Pravda.ru

Notícias » Mundo


Colômbia: 50 lideranças foram mortas em 90 dias de governo Santos

15.11.2010 | Fonte de informações:

Pravda.ru

 

O Partido Polo Democrático Alternativo (PDA) denunciou na quarta-feira (10) que ao menos 50 líderes políticos e sociais foram assassinados na Colômbia nos 90 primeiros dias do governo do presidente Juan Manuel Santos, sucessor do ultradireitista Álvaro Uribe. Segundo a legenda, as mortes são consequência da crise humanitária que vive a nação sul-americana.

A presidente do PDA, Clara Lopes, disse em comunicado apresentado ao Comitê Executivo Nacional (CEN) que as vítimas são políticos de esquerda, sindicalistas, dirigentes sociais, camponeses, indígenas e jovens, assim como defensores dos direitos humanos para a população homossexual e crianças. "Trata-se de uma crise humanitária com números verificáveis e casos constatados."

De acordo com Clara, o PDA observa com preocupação esse "fenômeno de ameaças e assassinatos", além de propor a fazer "um seguimento detalhado" sobre "a população vulnerável que não conta com as garantias suficientes por parte do Estado para proteger suas vidas". Clara enfatizou que a Colômbia "vem sendo vítima de um plano de extermínio" contra os setores sociais e a população vulnerável, "sem que a cúpula do governo reaja" para dar "as suficientes garantias a vida, honra e bens das vítimas".

Na última sexta, Elizabeth Silva Aguilar, presidente da Associação dos Sem-Teto e Refugiados de Bucaramanga, noroeste da Colômbia, foi assassinada por desconhecidos que invadiram sua casa em um bairro dessa cidade, informou o PDA, que assegurou que esse assassinato foi cometido por "paramilitares supostamente não mobilizados". Para o PDA, "é um assassinato a mais que se soma a cadeia de crime e intimidações contra essa comunidade".

Representantes de organizações de refugiados denunciaram que, nos últimos seis meses, ao menos cem líderes de direitos humanos foram assassinados na Colômbia. A guerra "se mantém sobre todo o sul da Colômbia". Segundo o integrante da Associação de Afrocolombianos Desplazados (Afrodes), Roseliano Riascos, "primeiro chegaram panfletos ameaçadores e logo se deram os assassinatos".

Riascos enfatizou que "a nova estratégia contra os líderes dos refugiados já não são massacres - e, sim, mortes seletivas e desapropriações". Segundo a Consultoria para os Direitos Humanos e o Refúgio, desde de 2002 há registro de assassinatos de líderes refugiados na Colômbia.

A ONG colombiana Codhes afirmou nesta terça que 3,7 milhões de pessoas foram vítimas de refúgios forçados, consequência do conflito armado que assola a Colômbia há cinco décadas, transformando-a na nação com maior número de refugiados do mundo.

Outra Colômbia é possível...!!

 

 
3356
Loading. Please wait...

Fotos popular