Pravda.ru

Notícias » Mundo


Tailândia: intromissão descabida dos EUA na Ásia

10.02.2015 | Fonte de informações:

Pravda.ru

 
Tailândia: intromissão descabida dos EUA na Ásia. 21607.jpeg

Tailândia: intromissão descabida dos EUA na Ásia 
4/2/2015, Tony Cartalucci,[1] New Eastern OutlookNEO
http://journal-neo.org/2015/02/04/us-meddling-in-asia-backfiring/


Entreouvido na Vila Vudu:

A situação na Tailândia (que é monarquia constitucional, com Parlamento eleito) é bem semelhante à do Brasil em alguns aspectos cruciais: um governo 'amigo de Washington' [o governo dos irmãos Shinawatra, lá; e o governo da gangue neoliberal do PSDB-DEM de FHC-Serra-Aécim, aqui] foi tirado do poder [lá, por movimento popular apoiado pelo exército; aqui, em eleições que elegeram presidentes populares progressistas]. 

Tanto na Tailândia como no Brasil, a vontade popular pôs no poder governos que NÃO SÃO os 'amiguinhos' com que Washington sonha

Por isso, esses governos, lá como cá, enfrentam todos os tipos de golpismos & falcatruas coordenados pela CIA-EUA, sempre interessados em conseguir 'mudança de regime' que ponha no governo grupos favoráveis a Washington e Wall Street governarem o Brasil, a Tailândia, a Síria, a Ucrânia, a Venezuela, a Rússia, a Grécia, a Argentina, o Equador, a Bolívia, etc. etc. etc. 
- E a imprensa-empresa noticia os golpismos como se fossem alguma 'normalidade' democrática.

A verdade é que é praticamente IMPOSSÍVEL que uma pessoa bem informada sobre a Tailândia e os golpes da CIA por lá consiga engolir a 'narrativa' fantasiosa de UOL News, por exemplo, que acompanha o catecismo de Washington, segundo o qual Shinawatra e sua irmã seriam "governo democrático eleito". Segundo esse 'jornalismo', "manifestantes pró-democracia" seriam só a dúzia e meia de 'cidadãos' que apoiam a gangue dos Shinawatra. 

É como 'noticiar' que "manifestantes pró-democracia", no Brasil, seriam exclusivamente a meia dúzia de 'democratas' do Instituto Milênio, da Opus Dei  e do Instituto Fernando Henrique Cardoso, todos eles dedicados a derrubar governos eleitos, golpistas cujos 'movimentos' são sempre 'noticiados' com destaque no 'noticiário' [só rindo] de veículos das empresas de imprensa paulistas.

************************************


Comentários distribuídos na esteira da derrubada do regime serviçal que os EUA mantinham na Tailândia alienam ainda mais a superpotência em declínio.

Primeiro em Hong Kong, agora na Tailândia, estão em absoluto curto circuito os planos dos EUA para instalar regimes fantoches e assim tentar manter ou ampliar a hegemonia norte-americana na região do Pacífico asiático.

A mais recente grande confusão começou depois que o secretário-assistente de estado dos EUA para Assuntos do Leste da Ásia e Pacífico, Daniel Russel, fez comentários em que condenou a recente deposição, e depois o impeachment, da ex-primeira-ministra tailandesa Yingluck Shinawatra, acusada de envolvimento em longa lista de atos de corrupção e de abuso de poder.

Conforme transcrição oficial, pelo Departamento de Estado dos EUA, do discurso que fez na Tailândia, Daniel Russel disse que:


... processo estreito, restrito, limitado - cria a risco de que muitos cidadãos tailandeses sejam esquecidos, que se sintam excluídos do processo político.

Por isso nós continuamos a defender um processo político inclusivo e mais amplo, no qual todos os escalões da sociedade sintam-se representados, sintam que suas vozes são ouvidas. Acrescento que a percepção de justiça também é extremamente importante. Na verdade, quando um líder eleito é removido do poder, é deposto, depois tem seu impeachment declarado pelas autoridades - e pelas mesmas autoridades que comandaram o golpe que o depôs -, e quando um líder político é alvo de acusações criminais, em contexto em que os processos e instituições básicas do país estão interrompidos, a comunidade internacional não tem outra impressão se não a de que todos esses 'movimentos' podem ter sido politicamente manipulados.


O comentário de Russel sobre "cidadãos tailandeses que se sentiram excluídos" sempre foi o primeiro parágrafo de todos os discursos do próprio Shinawatra, quando precisou justificar os atos de terrorismo de seu governo e o golpe armado que deixou centenas de mortos. E é linha sempre presente em todas as falas em que os EUA precisam 'explicar' a violência que organizam e financiam em outros países, sempre para 'mudança de regime'.

A ideia de Russel, de que as acusações criminais contra Shinawatra teriam sido "politicamente manipuladas" é perfeito desvario, sandice. 

No caso dos EUA, defender a primeira-ministra evidentemente posta lá como 'procuradora' de seu irmão, criminoso condenado que vive fora do país para não ser preso, e que comandou um regime que destruiu a economia tailandesa, ao mesmo tempo em que mandava assassinar seus adversários políticos pelas ruas, é muito visível quebra do protocolo diplomático e expõe muito claramente a prática vergonhosa do próprio Departamento de Estado.

Na verdade, o Departamento de Estado dos EUA existe para representar o povo dos EUA em outros países; não existe para impor os interesses dos EUA sobre e contra todos os demais povos da Terra.

O governo tailandês rapidamente condenou os comentários e, na sequência, viu-se uma sucessão de revides e respostas contra o que já está sendo abertamente denunciado como interferência descabida dos EUA em assuntos internos da Tailândia.

O que os EUA veem nos [irmãos] Shinawatras

Yingluck Shinawatra assumiu o poder em 2011, concorrendo declaradamente como preposta de seu irmão, Thaksin Shinawatra, criminoso condenado que fugiu do país e assim escapou de cumprir sentença de dois anos de prisão, dentre longa lista de acusações ainda pendentes nas cortes tailandesas. 

O slogan eleitoral do partido "Peua Thai" de Thaksin Shinawatra era, literalmente, "Thaksin Pensa, Peua Thai Faz" - admissão declarada de que o homem, criminoso condenado, ainda tenta governar literalmente o país.

Para entender o por quê de os EUA tão descaradamente quebrarem todas as regras protocolares e diplomáticas e atacarem a própria soberania da Tailândia, com discurso em que 'comentam' assuntos internos do país, é preciso lembrar que  o próprio Thaksin Shinawatra sempre foi amigo íntimo da dinastia política dos Bush; que foi membro do Grupo Carlyle e que desde que foi deposto, ele próprio, em golpe apoiado pelo exército tailandês leal à monarquia, em 2006, sempre apareceu abertamente representado por alguns dos mais caros lobbyistas profissionais das empresas de lobbying mais conhecidas do mundo, dentre os quais Kenneth Adelman de Edelman PR (Freedom HouseInternational Crisis GroupPNAC), James Baker de Baker Botts (CFR, Carlyle Group), Robert Blackwill (CFR) de Barbour Griffith & Co.; Rogers (BGR)Kobre & Co.; KimBell Pottinger (sobre isso, ver também Guardian) e é atualmente representado por Robert Amsterdam de Amsterdam Partners (Chatham House).

No poder, Shinawatra tomou posição firmemente pró-EUA, economicamente e geopoliticamente. Contra a vontade do Exército Real da Tailândia e do próprio povo tailandês, Shinawatra enviou soldados tailandeses para colaborarem na invasão e ocupação ilegais do Iraque. Também autorizou aCIA-EUA a usar território tailandês para as práticas do horrendo programa de "entregas especiais",pelo qual prisioneiros eram entregues a vários países do mundo para serem torturados fora de território norte-americano. Shinawatra também tentou assinar um acordo de livre comércio, impopular, além de ilegal, com as empresas de Fortune 500, dos EUA.

Também durante seu mandato, Shinawatra cometeu incontáveis atrocidades contra os próprios tailandeses. Primeiro, em 2003, iniciou o que chamou de "guerra às drogas". Cerca de 3 mil pessoas foram executadas nas ruas, sem qualquer julgamento ou processo, ao longo de apenas 90 dias. Adiante se descobriu que mais da metade dos mortos nada tinham a ver com tráfico de drogas. Só nesse episódio, Thaksin passou a ser o tailandês autor de maior número de crimes contra direitos humanos de toda a história do país. No ano seguinte, o mesmo Thaksin poria fim com extrema violência aos protestos em províncias no sul do país, em que 85 manifestantes foram assassinados num único dia, episódio conhecido hoje como o "incidente de Tak Bai"

Além desses dois eventos criminosos bem divulgados, 18 militantes defensores de direitos humanos foram assassinados ou desapareceram durante o primeiro mandato de Tahksin, segundo a Anistia Internacional. Dentre eles, está o advogado e ativista defensor de direitos humanos Somchai Neelapaijit. O advogado foi visto pela última vez em 2004, ao ser preso por policiais. Depois disso, nunca mais se soube dele.

Shinawatra também moveu uma campanha de terror e assassinatos contra seus oponentes. Em abril de 2009, pistoleiros atiraram mais de 100 vezes contra o veículo de um ativista do movimento dos 'camisas amarelas' anti-Shinawatra, líder de protestos e magnata 'midiático' dono de uma rede de televisão Sondhi Limthongkul, em tentativa de assassinato à plena luz do dia. Dia 10/4/2010, militantes pesadamente armados organizados por Thaksin Shianwatra e seus 'camisas vermelhas' emboscaram a mataram a tiros o coronel Romklao Thuwatham que, naquele momento, comandava as operações de controle das manifestações de rua perto do Monumento à Democracia em Bangkok. Os 'camisas vermelhas' de Thaksin manteriam luta contra o exército tailandês durante semanas, antes de encerrar suas manifestações com uma onda de saques e depredações que se alastrou por toda a cidade. E em agosto de 2013, o empresário e principal adversário político de Thaksin, Ekkayuth Anchanbutr foi sequestrado e assassinado.


*****


Para quem conheça a natureza profunda e inalterada da política exterior dos EUA, nada há de novidade em os EUA garantirem apoio irrestrito a ditador violento e brutal, mas obediente a Washington; é história que se repete até hoje, com o Departamento de Estado dos EUA sempre trabalhando abertamente para minar a legitimidade do atual governo tailandês e os esforços que o atual governo tem empreendido para arrancar todos os ramos do regime Shinawatra e as redes de agitação e subversão organizadas, pagas e mantidas pelos EUA, que ajudam ainda os Shinawatra a manter-se firmemente agarrados às alavancas do poder político na Tailândia por, já, mais de uma década.

Que a mão pesada dos irmãos Shinawatra e respectivo grupo comece a dar sinais de já não ser tão poderosa indica claramente que a enorme capacidade dos EUA para interferir impunemente começa a diminuir.

Os comentários de Russel não caíram em ouvidos de público tailandês receptivo aos EUA. A maioria dos tailandeses apoiou o golpe militar que depôs o regime dos Shinawatra. Mesmo em 2011, apenas 35% do eleitorado tailandês total votava com o partido de Shinawatra, o partido Peua Thai, que não alcançou a maioria dos votos. Segundo pesquisa de uma fundação asiática realizada em 2010, apenas 7% dos 70 milhões de cidadãos tailandeses identificam-se como "vermelhos", a cor associada à frente política de Shinawatra.

A fantasia de que os militares derrubaram "governo popular democraticamente eleito" não poderia estar mais distante da verdade - e outras fantasias e mitos desse tipo só ganharam tração por causa da vastíssima e incansável campanha continuada de propaganda e apoio aos Shinawatra movida pelos EUA e pelas redes de televisão, rádio e imprensa-empresa tailandesa em geral, já perfeitamente integradas aos vastos monopólios ocidentais de 'mídia'.

Apesar contudo da ação desses monopólios, a reação contra os comentários de Russel foi desastrosa para o prestígio do próprio Russel e para a agenda dos EUA na Tailândia. Dia a dia aumenta o número de tailandeses que vão deixando de interpretar a atual crise política como mera batalha entre Thaksin Shinawatra e a ordem política tradicional tailandesa, e passam a vê-la como guerra existencial nacional contra agenda de potência estrangeira que inventou e continua a proteger o clã Shinawatra e contra, também uma vasta rede que só espera derrubar toda a ordem política e a soberania da Tailândia. ******

 


[1] Tony Cartalucci, pesquisador e autor especialista em questões geopolíticas, escreve de Bangkok na revista online New Eastern Outlook.

 

 
15637
Loading. Please wait...

Fotos popular