Pravda.ru

Notícias » Mundo


Movimento dos Países Não-Alinhados defende sua essência antiimperialista a partir da Venezuela

24.07.2019 | Fonte de informações:

Pravda.ru

 
Movimento dos Países Não-Alinhados defende sua essência antiimperialista a partir da Venezuela. 31417.jpeg

Movimento dos Países Não-Alinhados defende sua essência antiimperialista a partir da Venezuela

 

Fidel representou o Movimento dos Países Não Alinhados em vários cenários internacionais. Cuba teve a presidência pro tempore do Mnoal de 1979 a 1983 e de 2006 a 2009. Foto: Joaquín Viñas

Cuba ratificou na Reunião Ministerial do Gabinete de Coordenação do Movimento de Países Não-Alinhados, que concluiu em Caracas no domingo 21 de julho, seu compromisso inevitável com o multilateralismo e os esforços para avançar rumo a uma ordem internacional democrática, justa e equitativa, que responda à demanda de paz e desenvolvimento sustentável de todos os povos

Por: Bertha Mojena Milián | internet@granma.cu

«O Movimento dos Países Não-Alinhados (Mnoal) conseguiu reunir um número considerável de países com diferentes matizes políticos que demonstraram a possibilidade de atuar juntos em uma série de questões importantes. Pode-se dizer que a clareza e a decisão com que este Movimento atua agora sobre os problemas econômicos que afetam o mundo subdesenvolvido dependerão, em grande parte, de seu futuro».

Com esta visão futurista definiu o Comandante-em-chefe Fidel Castro, durante a terceira Reunião Ministerial do Bureau de Coordenação dessa organização, realizada em março de 1975, em Havana, o papel principal de Mnoal.

Mais de 60 anos depois de sua fundação, Cuba ratificou na Reunião Ministerial do Gabinete de Coordenação do Movimento dos Países Não Alinhados, que concluiu em Caracas neste domingo seu compromisso inevitável com o multilateralismo e os esforços para avançar em direção a uma ordem internacional democrática, justa e equitativo que responde à demanda por paz e desenvolvimento sustentável de todos os povos; um mundo - nas palavras do ministro cubano das Relações Exteriores, Bruno Rodríguez Parrilla - que «será possível se lutarmos juntos para alcançá-lo».

«Em nível econômico, o subdesenvolvimento, a pobreza, a fome e a marginalização derivadas da injusta ordem econômica internacional em vigor foram agravados como resultado do impacto dos padrões neoliberais», descreveu Rodriguez Parrilla.

Em um cenário internacional que descreveu como «perigoso e complexo», no qual a segurança e o bem-estar de nossas nações enfrentam desafios sem precedentes e nos quais a unidade e a solidariedade para a paz e o desenvolvimento de nossos povos são indispensáveis, Mnoal deve permanecer - por decisão própria - como definido pelo líder histórico da Revolução Cubana: antiimperialista, anticolonialista, anticolonialista, antirracista, antissionista e antifascista, «porque esses princípios são parte de nossas concepções e estão na essência, a origem, a vida e a história do Movimento».

 

http://www.patrialatina.com.br/movimento-dos-paises-nao-alinhados-defende-sua-essencia-antiimperialista-a-partir-da-venezuela/

 

 
3786

Fotos popular