Pravda.ru

Notícias » Federação Russa


O julgamento do Supremo

03.10.2013 | Fonte de informações:

Pravda.ru

 
O julgamento do Supremo. 18948.jpeg

Passado algum tempo, quando os ânimos já não se alteram tanto, podemos falar com mais serenidade O mensalão, como ficou conhecido o maior escândalo da História Republicana do Brasil, envolveu figuras de proa que cercavam o presidente da República e o Partido dos Trabalhadores.

         Foram muitos os condenados, inclusive o antigo ministro-chefe da Casa Civil, José Dirceu.  A pena que lhe foi imposta exige cumprimento em regime fechado de prisão.  Outros mais tiveram condenação rigorosa, mas Dirceu participava do governo Lula, daí ser a figura mais importante.  José Genoíno igualmente é membro de proa do PT, mas teve punição menor.

         Os réus que foram absolvidos por quatro ministros, no julgamento onde o número de juízes é de onze, recorreram da sentença usando o instrumento processual do embargo infringente, de cabimento duvidoso por não ser mais adotado nem mesmo no Superior Tribunal de Justiça.  Caberia ao Supremo Tribunal dar a última e definitiva palavra sobre o recurso que tanto prejudica o rápido andamento dos processos na justiça.

         O julgamento terminou empatado por cinco votos contra o cabimento do recurso, sendo assim os pronunciamentos dos ministros Joaquim Barbosa, presidente da Corte, e seus pares Luiz Fux, Cármen Lúcia, Gilmar Mendes e Marco Aurélio Mello.  A favor dos embargos votaram os ministros Luís Roberto Barroso, Teori Zavascky, Rosa Weber, Dias Toffoli e Ricardo Lewandowsky.  Coube o desempate ao ministro mais antigo do Tribunal, Celso de Mello.  Quase a maioria do povo brasileiro, que assistia ao julgamento com o mesmo interesse e entusiasmo que tem quando o país é finalista na Copa de Futebol, esperava que o voto do ministro Mello fosse pelo não cabimento dos embargos, colocando fim no processo e terminando com um recurso que só serve para prejudicar o bom andamento dos processos que tramitam no STF.

         Num voto longo, que já iniciou afirmando não estar o Supremo submisso às pressões populares, o ministro Celso Mello, que poderia dar um belo colorido ao final do mais importante julgamento do Tribunal, repito, preferiu seguir o entendimento dos processualistas.  Para quem não conhece, o Supremo pode votar contra a Lei, quando ela é injusta ou prejudicial ao curso rápido do processo.  Os ministros do Supremo tudo podem, e cinco colegas - os mais experimentados - do decano já haviam derrubado o inútil dispositivo do Regimento Interno.

         Mas o ministro Celso Mello não pensou grande.  Perdeu o lugar seguro na História do Supremo, e certamente na História do Brasil.                 

Jorge Cortás Sader Filho é escritor

 

Fedrn

 

 
3450
Loading. Please wait...

Fotos popular