Pravda.ru

Notícias » Mundo


O mercado dá, o mercado tira

17.05.2013 | Fonte de informações:

Pravda.ru

 
O mercado dá, o mercado tira. 18228.jpeg

Instituições financeiras reconhecem que a austeridade fracassou

 por Ken Klippenstein [*]

A primeira parte de 2013 tem sido uma espécie de período confessional para a classe dos gestores económicos. O conselheiro económico do FMI, Olivier Blanchard, admitiu que "os responsáveis pelas previsões subestimaram significativamente o aumento do desemprego e a queda da procura interna associada à consolidação fiscal". ('Consolidação fiscal' é uma forma delicada de dizer 'austeridade'). O secretário do Tesouro dos EUA, Jack Lew, reconheceu que "é preciso concentrar-se no impacto sobre o desemprego" das políticas de austeridade; e também, que "não podemos estar num mundo em que a austeridade apenas leva a mais austeridade"; e por fim, que "na realidade, a pressa em fazer toda a etapa inicial [austeridade] tem tornado mais difícil o problema nalguns países". Até sugeriu que "os europeus também precisam de ver o que podem fazer para gerar mais procura na sua economia".

A directora-geral do FMI, Christine Lagarde, confessou que "não vemos a necessidade de dar prioridade a uma pesada consolidação da reforma fiscal conforme estava planeado inicialmente"; e "a melhor forma de criar empregos é através do crescimento". O Comissário dos Assuntos Económicos e Monetários da UE, Olli Rehn disse que os recentes apelos do FMI e dos EUA para uma menor austeridade "estão a ser pregados aos convertidos".

Entretanto, Carmen Reinhart e Kenneth Rogoff, os economistas de Harvard responsáveis por um dos estudos mais influentes usados para defender a austeridade, reconheceram que "a austeridade não é a única resposta a um problema de endividamento". Isto, depois de três economistas da Universidade de Massachusetts os terem acusado de "exclusão selectiva" de dados. Reinhart e Rogoff vieram a reconhecer que os seus críticos "identificaram correctamente um erro de código da folha de cálculo". Na minha opinião, está a ser ignorado o erro mais flagrante deles: o fracasso em reconhecer que a austeridade não funcionou durante a Grande Depressão e não vai funcionar agora, durante a Grande Recessão. Qualquer um pode fazer um erro numa folha de cálculo. É preciso um professor de Harvard para se esquecer da história básica.

Não tem um interesse especial que gestores doutrinários como Reinhart e Rogoff alterem as suas posições. A capacidade de dar a volta e mudar de uma convicção ideológica para a convicção oposta, como uma criança da escola a fazer um teste de alternativas, é provavelmente o principal dever do gestor ideológico. Os que se vão abaixo por exaustão são eliminados muito antes de chegarem a chefes do FMI. O que é mais interessante é saber porque é que o treinador está agora a dirigi-los para a direcção oposta.

Na correspondência que tive com o economista Jack Rasmus, ele explicou a reviravolta da classe gestora económica:

Primeiro, pode assinalar uma mudança futura para cortes fiscais aos empresários/investidores como um 'estímulo' preferencial (o que também não funciona). No entanto, como os cortes fiscais vão aumentar o défice, é preciso justificar um aumento no défice se forem avançar com os cortes fiscais. Assim, primeiro é necessário o ataque à 'austeridade' (o contrário do estímulo), não tão produtivo como inicialmente julgavam. Por outro lado, é importante assinalar que a mudança para o 'estímulo' não significa uma mudança dos cortes nas despesas sociais; significa uma mudança para mais défice através dos cortes fiscais empresariais.

Em segundo lugar, o abandono da austeridade pode representar um prelúdio para uma dependência ainda maior da política monetária. Que o banco central aguente toda a carga (e culpas) e assuma mais visivelmente as responsabilidades dos políticos pela austeridade nos cortes das despesas. A política monetária (i.e. o aumento da liquidez nos bancos, nos investidores e nos negócios) por sua vez tem dois objectivos principais. Um: reforçar os mercados de acções e de garantias financeiras e garantir mais lucros aos especuladores, e, segundo, baixar o valor de câmbio da sua divisa para permitir a competição com outros centros de divisas... Um sinal seguro de que os políticos capitalistas estão a ficar mais desesperados e a tentar crescer mendigando aos seus competidores. São desvalorizações competitivas - não por moeda fiduciária como nos anos 30 - mas pela liquidez - manipulação da taxa de câmbio.

Qualquer que seja o caso, a inflexão ideológica actual das instituições financeiras deve provavelmente ser olhada com suspeita. É uma inflexão demasiado acentuada para indicar qualquer tipo de mudança honesta no pensamento.

As soluções que os gestores económicos estão a defender demonstram um ponto útil. Exigem simultaneamente um estímulo e uma redução do défice. Conforme adiantou o secretário do Tesouro, Jack Lew, "Não podemos escolher entre crescimento e criação de empregos e pôr a nossa casa fiscal em ordem", É como uma criança que quer ficar acordada toda a noite e ter uma boa noite de sono: uma das escolhas nega a outra. Estes exercícios mentais em auto-contradição ilustram ainda melhor a forma como a elite tem que aceitar opiniões mutuamente contraditórias. Orwell chamava a isto "duplipensar".

Actualmente chamamos-lhe coisas como 'matiz'. Exemplo: Reinhart e Rogoff disseram que "o recente debate sobre a economia global assumiu uma forma desesperadamente simplista", significando que a austeridade está finalmente a ser rejeitada firmemente. Nos círculos da elite, as explicações 'simplistas' são todas aquelas que envolvem verdades elementares: que um estímulo autêntico aumenta o défice, tal como acontece com os cortes fiscais empresariais; que a privatização torna as coisas irresponsáveis perante o público; que a recuperação da classe média e baixa exige a tributação da classe alta. (Estes factos simples são incompreensíveis para a elite porque sugerem um mundo em que a riqueza extrema provoca mais injustiça do que erradica). Os derivativos e os swaps de incumprimento de crédito, por outro lado, são instrumentos 'matizados' que qualquer um sem um grau avançado em finanças se deve abster de comentar.

Uma consequência desta tendência para os 'matizes' é o tom especialmente místico que a profissão dos economistas assumiu. Por exemplo, a opinião de que o ciclo de negócios nos irá devolver inevitavelmente a prosperidade, e de que os maus tempos actuais são apenas uma espécie de azar aleatório. Recordo um amigo meu na universidade que observava que tinha planeado entrar num programa PhD com a esperança de nele "aguardar o fim da recessão" como se isso fosse um feitiço da chuva ou qualquer acto de deus. O mercado dá e o mercado tira. Sugerir qualquer tipo de acção humana por detrás destes maus tempos - nomeadamente, uma relação entre a riqueza e a pobreza - é cometer o terrível erro de considerar a economia como um jogo de soma zero. Claro que isso é uma falácia, porque a economia é um processo mágico pelo qual a riqueza concentrada difunde simultaneamente a sua riqueza (i.e. teoria do gotejamento).

[*] Reside em Madison, Wisconsin, onde publica o sitio web whiterosereaderorg.com . Pode ser contactado em reader246@gmail.com 

O original encontra-se em www.counterpunch.org/2013/05/07/financial-institutions-admit-austerity-failed/ . Tradução de Margarida Ferreira.

Este artigo encontra-se em http://resistir.info

http://www.patrialatina.com.br/editorias.php?idprog=570badcfe14697bf2a244e2e25b93e59&cod=11486

 
9062
Loading. Please wait...

Fotos popular