Pravda.ru

Notícias » Federação Russa


Carnaval na Crimeia

02.03.2014 | Fonte de informações:

Pravda.ru

 
Carnaval na Crimeia. 19900.jpeg

Carnaval na Crimeia


28/2/2014, Pepe Escobar, Asia Times Online
http://www.atimes.com/atimes/Central_Asia/CEN-05-280214.html

O tempo não espera por ninguém, mas, parece, esperará pela Crimeia. O presidente do Parlamento da Crimeia, Vladimir Konstantinov, confirmou que haverá um referendo, que decidirá sobre maior autonomia em relação à Ucrânia, dia 25 de maio.

Até lá, a Crimeia permanecerá tão quente e fumegante quanto o carnaval no Rio - porque na Crimeia tudo tem a ver, sempre, com Sevastopol, o porto de atracação da Frota Russa do Mar Negro.

Se a Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN) é um touro, esse é o pano vermelho mãe de todos os panos vermelhos. Ainda que você esteja tentando afogar todas as suas mágoas no nirvana movido a álcool e pulando para suar todos os seus problemas no carnaval no Rio - ou em New Orleans, ou Veneza, ou Trinidad e Tobago - mesmo assim seu cérebro registrou que o sonho mais molhado dos sonhos molhados da OTAN é instalar um governo fantoche do ocidente na Ucrânia, para despachar de lá, de sua base em Sevastopol, a marinha russa. O arrendamento negociado do porto é vigente até 2042. Já há rumores e ameaças de que o arrendamento será cancelado.

A península da Crimeia é habitada por maioria absoluta de falantes de russo. Pouquíssimos ucranianos vivem ali. Em 1954, o ucraniano Nikita Krushchev - aquele, o que bateu o sapato na mesa, na Assembleia Geral da ONU[1] - precisou só de 15 minutos para dar a Crimeia de presente à Ucrânia (então, parte da União Soviética). Na Rússia, a Crimeia é vista como russa. Nada mudará esse fato.

Ainda não estamos diante de uma nova Guerra da Crimeia - ainda não. Só um pouco. O sonho molhado da OTAN é uma coisa; outra coisa, muito diferente, é fazê-lo acontecer: tipo pôr fim para sempre à rotina de a frota russa deixar Sevastopol pelo Mar Negro, pelo Bósforo, e assim chegar a Tartus, o porto mediterrâneo da Síria. Assim sendo, sim, sim, trata-se tanto de Crimeia, quanto de Síria.

A nova revolução ucraniana cor de laranja, de tangerina, de Campari, de Aperol Spritz[2] ou de Tequila Sunrise[3] parece, até aqui, ser resposta às preces da OTAN. Mas ainda há estrada longa e sinuosa a percorrer, antes de a OTAN conseguir reencenar os anos 1850s e produzir o remix da Guerra da Crimeia original.

No futuro à vista e previsível, seremos afogados num mar branco de platitudes. Como o El Supremo do Pentágono, Chuck Hagel, "avisando" a Rússia que fique longe do torvelinho, enquanto ministros da Defesa da OTAN lançam toda a pilha indispensável de declarações, em nenhuma das quais se lê "garantindo integral apoio" à nova liderança, e paus mandados da imprensa-empresa universal repetem sem parar que não se trata de Nova Guerra Fria, para tranquilizar a população.[4]

Dancem conforme a minha estratégia, otários

Onde está HL Mencken, quando se precisa dele? Ninguém jamais perdeu dinheiro subestimando a capacidade de mentir do sistema Pentágono/OTAN/CIA/Departamento de Estado dos EUA. Especialmente agora, quando a política para a Ucrânia do governo Obama parece ter sido subalugada à turma da neoconservadora Victoria "Foda-se a União Europeia" Nuland, casada com Robert Kagan, neoconservador queridinho de Dábliu Bush.

Como Immanuel Wallerstein já observou,[5] Nuland, Kagan e a gangue neoconservadora estão tão aterrorizados ante a possibilidade de a Rússia "dominar" quanto ante o surgimento de uma aliança geoestratégica que pode emergir lentamente, e bastante possível, entre a Alemanha (com a França como parceiro júnior) e a Rússia. Significaria o coração da União Europeia constituindo um contrapoder, de oposição ao abalado e oscilante poder norte-americano.

E, como atual encarnação do abalado poder norte-americano, o governo Obama é, sim, um fenômeno. Agora, estão perdidos no pântano que eles próprios inventaram, do tal "pivô". Que pivô vem primeiro? Aquele na direção da China? Mas, nesse caso, temos de pivotear-nos, antes, para o Irã - para pôr fim à ação dispersiva, lá, no Oriente Médio. Ou quem sabe...? Talvez não.

Ouçam essa, a melhor, do secretário de Estado John Kerry, sobre o Irã: "Tomamos a iniciativa e lideramos o esforço para tentar ver se antes de irmos à guerra realmente poderia haver uma solução pacífica."

Quer dizer então que já não se trata de acordo nuclear a ser alcançado, talvez, em 2014. Nada disso. Agora se trata de "antes de irmos à guerra". Trata-se de bombardear um possível acordo, para que o Império possa bombardear mais um país - outra vez. Ou, talvez, não passa de sonho molhado fornecido pelos patrões dos fantoches Likudniks.

O grande Michael Hudson especulou que um "xadrez multidimensional" poderia esta "guiando os movimentos dos EUA na Ucrânia". Nada disso. Está mais para "se não podemos nos pivotear para a China - ainda -, e se a pivotagem para o Irã vai falhar (porque desejamos que falhe), podemos nos pivotear para algum outro lugar..." Oh yes, tem aquele maldito país que nos impediu de bombardear a Síria; chamado "Rússia". E tudo isso sobre o comando ilustrado de Victoria "Foda-se a União Europeia" Nuland. Onde está um neo-Aristófanes, para escrever a história desses comédias?

E ninguém jamais esqueça a imprensa-empresa. A CNN já começou a Amanpourear [ref. a Christiane Amanpour; equivale aos verbos "Jaborizar (derivado de "Arnaldo Jabor")" ou "Waackear" (der. de "William Waack"), em português do Brasil (NTs)] sobre o Acordo de Budapeste - e só fazem repetir que a Rússia tem de ficar fora da Ucrânia. Visivelmente, uma horda de produtores, todos com 'índices' de audiência desabados, sequer se deram o trabalho de ler o Acordo de Budapeste, o qual, como o professor Francis Boyle da Universidade de Illinois lembrou "determina, isso sim, que EUA, Rússia, Ucrânia e Grã-Bretanha têm de reunir-se imediatamente, para "consulta" conjunta - e que a reunião tem de ser feita no nível de ministros de Relações Exteriores, pelo menos."[6]

Assim sendo, então... Quem paga as contas?

O novo primeiro-ministro da Ucrânia, Arseniy Yatsenyuk, é - e o que mais seria?! - um "tecnocrata reformador", expressão em código para "fantoche do ocidente".[7] Ucrânia está convertida em caso perdido (rebentado). A moeda caiu 20% desde o início de 2014. Milhões de desempregados europeus sabem que a União Europeia não tem dinheiro para resgatar o país (talvez os ucranianos devam pedir algumas dicas ao ex-primeiro-ministro italiano Silvio Berlusconi).

Em termos do Oleogasodutostão, a Ucrânia é apêndice da Rússia; o gás que transita pela Ucrânia para mercados europeus é gás russo. E a indústria ucraniana depende do mercado russo.

Examinemos mais de perto os bolsos dos novos "revolucionários" cor de Aperol Spritz. Todos os meses, a conta de gás natural importado da Rússia fica em torno de US$1 bilhão. Em janeiro, o país teve de despender também $1,1 bilhão para pagar dívidas. As reservas em moeda estrangeira caíram, de $20,4 bilhões, para $17,8 bilhões. A Ucrânia tem de pagar, como pagamento mínimo da dívida, nada menos de $17 bilhões  em 2014. E tiveram até de cancelar um lançamento de $2 bilhões de eurobonds, semana passada.

Francamente: o presidente Vladimir Putin - codinome "Vlad, A Marreta" - deve estar rindo feito o gato de Cheshire. Pode simplesmente cancelar o significativo desconto de 33% no preço do gás natural importado, que deu a Kiev, no final do ano passado. Rumores insistentes já dizem - desesperançados - que os revolucionários da revolução cor de Aperol Spritz não terão dinheiro para pagar aposentadorias e salários dos funcionários públicos. Em junho, vence uma dívida monstro, em mãos de vários credores (no total, cerca de $1 bilhão). Depois disso, a coisa é mais sinistra, desolada e escura que o norte da Sibéria no inverno.

A oferta dos EUA, de $1 bilhão, é piada. E tudo isso, depois que a estratégia de "Foda-se a União Europeia" de Victoria Nuland torpedeou um governo ucraniano de transição - transição, por falar dela, negociada pela União Europeia - que teria mantido os russos a bordo, e o dinheiro deles.

Sem a Rússia, a Ucrânia dependerá totalmente do ocidente para pagar as próprias contas, para nem falar de tentar evitar o calote de todas as dívidas. O total alcança vertiginosos $30 bilhões, até o final de 2014. Diferente do Egito, a Ucrânia não pode telefonar para a Casa de Saud e pedir cataratas de petrodólares. Aquele empréstimo de $15 bilhões que a Rússia ofereceu recentemente chegaria em boa hora - mas Moscou tem de receber algo em troca.

A ideia de que Putin ordenará ataque militar contra a Ucrânia explica-se pelo quociente subzoológico de inteligência da imprensa-empresa nos EUA. Vlad A Marreta só precisa assistir ao circo - o ocidente batendo cabeça para ver se arranja aqueles bilhões a serem desperdiçados num caso perdido (rebentado). Ou ao Fundo Monetário Internacional e aquela conversa sinistra de mais um monstruoso "ajuste estrutural" para mandar a população da Ucrânia de volta ao Paleolítico, de vez.

A Crimeia pode até encenar seu próprio carnaval adiado, votando não só para ter mais autonomia, mas, também, para livrar-se do tal caso perdido (rebentado). Nesse caso, Putin receberá a Crimeia de presente, grátis - à moda Krushchev. Não é mau negócio. E tudo graças àquela oh! tão estratééégica pivoteação contra a Rússia, com "Foda-se a União Europeia". *****


________________________________________
[1] "A foto da primeira página do New York Times do dia 12/10/1960 mostrava Khrushchev com um sapato na mão e a manchete "Rússia novamente ameaça o mundo. Dessa vez, com o sapato do líder". Mas, pouco depois, pessoas presentes à Assembleia Geral da ONU que se realizara na véspera corrigiram a notícia e a manchete: Khrushchev não batera com o sapato no púlpito principal, mas na própria mesa; e não para ameaçar alguém, apenas para chamar a atenção. Sergei Khrushchev conta:
"Quando Nikita Sergeevich entrou no salão, estava cercado de jornalistas; um deles pisou no seu calcanhar e arrancou-lhe o sapato. Khrushchev, bastante gordo, não quis expor-se ao ridículo de procurar o próprio sapato e calçá-lo ali, em pé, à vista das câmeras. Andou então diretamente para sua mesa e sentou-se; o sapato, embrulhado num guardanapo, foi trazido por alguém e posto sobre a mesa. Naquele momento, um delegado filipino disse que a União Soviética havia 'engolido' a Europa Oriental, 'privando-a de seus direitos civis e políticos.' A frase causou tumulto e protestos na sala. Um delegado romeno saltou em pé e pôs-se a gritar contra o diplomata filipino. Nesse ponto, Khrushchev quis intervir na discussão, mas o delegado irlandês, que presidia a discussão, não o viu. Khrushchev acenou com uma mão, depois com a outra. Sem resultado, ele pegou o sapato que ainda estava sobre a mesa e o agitou no ar. Ainda sem resultado, ele bateu o sapato, com força, na mesa. O irlandês afinal olhou na direção dele e o viu" (Telegraph, em http://www.telegraph.co.uk/sponsored/rbth/6502603/Soviet-history-When-Nikita-Khrushchev-banged-his-shoe-at-the-UN-General-Assembly.html) [NTs].  
[2] Para saber o que é (e uma receita), ver http://www.claudiadalpozzo.com.br/receita-de-drink-aperol-spritz/
[3] Para saber o que é (e uma receita) http://cybercook.com.br/receita-de-tequila-sunrise-r-9-93.html
[4] 26/2/2014, US and Britain say Ucrânia is not a battleground between East and West, Daily Telegraph.
[5] http://www.jornada.unam.mx/2014/02/22/index.php?section=opinion&article=022a1mun
[6] http://www.accuracy.org/release/ukraine-crisis-how-cooler-heads-can-prevail/
[7] 27/2/2014, Voice of America, Biden: U.S. Supports Ucrânia's New Government

 
14247
Loading. Please wait...

Fotos popular