Pravda.ru

Notícias » Mundo


Como Israel fez da Palestina a maior prisão do mundo

25.12.2017 | Fonte de informações:

Pravda.ru

 
Como Israel fez da Palestina a maior prisão do mundo. 27917.jpeg

Como Israel fez da Palestina a maior prisão do mundo

Um livro histórico sobre a ocupação israelense da Cisjordânia e da Faixa de Gaza descreve as técnicas militares utilizadas para controlar a vida dos palestinos.

A Guerra dos Seis Dias de 1967 entre Israel e os exércitos árabes levou à ocupação da Cisjordânia e da Faixa de Gaza.

Israel colocou esta guerra em uma guerra fortuita. Mas novos registros históricos e imagens de arquivo mostram que Israel, pelo contrário, estava bem preparado.

Em 1963, funcionários militares, judiciais e civis israelenses compareceram à Universidade Hebraica de Jerusalém para estudar um plano abrangente para a gestão de territórios que Israel ocuparia quatro anos depois e um milhão e metade dos palestinos que moravam lá.

Esta pesquisa foi motivada pelo fracasso de Israel em lidar com palestinos em Gaza durante sua breve ocupação durante a crise de Suez de 1956.

Em maio de 1967, algumas semanas antes da guerra, os governadores militares israelenses receberam instruções legais e militares sobre como controlar as cidades e aldeias palestinas para continuarem a transformar Cisjordânia e Gaza em grandes prisões sob controle e vigilância. militar.

Assentamentos, pontos de controle e punições coletivas fizeram parte desse plano, como o historiador israelense Ilan Pappé mostra em The Greatest Prison on Earth  : uma história dos territórios ocupados, um estudo detalhado da ocupação israelense.

Publicado por ocasião do 50º aniversário da guerra de 1967, o livro foi selecionado para o Palestine Book Awards 2017 , um prêmio a ser premiado pelo Middle East Monitor em Londres, em 24 de novembro. Middle East Eye perguntou a Pappé sobre seu livro e o que ele nos ensina.

Olho do Oriente Médio: como este livro se baseia em seu livro anterior, The Ethnic Cleansing of Palestine , que se concentrou na guerra de 1948?

Ilan Pappé  : Este livro é, obviamente, a continuação do meu livro anterior, Ethnic Cleansing, que descreveu os eventos de 1948. Vejo todo o projeto sionista como uma estrutura, não apenas como um único evento. Uma estrutura de colonização através da qual um movimento de colonos coloniza um país. Enquanto a colonização não for absoluta e a população indígena resistir através de um movimento de libertação nacional, cada período que estudo é apenas uma fase da mesma estrutura.

A maior prisão é um livro de história, mas esta história não acabou, ainda estamos no mesmo capítulo histórico. Além disso, provavelmente haverá um terceiro livro sobre os acontecimentos do século XXI e como a mesma ideologia da limpeza étnica e desapropriação é implementada neste novo século e a que os palestinos se opõem.

MEE: você fala sobre a limpeza étnica ocorrida em junho de 1967. O que aconteceu com os palestinos na Cisjordânia e na Faixa de Gaza? Como foi diferente da limpeza étnica da guerra de 1948?

IP  : Em 1948, o projeto era claramente expulsar o maior número possível de palestinos de toda a Palestina possível. Os colonos acreditavam que poderiam criar na Palestina um espaço judeu completamente livre de palestinos. Eles quase chegaram ao seu objetivo, como você sabe. 80% dos palestinos que viveram no que se tornou o Estado de Israel são agora refugiados.

Como mostro no livro, havia decisores políticos israelenses que pensavam que poderíamos refazer em 1967 o que fizemos em 1948. Mas a grande maioria deles sabia que a guerra de seis dias de 1967 era demais curta. Além disso, já havia televisão, e já havia refugiados a partir de 1948.

Então, acho que a estratégia escolhida não era a limpeza étnica como em 1948. Eles decidiram proceder o que eu chamaria de uma limpeza étnica progressiva. Em alguns casos, eles expulsaram multidões de pessoas como em Jericó, na cidade velha de Jerusalém e em torno de Qalqilya. Mas na maioria das vezes, eles trancaram os palestinos em sua própria terra e debaixo do manto de um regime militar estrito, com a idéia de que um cerco seria tão efetivo quanto os despejos.

De 1967 até hoje, há uma limpeza étnica muito lenta que abrange um período de 50 anos, tão lento que às vezes só pode tocar uma pessoa em um único dia. Mas se analisarmos toda a situação de 1967 a hoje, vemos que existem centenas de milhares de palestinos que não podem retornar à Cisjordânia ou à Faixa de Gaza.

MEE: você faz a diferença entre duas técnicas militares usadas por Israel: o modelo de prisão aberta na Cisjordânia e o modelo de prisão de segurança máxima na Faixa de Gaza. Como você define esses dois modelos? Os termos que você usa são os termos militares oficiais?

IP: uso esses termos como metáforas para explicar as duas formas de colonização que Israel inflige aos palestinos nos territórios ocupados. Insisto em usar esses termos porque penso que a solução de dois estados é realmente o modelo de prisão aberta.

Os israelenses controlam os territórios ocupados, direta ou indiretamente, e evitam as populações e aldeias densamente povoadas. Eles romperam a Faixa de Gaza em 2005 e continuam a separar a Cisjordânia. Existe uma Cisjordânia judaica e uma Cisjordânia palestina que já não tem coerência territorial.

Em Gaza, os israelenses são guardas da prisão que privam os palestinos de todo contato com o mundo exterior, mas que não interferem com o que fazem dentro.

A Cisjordânia é uma espécie de prisão ao ar livre para pequenos criminosos que têm o direito de trabalhar fora. E mesmo que dentro de lá não haja sérios abusos, ainda é uma prisão. O próprio presidente palestino, Mahmoud Abbas, se quiser mudar da Zona B para a Zona C, deve pedir aos israelenses que abram a barreira. E é um símbolo para mim que o presidente não pode se mudar sem que o carcereiro israelense abra sua gaiola.

Este estado de coisas, é claro, provoca reações palestinas. Os palestinos não são passivos e não aceitam a situação. Tivemos a primeira Intifada e a segunda Intifada, e talvez veremos uma terceira intifada. Os israelenses contam aos palestinos a sua lógica dos guardas da prisão: se você resistir, removeremos todos os seus privilégios, como fazemos na prisão. Você não poderá trabalhar lá fora. Você não poderá se mover livremente e você será punido coletivamente. Os guardas da prisão costumam usar a punição coletiva como retaliação.

MEE: a comunidade internacional condena a construção ou expansão de assentamentos israelenses nos territórios ocupados. Ela não os vê como uma parte essencial da estrutura colonial israelense como você no livro. Como os assentamentos israelenses começaram e seus fundamentos são racionais ou religiosos?

IP: depois de 1967, havia dois mapas de assentamentos ou colonização. Havia um mapa estratégico desenhado pela esquerda em Israel. E o pai deste cartão foi o falecido Yigal Allon, o principal estrategista que trabalhou com Moshe Dayan em 1967 em um plano de controle para a Cisjordânia e a Faixa de Gaza. Seu objetivo era estratégico, não tão ideológico, embora, em suas mentes, a Cisjordânia pertencesse a Israel.

Eles não queriam que os judeus se instalassem em áreas árabes densamente povoadas. Eles disseram que devemos nos estabelecer onde os palestinos não são muito numerosos. É por isso que eles começaram com o Vale do Jordão, porque no Vale do Jordão há pequenas aldeias, mas a população não é tão densa como em outras partes da Palestina.

Mas eles encontraram um problema: quando eles desenharam seu mapa estratégico, nasceu um novo movimento religioso messiânico. Gush Emunim, o movimento religioso nacional judeu, não queria se inspirar em seu mapa estratégico para estabelecer assentamentos. Eles queriam seguir o mapa da Bíblia. Eles pensaram que na Bíblia encontramos o local exato das antigas cidades judaicas. E de acordo com o mapa bíblico, os judeus tiveram que se instalar no meio de Nablus, Hebron e Belém, no meio dos lugares mais importantes da vida palestina.

No início, o governo israelense tentou controlar esse movimento bíblico para que ele pudesse se localizar de forma mais estratégica. Mas, de acordo com jornalistas israelenses, Shimon Peres, que era ministro da defesa no início da década de 1970, decidiu permitir os assentamentos bíblicos. Os palestinos na Cisjordânia tiveram que passar pelo estabelecimento de dois tipos de colônias, estratégicas e bíblicas.

A comunidade internacional reconhece que, de acordo com o direito internacional, independentemente de ser uma colônia estratégica ou bíblica, eles são todos ilegais.

Infelizmente, a comunidade internacional de 1967 aceitou o argumento israelense de que "os assentamentos são ilegais, mas temporários, uma vez que a paz é assegurada, asseguraremos que tudo seja legal, mas enquanto a paz não for, nós precisamos de assentamentos porque ainda estamos em guerra com os palestinos. "

MEE: Você diz que a "ocupação" não é o termo certo para descrever a realidade em Israel, na Cisjordânia e na Faixa de Gaza. E em On Palestine , uma entrevista com Noam Chomsky, você critica o termo "processo de paz". Por que esses termos não são os certos?

IP: Acho que a escolha das palavras é muito importante. A maneira como você define uma situação pode afetar sua capacidade de mudar.

As más palavras ficaram presas na situação na Cisjordânia na Faixa de Gaza e dentro de Israel. A palavra ocupação normalmente implica uma situação temporária.

A solução para a ocupação é o fim da ocupação, o exército invasor retorna ao seu país, mas não é a situação na Cisjordânia nem em Israel nem na Faixa de Gaza. O termo que melhor descreve, na minha opinião, é o da colonização, mesmo que esse termo pareça anacrônico no século XXI. Sim, Israel coloniza a Palestina. Começou a colonizá-lo no final do século 19 e ainda o coloniza hoje.

Existe um regime colonial que estabelece assentamentos e controle toda a Palestina de maneiras diferentes. Na Faixa de Gaza, ele controla de fora. Na Cisjordânia, o controle é diferente nas zonas A, B e C. A política ainda é diferente para os palestinos que vivem em campos de refugiados que Israel não permite retornar para casa. Não permitir que as pessoas despejadas voltem para suas terras é outra maneira de perpetuar a colonização. Tudo está conectado, tudo faz parte da mesma ideologia.

Então, eu acho que as palavras "processo de paz" e "ocupação" dão, quando juntadas, a falsa impressão de que a única coisa a fazer para ter paz entre Israel e o futuro da Palestina é fazer tire o exército israelita da Cisjordânia e da Faixa de Gaza.

Mas o exército israelense não está na Faixa de Gaza ou na Zona A. Também tem muito pouca presença na Zona B, onde não é necessário. Não há paz nesses lugares. A situação é ainda pior do que antes dos acordos de Oslo de 1993.

O chamado processo de paz permitiu que Israel continuasse sua colonização, mas desta vez com suporte internacional. Por isso, sugiro falar sobre descolonização, não paz. Sugiro discutir uma mudança na legislação que rege a vida de israelenses e palestinos.

Eu acho que temos que falar sobre um estado de apartheid. Devemos falar sobre limpeza étnica. Devemos encontrar o que substituir o apartheid. Temos um bom modelo com a África do Sul. A única maneira de substituir o apartheid é um sistema democrático. Uma pessoa, uma voz ou, pelo menos, um estado binacional. Eu acho que este é o vocabulário que precisa ser usado, porque se continuarmos a usar as palavras antigas, continuaremos desperdiçando nosso tempo e nossas forças sem mudar a realidade no terreno.

MEE: O que acontecerá com o governo militar israelense sobre os palestinos? Haverá um movimento de desobediência civil como o de Jerusalém em julho passado?

IP: Eu acho que haverá desobediência civil não só em Jerusalém, mas em toda a Palestina, e isso inclui os palestinos que vivem em Israel. A própria sociedade não aceitará esta situação para sempre. Não sei o que a desobediência ocorrerá. Não sabemos o que pode acontecer quando as autoridades não possuem uma estratégia clara e os indivíduos decidem realizar sua própria guerra de libertação.

O que realmente era impressionante em Jerusalém era que ninguém acreditava que a resistência popular conseguisse forçar os israelenses a cancelar as medidas de segurança que eles colocaram em Haram al-Sharif. Eu acho que isso pode ser um modelo para resistência futura. Uma resistência popular pontual, não em todos os lugares, mas onde quer que você precise.

A resistência popular nunca pára na Palestina, mesmo que a mídia não fale sobre isso. Os habitantes demonstram contra o muro do apartheid, eles protestam contra a expropriação de terras, atacam a fome porque são prisioneiros políticos. As pessoas pequenas estão lutando obstinadamente. As elites palestinas, esperam para ver a chegada.

Artigo original em inglês:  ENTREVISTA: Ilan Pappé: Como Israel transformou a Palestina na maior prisão da Terra , Oriente Médio, 24 de novembro de 2017.

Tradução: Dominique Muselet

Via Le Grand Soir

A fonte original deste artigo é Middle East Eye

Copyright © Illan Pappé e Mustafa Abu Sneineh , Oriente Médio Olho , 2017

in

 

 
17146
Loading. Please wait...

Fotos popular