Pravda.ru

Notícias » Mundo


'Coturnos em solo' na Ucrânia?! Quer mesmo, embaixador Jeffrey?!

24.04.2014 | Fonte de informações:

Pravda.ru

 
'Coturnos em solo' na Ucrânia?! Quer mesmo, embaixador Jeffrey?!. 20214.jpeg

Em coluna assinada, publicada dia 15 de abril no Washington Post, o ex-embaixador e ex-vice-Conselheiro de Segurança Nacional de Bush, James Jeffrey, agora sócio do Washington Institute, prega que se enviem forças terrestres ('coturnos em solo'), soldados norte-americanos, para "resolver a crise" na Ucrânia. 


Em mais um triunfo do aventureirismo militar irrefletido, sobre algum pensamento de estadista, o embaixador Jeffrey parece supor que o Sr. Putin ficará impressionadíssimo, se se deparar com o surgimento gradual de algumas unidades terrestres armadas dos EUA na fronteira da Rússia. Simultaneamente, como também o secretário Kerry, o embaixador Jeffrey ignora a simples verdade de que o Sr. Putin está fazendo um favor ao ocidente. (...)


A boa notícia é que o Sr. Putin está criando as condições para a emergência de uma Ucrânia livre, democrática e menor, além de demograficamente mais homogênea. (...) Os ucranianos do oeste devem poder unir-se à União Europeia, se assim decidirem, sem serem obrigados a unir-se à OTAN. (...) Nenhuma dessas propostas implica confronto militar entre a Rússia e o ocidente. 


Infelizmente, em vez de procurar solução com a qual o povo da região possa viver, o embaixador Jeffrey quer aumentar as tensões. A ideia do embaixador, de que soldados norte-americanos "resolverão" a crise é pior que ingênua. A recomendação de Jeffrey é perigosa e temerária.


A menos que os EUA pudessem mandar 150 mil soldados, pelo menos 50 mil nos primeiros 30 dias, o que Jeffrey sugere é receita de desastre. Sem essa força-núcleo, alemães, poloneses, lituanos, latvianos, estonianos, eslovacos e húngaros não têm nem esperança de reunir número equivalente de soldados. Mais importante: a força norte-americana teria de ser pesadamente blindada e incluir quantidade substancial de artilharia de foguetes, unidades de mísseis de defesa aérea, além de elementos de logística. 


Evidentemente, o embaixador não sabe que já não existe, nos EUA, tamanha força de ataque por terra. 
Graças aos últimos 12 anos de lideranças políticas e militares soberbamente incapazes, os soldados e 'coturnos em terra' com que os EUA contavam foram desperdiçados no Iraque e no Afeganistão. Hoje, as forças recrutadas para o exército terrestre, como também a infantaria leve do Exército e da Marinha, são absolutamente incapazes de fazer frente às forças terrestres russas, em nenhum ponto da Europa Central ou do Leste, sem se exporem à aniquilação certa.  


Quanto à suposta superioridade convencional dos EUA, que o mundo vê policiar árabes e afegãos, mas sem infantaria, sem força aérea, sem defesas aéreas e sem mísseis, não é exatamente o que os russos entendem por "superioridade militar".Se o 'aconselhamento' do embaixador Jeffrey é o melhor que o Departamento de Estado consegue produzir, os EUA estão em situação muito problemática. Lideranças políticas e militares como o embaixador Jeffrey, que se voltam para o poder militar em busca de "soluções", sempre contam com que os militares trabalham rápido e bem. Mas nunca se lembram de oferecer respostas realistas às questões de objetivo estratégico, método e estado final, antes e durante as operações militares. 


Nesse caso, o embaixador Jeffrey quer usar soldados norte-americanos que não existem, onde eles não são necessários. Pior que isso: o embaixador não sabe que o Exército e a Marinha dos EUA já não têm as capacidades de combate que teria de ter se Washington tivesse de fazer o que o embaixador sugere. 
Boa estratégia militar consiste em saber quando usar poder militar e quando não usar poder militar. Infelizmente, o embaixador Jeffrey é exemplo do problema que aflige o pensamento dos políticos: as decisões nacionais nos EUA são mais frequentemente modeladas pela capacidade militar para agir (que já não há), que pela necessidade estratégica de agir (da qual ninguém ouve falar).*******

________________________________________* O coronel (aposentado) Douglas Macgregor é veterano condecorado da Guerra do Vietnã, pós-graduado e autor de cinco livros, o mais recente dos quais é Warrior's Rage: The Great Tank Battle of 73 Easting. * Quem não vir a imagem aqui, pode vê-la no Washington Post, em http://goo.gl/bdEiQf  [NTs].
18-20/4/2014,  Coronel Douglas Macgregor, Counterpunchhttp://www.counterpunch.org/2014/04/18/ground-troops-to-ukraine-really-mr-ambassador/

 
5425
Loading. Please wait...

Fotos popular