Pravda.ru

Notícias » Mundo


Itália emite mandados de prisão contra 13 brasileiros

26.12.2007 | Fonte de informações:

Pravda.ru

 

A justiça italiana emitiu segunda-feira (24) os 140 mandados de prisão contra pessoas  suspeitas de envolvimento na perseguição a opositores dos regimes militares da América do Sul, na década de 70 ( Operação Condor). Entre os indicados estão 13 brasileiros os nomes dos quais não foram divulgados.


Todos são acusados de participar do desaparecimento, seqüestros e assassinatos de cidadãos italianos durante os anos da ditadura. De acordo com a lei italiana, os magistrados do país podem realizar investigações sobre assassinatos de cidadãos italianos que foram cometidos no exterior. Segundo agência AP, o Itamaraty ainda não recebeu nenhum comunicado oficial sobre o pedido de prisão dos brasileiros .

No Brasil, qualquer ação dessa natureza precisa ser informada ao Ministério das Rela з ções Exteriores. Depois, é encaminhada ao Ministério da Justiça, que analisa caso a caso. O Itamaraty lembra também que a Constituição veta a extradição de brasileiros para que sejam processados em outros países.


A Operação Condor foi aplicada nos anos 70 e 80 pelos regimes militares da Argentina, Bolívia, Brasil, Chile, Paraguai e Uruguai para eliminar os oposicionistas, principalmente simpatizantes de esquerda. Segundo a agência Efe, a lista inclui 146 pessoas - 61 da Argentina, 32 do Uruguai, 22 do Chile, 13 do Brasil, sete da Bolívia, sete do Paraguai e quatro do Peru. No período em que durou o ‘plano Condor’, os presidentes do Brasil foram Emilio Médici, Ernesto Geisel e João Figueiredo.

A operação, que deixou centenas de vítimas desaparecidas, nasceu durante a Primeira Reunião de Trabalho da Inteligência Nacional, realizada em Santiago (Chile), entre 25 de novembro e 1 de dezembro de 1975, segundo a documentação acumulada em investigações.
Algumas das pessoas que foram citadas na lista, porém, já estão mortas, como o ex-ditador chileno Augusto Pinochet.

Foram citados ainda o ex-ditador argentino Jorge Rafael Videla, o almirante Emilio Eduardo Massera, e Juan María Bordaberry, ex-comandante da junta militar do Uruguai.
Além dos 13 brasileiros, há ainda argentinos, bolivianos, chilenos, paraguaios, peruanos e uruguaios.

Já Néstor Jorge Fernández Troccoli, um uruguaio de 60 anos, ex-membro do serviço secreto da marinha de seu país, foi detido em Salerno (sul da Itália), onde vive há alguns anos.
A justiça italiana já vinha investigando o caso Condor desde o final dos anos 90.
O incentivador da Operação Condor foi o então coronel Manuel Contreras, fundador da Dina, a polícia secreta do regime do general Augusto Pinochet, mas o plano também contou com o apoio de agentes dos Estados Unidos.

"A Operação Condor representou um esforço cooperativo de inteligência e segurança entre muitos países do Cone Sul para combater o terrorismo e a subversão", assinalava um informe desarquivado pela Agência Central de Inteligência (CIA) dos Estados Unidos, em 22 de agosto de 1978.

O informe acrescentava que "o coronel Manuel Contreras, chefe da Dina, iniciou um programa de colaboração entre os serviços de inteligência de diferentes países da América do Sul, o qual batizou como Plano Condor"."Há informação adicional de que a cooperação entre os países incluiria planos para assassinar subversivos, políticos e figuras proeminentes dentro dos limites do país", assinalava outro documento da CIA, datado de 16 de agosto de 1976.

Um dos mais perseverantes investigadores da Operação Condor é o advogado paraguaio Martín Almada, que descobriu em seu país os chamados "Arquivos do Terror": dezenas de milhares de documentos que mostravam pela primeira vez, de forma oficial, as operações coordenadas entre as ditaduras do Cone Sul.

Durante uma visita a Santiago, em setembro de 2001, Almada afirmou que Pinochet e Contreras lançaram uma "guerra santa" para eliminar a oposição no Chile e em outros cinco países da região.
"Eles globalizaram o terrorismo e não se deram conta de que, 25 anos depois, viria a globalização da justiça através de Baltasar Garzón", disse Almada, fazendo alusão ao juiz espanhol que, em outubro de 1998, conseguiu que o general Pinochet fosse detido em Londres, desencadeando o processo de punição dos crimes cometidos pelo ex-ditador. As informações são do G1 e agências internacionais.

 
4457
Loading. Please wait...

Fotos popular