Pravda.ru

Notícias » Mundo


O Sahara Ocidental deve ser descolonizado agora

12.07.2020 | Fonte de informações:

Pravda.ru

 
O Sahara Ocidental deve ser descolonizado agora. 33592.jpeg

O Sahara Ocidental deve ser descolonizado agora

Luis Portillo Pasqual del Riquelme (*)

 

O secretário-geral da ONU, António Guterres, pediu a erradicação do colonialismo "de uma vez por todas". No seu discurso por ocasião da abertura da sessão de 2020 do Comité Especial de Descolonização da ONU, a 21 de fevereiro, Guterres lembrou que 17 Territórios Não Autónomos (TNA's), ou seja, "territórios cujos povos ainda não alcançaram uma medida completa. de autogoverno ", conforme definido no Capítulo XI da Carta das Nações Unidas (Declaração sobre Territórios Não Autónomos), aguardam descolonização.

No âmbito da nova ordem mundial estabelecida após a Segunda Guerra Mundial, a Assembleia Geral da ONU incluiu na sua resolução 66 (I) de 14 de dezembro de 1946 uma lista de 74 territórios aos quais se aplicava o mencionado Capítulo XI da Carta; em 1960, adotou a "Declaração sobre a concessão da independência a países e povos coloniais" (resolução 1514 (XV)); e em 1961, estabeleceu um Comitê Especial de 17 membros - ampliado para 24 em 1962 - para examinar e fazer recomendações sobre a implementação da mencionada Declaração sobre descolonização. O nome completo desse órgão é o "Comité Especial sobre a Situação da Implementação da Declaração sobre a Concessão de Independência a Países e Povos Coloniais" (vulgarmente conhecido como Comité dos 24, C-24 ou Comitê Especial para a Descolonização). Em 1963, o Comité adicionou o Sahara Ocidental à lista de TNAs (A / 5446 / Rev.1, anexo I). Como resultado do processo de descolonização, a maioria desses territórios - países já independentes ou que mudaram de estatuto - foi removida da lista. Até hoje, o Comité Especial continua a manter os 17 TNAs acima mencionados no programa de descolonização.

O Comité  reúne anualmente para revisar e atualizar a lista de Territórios Não Autónomos cobertos pela mencionada resolução 1514 (XV); ouve declarações de representantes nomeados e eleitos dos Territórios Não Autónomos, bem como de peticionários; envia missões de visita a esses territórios; organiza seminários sobre a situação política, social, económica e educacional nesses territórios; faz recomendações com relação à disseminação de informações para mobilizar a opinião pública em apoio ao processo de descolonização; e comemora a Semana Internacional da Solidariedade com os Povos dos Territórios Não Autónomos (resolução 54/91, de 24 de janeiro de 2000).

O Sahara Ocidental é o único TNA restante na lista acima mencionada em 1963 (os outros 16 foram em 1946); é também o primeiro da lista e o único pendente de descolonização em África; e também é de longe o maior e mais populoso de todos.

Após a assinatura dos Acordos de Madrid (14 de novembro de 1975) e o abandono definitivo do Território, o Representante Permanente de Espanha nas Nações Unidas informou o Secretário-Geral a 26 de fevereiro de 1976 de que, nessa data, o Governo espanhol terminara definitivamente a sua presença. no território do Sahara e considerou necessário registrar que a Espanha se considerava isenta de qualquer responsabilidade de carácter internacional em relação à administração desse território, deixando de participar da administração temporária estabelecida para ele ( A / 31 / 56-5 / 11997), com base nos acordos mencionados. Dessa forma, a Espanha se dissociou unilateralmente das suas obrigações para com a comunidade internacional e com o povo saharaui, teoricamente sob sua proteção (Joaquín Portillo, "Los saharauis y el Sáhara Occidental. De los orígenes al 2018", "Saharauis e o Sahara Ocidental. Das origens a 2018", Círculo Rojo, 2019).

Devido à sua natureza, conteúdo e propósitos, os "Acordos Tripartidos de Madrid'" constituíam uma flagrante violação de um princípio fundamental da Carta da ONU: o direito à autodeterminação dos povos. A então OUA (agora União Africana, UA), ao admitir a República Árabe Saharaui Democrática (RASD) como Estado membro em 1984, negou valor jurídico e político a esses Acordos (Ahmed Boukhari, "As dimensões internacionais do conflito no Sahara Ocidental e as suas repercussões para uma alternativa marroquina ", Real Instituto Elcano, DT 19/04/2004).

Em 1975, o Tribunal Internacional de Justiça em Haia já havia ditado que nem Marrocos nem a Mauritânia tinham qualquer título de soberania sobre o território do Sahara Ocidental (parecer consultivo de 16 de outubro de 1975). E a Assembleia Geral da ONU reafirmou que a questão do Sahara Ocidental é um problema de descolonização que deve ser resolvido com base no exercício pelo povo do Sahara Ocidental do seu direito inalienável à autodeterminação e à independência (Carlos Ruiz Miguel et al., "El Sahara Occidental. Prontuario Jurídico. 15 declarações básicas sobre o conflito", "Sahara Ocidental. Pronunciamento jurídico. 15 declarações básicas sobre o conflito", Andavira, 2ª edição, 2019). A Resolução 3437 (1979) da Assembleia Geral pede que Marrocos "termina a sua ocupação militar do Sahara Ocidental e que negoceie com a Frente Polisario, como representante legítimo do povo saharaui, os termos de um cessar-fogo e as modalidades de um referendo sobre a autodeterminação". No seu relatório de outubro de 2004, o então Secretário Geral da ONU , o  general Kofi Annan, destacou que "a opção de independência já havia sido aceite por Marrocos no Plano de Liquidação".

E uma decisão específica sobre o Sahara Ocidental, enviada pelo subsecretário-geral da ONU para Assuntos Jurídicos e Assessoria Jurídica, Hans Corell, ao presidente do Conselho de Segurança em 2002, deixei isso muito claro:

"Os acordos de Madrid não transferiram a soberania do Sahara Ocidental nem concederam a nenhum dos signatários o estatuto de poder administrativo, um estatuto que  Espanha não pode transferir unilateralmente". (Resolução S / 2002/161 do Departamento Jurídico das Nações Unidas).

Em outubro de 2012, o Relatório do Departamento de Estado dos EUA ao Congresso sublinhou que "Marrocos reivindica soberania sobre o Sahara Ocidental, uma posição que não é aceite pela comunidade internacional". Vai ainda mais longe ao afirmar que Marrocos não é considerado pela ONU como o poder administrativo de jure do território ". (De facto, é a Espanha, mesmo que os seus governantes pretendam continuar a fugir dessa verdade) (Bukhari Ahmed," Sahara Occidental : dos propuestas de solución ", "Sahara Ocidental: duas propostas de solução",  El País, 26/10/2012).

Para não aborrecer o leitor, simplesmente mencionamos também os acórdãos de 2016 e 2018 do Tribunal de Justiça Europeu (TJE), que afirmam claramente que Marrocos e o Sahara Ocidental são "dois territórios separados e distintos".

Na abertura da sessão de 2020 citada no início, o Secretário-Geral da ONU reiterou o seu compromisso com o Comité de Descolonização, lembrando que ele próprio tinha nascido em Portugal sob um regime ditatorial que denegriu publicamente esse Comité e oprimiu o povo português e as suas colónias.  "Então, para mim, é algo muito emocional", admitiu. Guterres destacou que a Revolução dos Cravos alcançou o fim da ditadura em 1974, mas que isso só foi possível graças à luta realizada pelos movimentos de libertação nas colónias - Angola, Guiné, Moçambique, Timor - que levou os militares portugueses a entender que o colonialismo a guerra era sem sentido e que precisava terminar. Isso foi alcançado graças à Revolução dos Cravos, "que levou à democracia no meu país e à independência das antigas colónias portuguesas", enfatizou.

Após a intervenção do Secretário-Geral, a Representante Permanente de Granada nas Nações Unidas, Keisha Aniya McGuire - que foi reeleita Presidente da actual sessão do Comité - concordou com Guterres que a agenda de descolonização não está num impasse, mas está a avançar e que "é a nossa missão e responsabilidade alcançar progressos significativos da maneira mais eficiente possível e com a colaboração de todos os envolvidos. De facto, em setembro próximo, outro TNA, a Nova Caledónia, realizará o seu segundo referendo sobre independência, após o primeiro. em 2018."

É claro que a descolonização representa um dos capítulos mais relevantes nos quase 75 anos de vida das Nações Unidas, tendo o mencionado Comité de Descolonização desempenhado um papel fundamental. Passar de 74 para 17 TNA's é uma conquista da qual "todos podemos ter orgulho", disse Guterres. "No entanto", acrescentou, "não devemos esquecer que os povos desses 17 territórios ainda estão a aguardar o cumprimento da promessa de autonomia" e lembrou que 2020 marca o último ano da Terceira Década Internacional para a Erradicação do Colonialismo, um marco relevante que deve servir para pôr fim a essas situações coloniais. O Secretário-Geral concluiu o seu discurso aos membros do Comité, assegurando-lhes: "Estarei ao vosso lado enquanto vocês dão um empurrão para erradicar o colonialismo de uma vez por todas".

Dezoito anos passaram desde que o antigo TNA de Timor-Leste concluiu o seu processo de descolonização em 2002 e se tornou um país livre e independente. Timor-Leste era um caso contemporâneo e muito semelhante ao do Sahara Ocidental. O território da atual República Democrática de Timor-Leste foi colonizado por Portugal no século XVI ("Timor Português"). Após a Revolução dos Cravos, a colónia declarou a sua independência em dezembro de 1975, mas alguns dias depois - seguindo o "exemplo" de Marrocos no então Sahara espanhol - foi invadida e ocupada por tropas da vizinha Indonésia, que fez do território timorense a sua 27ª província. No entanto, a pressão internacional e um poderoso movimento da sociedade civil conseguiram envolver seriamente o governo português e, com a mediação da ONU, o referendo sobre autodeterminação foi finalmente realizado, no qual o povo timorense escolheu a independência.

Nada obriga a Espanha democrática de hoje, um estado social governado pelo Estado de Direito, a assumir o pesado fardo herdado do último governo da ditadura de Franco, os ignominiosos Acordos Tripartidos, que são ilegais e ilegítimos, como reconhecido pelo próprio Felipe Gonzalez - então Secretário-Geral do PSOE - no seu discurso nos campos de refugiados saharauis em Tindouf, a 14 de novembro de 1976, primeiro aniversário da assinatura dos Acordos de Madrid.

A causa saharaui, justa e legítima, é uma questão pendente na nossa transição para a democracia, como tem sido a exumação do ditador Francisco Franco do "Vale dos Caídos". Até ao momento, e depois das palavras pronunciadas pelo próprio Secretário Geral da ONU, não podemos continuar a fazer ouvidos surdos e a olhar para o outro lado.

Seria desejável, portanto, que a Espanha, como Portugal fez no caso de Timor-Leste, fizesse o mesmo no caso do Sahara Ocidental - a nossa antiga 'Província 53' - honrando assim as suas responsabilidades históricas e pondo fim à enorme injustiça cometida contra o povo saharaui. Agora é hora de descolonizar, como já foi declarado por aqueles que têm maior competência para fazê-lo, o Secretário-Geral da ONU, assim como, há algum tempo, Hans CorellFrank RuddyStephen Zunes, George McGovern, Toby Shelley, John Bolton, James Baker, Jacob MundyThabo Mbeki, Thomas M. Franck, Xavier Dupret e muitos outros.[[1]] E, acima de tudo, como o povo saharaui sofredor, que tem o direito internacional do seu lado, está a exigir, pacifica mas insistentemente.

 

(*) Doutor em Ciências Econômicas, ex-professor de Economia Internacional na Universidade Autônoma de Madri. Ex-editor-chefe do Boletim Económico da ICE e ex-chefe de Estudos Econômicos e Pesquisa em Información Comercial Española. Revista de Economía. Autor de ¿Alimentos para la Paz? La "ayuda" de Estados Unidos (IEPALA, Madrid, 1987).

Traduzido por Isabel Lourenço

  

By Zarateman - Own work, CC0, https://commons.wikimedia.org/w/index.php?curid=8738333

 


[1] Pedro Pinto Leite, professor da Universidade de Lisboa e secretário-geral da Plataforma Internacional de Juristas para Timor-Leste (IPJET), também aponta outra série de personalidades relevantes que defendem a justa causa dos saharauis: professores de Direito Internacional com mérito reconhecido, como o americano Roger Clark, o finlandês Lauri Hannikainen, o português Rui Moura Ramos, Paula Escarameia e José Manuel Pureza, o sueco Pål Wrange, o holandês Karin Arts e Marcel Brus, o irlandês Clyve Symmons, os irlandeses Clyve Symmons, os belgas Eric David, Paulette Pierson-Mathy e Vincent Chapaux, alemão Manfred Hinz, espanhol Carlos Ruiz Miguel, Jaume Saura Estapà e Juan Soroeta, inglesa Christine Chinkin e muitos outros (ver, por exemplo, Chapaux, Vincent et al., "International law and the question of Western Sahara", IPJET, Porto, 2009).

https://www.agoravox.fr/actualites/economie/article/le-point-sur-la-spoliation-224521

 

 

 
17233

Fotos popular