Pravda.ru

Notícias » Mundo


Alienação à moda dos Estados Unidos

12.10.2012 | Fonte de informações:

Pravda.ru

 
Alienação à moda dos Estados Unidos. 17403.jpeg

Em novo episódio do ataque à democracia, eleições norte-americanas escondem da sociedade exatamente o que ele mais precisaria saber.

Por Noam Chomsky

Nossos políticos mostram uma estraordinária vontade de sacrificar as vidas de nossos filhos e netos por ganhos a curto prazo. No momento em que as eleições para a Presidência chegam ao momento decisivo, é útil indagar como as campanhas políticas estão lidando com os temas mais cruciais que enfrentamos. A resposta é: ou muito mal, ou simplesmente não tratam destes assuntos. Sendo assim, surgem algumas questões importantes: por que? E o que podemos fazer em relação a isso?

Existem dois problemas de importância fundamental, porque o destino da espécie está em jogo: o desastre ambiental e a guerra nuclear. O primeiro está regularmente nas primeiras páginas. Em 19 de setembro, por exemplo, Justin Gillis escreveu uma reportagem para o New York Times sobre como o derretimento do gelo do Oceano Ártico cessou por esse ano, "mas não sem antes derrubar seu recorde anterior - desencadeando novas preocupações sobre o ritmo acelerado nas mudanças da região." O derretimento está se dando de modo muito mais rápido do que era previsto por modelos matemáticos sofisticados e pelos últimos relatórios da ONU sobre o aquecimento global.

Novos dados indicam que o gelo deve desaparecer durante o verão até 2020, com consequências severas. Pesquisas estimam que o gelo desaparecerá completamente por volta do ano 2050. "Mas os governos não responderam à mudança com a urgência necessária para limitar as emissões de efeito estufa," escreve Gillis. "Ao contrário, sua resposta principal tem sido planejar a exploração dos agora acessíveis minerais do Ártico, incluindo a extração de mais petróleo" - isso é, acelerando a catástrofe. A reação demonstra, novamente, uma extraordinária vontade de sacrificar vidas das nossos filhos e netos pelo curto prazo.

Ou, talvez, uma vontade igualmente notável de fechar nossos olhos, para que não vejamos o perigo iminente. Não é só. Um novo estudo do Monitor da Vulnerabilidade Climática verificou que "as mudanças climáticas provocadas pelo aquecimento global estão reduzindo a produção econômica mundial em 1,6% ao ano, e provocarão a duplicação de certos custos estratégicos nas próximas duas décadas". O estudo foi amplamente divulgado em outros países, mas os norte-americanos foram poupados de tais notícias perturbadoras. As plataformas dos partidos Democrata e Republicano sobre assuntos climáticos foram analisadas na edição de 14 de setembro da revista Science.

Num caso raro de ação comum, os dois partidos propõem que tornemos o problema mais grave. Em 2008, ambas as plataformas dedicavam alguma atenção às políticas do governo diante da mudança climática. Agora, o tema quase desapareceu da plataforma republicana - que, no entanto, pede que o Congresso "aja rapidamente" para evitar que a Agência de Proteção Ambiental (EPA, em inglês) - criada pelo ex-presidente republicano Richard Nixon em dias mais sãos - regule a emissão de gases do efeito-estufa. E devemos abrir o Refúgio Ártico do Alaska à perfuração, para tirar "vantagem de todos os recursos que Deus ofereceu aos americanos". Não podemos desobedecer o Senhor, afinal de contas. A plataforma também sustenta que "devemos restaurar a integridade científica de nossas instituições de pesquisa e eliminar incentivos políticos relacionados à pesquisa desenvolvida com recursos públicos" - um código para referir-se à ciência do Clima.

Tentando escapar do estigma de ter se preocupado com mudança climática há alguns anos, Mitt Rommey, o candidato republicano, declarou que não há consenso científico sobre o tema. Portanto, deveríamos apoiar mais debate e investigações - mas não ações, exceto as que tornam o problema mais sério. Os democratas mencionam, em sua plataforma, que há um problema, e recomendam trabalharmos "em direção a um acordo para definir limites às emissões, com outras potências emergentes".

Porém, o presidente Barack Obama enfatizou que os EUA devem conquistar cem anos de independência energética empregando extração por fratura hidráulica (fracking) e outras tecnologias - sem se perguntar o que este tipo de prática provocará no planeta, em cem anos. Há, portanto, diferenças entre os dois partidos: dizem respeito a quão entusiasticamente os ratos devem marchar até o abismo. Um segundo grande tema, a guerra nuclear, também está nas primeiras páginas todos os dias, mas de uma forma que escandalizaria um marciano observando fatos estranhos na Terra.

A ameaça atual está, de novo, no Oriente Médio, especificamente no Irã - ao menos segundo o Ocidente. No próprio Oriente Médios, os EUA e Israel são considerados ameaças muito maiores. Ao contrário do Irã, Israel recusa-se a permitir inspeções ou a assinar o Tratado de Não-Proliferação Nuclear (TNP). Possui centenas de ogivas nucleares e sistemas avançados de mísseis, além de uma longa história de violência, agressão e desrespeito ao direito internacional, graças a apoio norte-americano incessante. Se o Irã está tentando desenvolver armas nucleares, os serviços de inteligência dos EUA não sabem. Em seu último relatório, a Agência Internacional de Energia Atômica afirma que não pode demonstrar "a ausência de material e atividades nucleares não-declaradas no Irã" - um rodeio em que a instituição condena o país, como Washington exige, ao mesmo tempo em que reconhece não poder acrescentar nada às conclusões da inteligência norte-americana.

Portanto, deve-se negar ao Irã o direito de enriquecer urânio, que é assegurado pelo TNP e endossado pela maior parte do mundo - inclusive o movimento dos países não-alinhados, que acabam de se reunir em Teerã. A possibilidade de que o Irã desenvolva armas nucleares sobressai na campanha eleitoral (o fato de Israel já tê-las, não...). Duas posições se contrapõem. Os Estados Unidos deveriam declarar que atacarão, caso o Irã alcance capacidade de desenvolver armas nucleares, como dezenas de outros países? Ou Washington deveria manter a "linha vermelha" mais indefinida? A segunda posição e a da Casa Branca; a primeira é exigida pelos falcões israelenses - e aceita pelo Congresso norte-americano.

O Senado acaba de votar, por 90 x 1, em favor do apoio a Israel. Está ausente do debate a alternativa óbvia para mitigar ou eliminar qualquer ameaça que o Irã possa representar. Basta estabelecer uma zona livre de armas nucleares no Oriente Médio. A oportunidade está ao alcance da mão: uma conferência internacional sobre o tema irá se reunir em alguns meses para trabalhar por este objetivo, apoiado no mundo todo - inclusive, por uma maioria de israelenses. O governo de Telaviv, no entanto, anunciou que não participará, até que haja uma acordo de paz na região, algo inatingível enquanto Israel persistir em suas atividades ilegais nos territórios ocupados da Palestina. Washington aferra-se à mesma posição, e insiste que Israel deve ser excluído de tal acordo regional.

Podemos estar caminhando para uma guerra devastadora, talvez nuclear. Há caminhos diretos de superar esta ameaça, mas não serão adotados exceto se houver ativismo social em larga escala, exigindo que se aproveite a oportunidade. Isso, no entanto, é muito improvável, enquanto tais temas permanecerem fora da agenda - não só a do circo eleitoral mas também a da mídia e do debate nacional mais amplo. As eleições são feitas pela indústria de relaç?os públicas, cujo principal afazer é a publicidade comercial. É concebida para subverter os mercados, criando consumidores desinformados que tomam decisões irracionais - o oposto exato de como se supõe que os mercados funcionariam. As vítimas, porém, não estão obrigadas a obedecer. A passividade costuma ser o caminho mais fácil - porém, quase nunca, o honroso.

Fonte: Blog Outras Palavras. Tradução: Gabriela Leite e Antonio Martins

 

http://www.patrialatina.com.br/

 
9880
Loading. Please wait...

Fotos popular