antes das primeiras tropas alemãs terem violado as fronteiras da União Soviética, a lançar a Operação Barbarossa em 22 de Junho de 1941. Cerca de 75% das vítimas sustentados pelo Wehrmacht foram na frente oriental, numa batalha titânica que, além das enormes perdas humanas, devastou quase 2.000 cidades e vilas soviéticas, 70.000 aldeias e lugarejos, 84.000 escolas, 60.000 km de ferrovias, 43 mil bibliotecas, 40 mil hospitais, 32 mil instalações industriais e 2.500 igrejas.


O preço pago pelas cidades da União Soviética, de norte a sul, de leste a oeste, foi tão enorme como foi a sua contribuição heróica à causa. Leninegrado perdeu 1,5 milhões de almas num cerco brutal de 900 dias. Quando Hitler virou para sul até Estalinegrado (Julho de 1942 - Fevereiro 1943), Moscou já tinha vencido e repulsado a Operação Tufão do invasor (Setembro 1941 - Abril 1942). Seguiram-se Kursk (Julho-Agosto 1943), culminando na massiva Operação Bagration de Junho de 1944, a maior concentração de tropas e equipamentos em toda a campanha, um pico de brilho militar e estratégica, que minou a força do invasor.

É este último sacrifício humano, que é comemorado na Praça Vermelha e em outros lugares, hoje, o 65 º Aniversário do Dia da Vitória, num evento que conta com a participação de 25 líderes estrangeiros, entre eles a Chanceler alemã Angela Merkel e o Presidente francês, Nicolas Sarkozy. Os embaixadores britânicos e americanos também estão presentes.


As tentativas de minar o foco da celebração
Como de costume, há agendas políticas accionadas para desvirtuar o foco principal do evento, insultando o espírito e a memória daqueles que deram suas vidas para que a Europa e o resto do mundo poderiam viver em paz e liberdade.


A controvérsia está centrada em torno da figura de Estaline. Vamos, então, de uma vez por todas, abordar este problema. Não se pode contemplar incidentes isolados na história, sem os vectores sócio-econômicos e de desenvolvimento que lhes deram forma e, em seguida, colori-los completamente fora de contexto, revisando-os décadas depois através de óculos cor-de-rosa, usando-os para providenciar combustível para agendas pessoais e políticas.


É verdade, houve atos atribuídos a Iosif Vissarionovich Dyugashvili, o secretário (georgiano) do Partido Comunista da União Soviética, que só podem ser descritos como lamentáveis e inaceitáveis. No entanto, concentrar-se nos incidentes em um só país (a URSS), sem atribuir qualquer importância oriunda dos vectores políticos, sociais e comunitários, é igualmente inaceitável.

E então os massacres espanhóis na América Latina? E os massacres contra os nativos americanos pelos britânicos e norte-americanos? E a invasão das terras dos povos indígenas nos E.U.A. para que colónias de anglo-saxónicos descritos na altura como “racialmente superiores” pudessem ser estabelecidas? E o envio de soldados indianos pelos britânicos às câmaras de gás para testar os efeitos do gás mostarda? E a revolta indiana de 1857, e os massacres britânicos posteriores neste país? Que tal o descaso assassino de Churchill para a vida humana na Primeira Guerra Mundial? E os massacres de Oliver Cromwell, ainda festejado como um herói por muitos no Reino Unido, na Irlanda? E Sabra e Shatila? Onde é que a bola vai parar e sendo assim, quem tem o direito moral de opinar?


Estaline está incluído nestas comemorações, porque ele era o líder supremo da União Soviética, foi o ponto focal em torno do qual as nações se reuniram: "Za rodinu, za Stalina!" ("Para a Pátria. Para Estaline!")


Aqueles que tentam depreciar sua importância demonstram uma ignorância chocante sobre o fato de que seus programas de industrialização tornaram possível a União Soviética travar a guerra numa base sustentável. Vendo a nuvem no horizonte, Estaline comprou tempo com o Pacto de Não Agressão Molotov-Ribbentrop, em Agosto de 1939.


Contudo, até então, o programa de industrialização iniciado por Estaline tinha estabelecido mecanismos que deram ao país a capacidade de produzir mais tanques do que todo o resto da Europa. Além disso, o programa de ordenamento do território da União Soviética, tinha assegurado que, mesmo depois de perder cerca de metade de suas unidades industriais para o Wehrmacht, a URSS passou a produzir em 1942 cinco vezes mais tanques do que a Alemanha. Além disso, o modelo industrial adotado na União Soviética era baseado no modelo civil/militar, em que as fábricas civis eram facilmente adaptáveis para a produção militar.

Comemorando com amigos e aliados
O facto que Angela Merkel pode estar lado a lado e num clima de amizade com os representantes russos, franceses, britânicos e dos E.U.A., entre outros, diz tudo sobre quanto o mundo mudou desde 1945. Hoje, esses países têm muito mais em comum do que pontos de divergência e podemos descrever-nos como amigos, e não inimigos.


É certo de comemorar o 65º Aniversário do Dia da Vitória juntos, porque foi realmente um esforço coletivo, no qual a contribuição da União Soviética é historicamente ignorada pelos escritores revisionistas históricos atuando como agentes provocadores. Mas um esforço em conjunto, foi sim. O programa Lend Lease dos EUA providenciou cerca de 11 bilhões de dólares em ajuda e equipamentos para a URSS (embora parte era de péssima qualidade), juntamente com o programa Alívio de Guerra EUA-Rússia e Cruz Vermelha Internacional.

A frente no Norte da África aberto pelas forças militares norte-americanos, britânicos, e forças imperiais e coloniais britânicos foi importante para dividir as energias do Wehrmacht e o apoio por parte da aviação norte-americana ao Reino Unido de 1941 em diante foi vital para manter o tecido industrial da Alemanha na defensiva, atrasando a sua programas de produção de armas superiores até que fosse tarde demais para que pudessem fazer a diferença.


A abertura da segunda (ou terceira) Frente na Europa Ocidental, demorou tanto que Marshall Georgii Konstantinovich Zhukov em desespero, disse que "O Diabo que os leva", mas quando veio, demorou menos de um ano antes que os exércitos dos aliado se encontravam a celebrar juntos.


É este espírito de colaboração que estamos celebrando hoje e, felizmente, com os alemães presentes em torno da mesma mesa, agora como amigos. Se nós podemos perdoar, se não esquecer, o passado e seguir em frente, talvez todos nós possamos aceitar a nossa história de uma vez por todas, sendo orgulhos e eternizando os pontos positivos, enquanto analisamos o mal, e recusando-nos a usá-lo para servir agendas políticas e pessoais, esforçámo-nos a nunca mais o repetir.


Desta forma, o livro da história fornece uma lição, e não uma causa.


Timothy BANCROFT-HINCHEY

Director e Chefe de Redacção
PRAVDA.Ru Versão portuguesa

 
8314
Loading. Please wait...

Fotos popular