Pravda.ru

Notícias » Mundo


Governo do Chile admite violações e anuncia mudanças nos Carabineros

28.11.2019 | Fonte de informações:

Pravda.ru

 
Governo do Chile admite violações e anuncia mudanças nos Carabineros. 32183.jpeg

Governo do Chile admite violações e anuncia mudanças nos Carabineros

Por Rafael Calcines Armas Santiago do Chile, 27 de novembro (Prensa Latina) Após 40 dias de forte repressão policial de manifestantes e mais de 11.500 feridos, o governo chileno admitiu com relutância a violação dos direitos humanos e considerou uma 'reforma' da polícia.

Desde o início da revolta social, em 18 de outubro, organizações nacionais de direitos humanos, personalidades internacionais como o Prêmio Nobel Rigoberta Menchú, acadêmicos, políticos e o clamor popular denunciaram as violações às quais o governo respondeu com evasão a algo assim. Isso estava acontecendo.

Mas, finalmente, parecia não haver alternativa, mas admitir o óbvio, depois que a organização Human Rights Watch, convidada pelo próprio presidente Sebastián Piñera, publicou um relatório esmagador relatando 'violações graves' dos direitos humanos.

A secretária de Direitos Humanos, Lorena Recabarren, tentando amenizar a pílula, disse que o governo recebeu 'com dor' dados sobre violações graves dos direitos das pessoas ', incluindo alegações de abuso, abuso e violência sexual'.

Ele também disse que eles continuarão revisando as recomendações feitas por observadores internacionais e apontou como medida concreta as instruções dadas ao Diretor de Polícia, General Mario Rozas, para revisar as ações que se afastam do estabelecido e que significam perguntas e reclamações.

Para fazer isso, o General Rozas deve enviar uma série de propostas dentro de uma semana, enquanto o Ministério do Interior criará um grupo para propor urgentemente medidas de curto e médio prazo para a agenda de modernização de Carabineros.

Por sua parte, o ministro do Interior Gonzalo Blumel disse mais uma vez que existem situações graves que podem constituir violações de direitos humanos que precisam ser investigadas, revisadas e sancionadas se forem verdadeiras '.

No entanto, ele admitiu que 'há muitas situações com as quais teremos que lidar muito fortemente nos próximos dias'.

Mas a tendência de minimizar a gravidade das denúncias sobre violência praticada por agentes do Estado, especialmente policiais, ainda está presente.

Isso foi relatado pela coronel Karina Soza, diretora suplente do Departamento de Direitos Humanos de Carabineros, que, em comunicado da instituição, disse 'que erros podem ter sido cometidos e que são objeto de investigação'. Dos setores políticos e do movimento social, a reivindicação, por outro lado, vai além da 'reforma' do corpo de policiais e exige justiça e reparação para as vítimas.

Entre muitas outras vozes, o deputado Karol Cariola, do Partido Comunista, considerou que o presidente Sebastián Piñera deveria pedir a Rozas que se demitisse imediatamente.

Mas ele alertou que há medidas do presidente que estão indo na direção oposta, como apresentar um projeto de lei ao Congresso para permitir que o exército 'colabore' com o pessoal da polícia sob custódia de instalações estratégicas. No entanto, não só Rozas está em destaque, mas também o presidente, porque todas as denúncias de violações reforçam diretamente a acusação constitucional analisada por uma comissão da Câmara dos Deputados contra Piñera, precisamente como o chefe da repressão desde 18 de outubro.



rgh/rc/jcfl

https://www.prensalatina.com.br/index.php?o=rn&id=27414&SEO=governo-do-chile-admite-violacoes-e-anuncia-mudancas-nos-carabineros

 

 
4394

Fotos popular