Pravda.ru

Notícias » Mundo


Irã, Rússia e as sanções

08.06.2010 | Fonte de informações:

Pravda.ru

 

O esperto presidente iraniano, Mahmoud Ahmadinejad, disse que a Rússia não deve se aliar aos inimigos da República Islâmica ao aprovar as punições propostas pelos Estados Unidos no Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU).

Depois de anunciar que não negociará caso o Irã seja punido com uma quarta rodada de sanções da ONU contra seu programa nuclear, Mahmoud Ahmadinejad tenta se agarrar e usar, de todas as formas possíveis, a poderosa e respeitada Rússia para escapar das punições da ONU por conta da suspeita que recai sobre o seu programa nuclear.

"Não há um grande problema, mas eles devem ser cuidadosos para não ficarem do lado dos inimigos do povo iraniano", disse Ahmadinejad.

A Rússia sempre foi uma importante aliada do Irã, mas, nos últimos meses, os dois países vêm tendo atritos por causa da decisão do Kremlin de apoiar as potências ocidentais na adoção de uma quarta rodada de sanções da ONU contra Teerã.

Vladimir Putin disse que a resolução do Conselho de Segurança da ONU já está "praticamente acertada", e que as sanções não devem ser "excessivas". "Sou da opinião", prosseguiu Putin, "de que esta resolução não deve ser excessiva, não deve colocar a liderança do Irã e o povo iraniano numa situação complicada, que crie barreiras para o desenvolvimento da energia nuclear pacífica do Irã”.

Ahmadinejad disse que o acordo nuclear que ele fechou em maio com os governos da Turquia e Brasil foi “uma oportunidade que não irá se repetir”. O acordo, que se destinava a permitir novas negociações, foi rejeitado pelo Ocidente, que continua achando que o Irã pretende desenvolver armas nucleares, mas Teerã insiste no caráter pacífico das suas atividades.

Pelo acordo que Brasil e Turquia mediaram, o Irã entregaria ao exterior 1.200 quilos de urânio baixamente enriquecido, para em troca receber, no prazo de um ano, 120 quilos de material nuclear enriquecido a 20 por cento para uso em um reator de pesquisas médicas.

Entretanto, o Irã afirmou que isso não lhe impediria de continuar enriquecendo urânio, o que o Ocidente não quer. "Esperamos que eles possam usar essa oportunidade, mas dizemos que esta oportunidade não vai se repetir", alertou Ahmadinejad.

Segundo a diplomacia da Turquia e do Brasil, que são membros temporários do Conselho de Segurança da ONU, o acordo assinado em maio em Teerã eliminaria a necessidade de sanções ao Irã, já que criaria uma abertura diplomática para tratar de temas mais amplos relativos ao programa nuclear iraniano.

O presidente turco, Abdullah Gul, pediu a Ahmadinejad que diga ao mundo que o Irã está preparado para cooperar e resolver a discussão sobre o seu programa nuclear.

Uma resolução que impõe a quarta rodada de sanções ao Irã por seu programa nuclear já está pronta para ser votada pelo Conselho de Segurança da ONU.

Apesar de ainda não ter sido marcada uma data para a votação, os EUA estão pressionado para uma ação rápida contra o Irã. O embaixador francês na ONU, Gerard Araud, disse garantiu que a votação deve acontecer "em curtíssimo prazo".

Os 15 membros do Conselho da ONU reuniram para discutir como prosseguir com a resolução de sanções, após cinco meses de negociações. Turquia, Brasil e Líbano não Irã votar a favor da resolução, mas nenhum deles tem poder de veto no Conselho.

A diplomacia ocidental acredita que 12 países, incluindo todos os cinco membros com poder de veto, votem a favor da medida, assegurando que seja aprovada.

O rascunho da resolução foi o resultado de meses de conversas entre Rússia, Reino Unido, França, Alemanha, China e Estados Unidos. As potencias ocidentais insistiram em medidas mais duras contra o Irã (algumas tendo como alvo o setor de energia iraniano), mas a Rússia e a China conseguiram amenizar as sanções.

O ministro das Relações Exteriores russo, Sergei Lavrov, afirnmou que o novo texto exclui sanções que iriam paralisar o Irã e, em vez disso, "concentra-se em medidas de não-proliferação e assegura ao máximo os interesses econômicos de Rússia e China".

A resolução pede por medidas contra novos bancos iranianos no exterior se houver suspeita de envolvimento com os programas de mísseis ou nuclear iraniano. Também há medidas de vigilância de transações com qualquer banco iraniano, incluindo o Banco Central do Irã, e amplia o embargo de armas contra Teerã.

Empresas e pessoas listadas nos anexos terão de enfrentar o congelamento de bens e proibição de viagens internacionais. O texto proíbe o Irã de buscar "qualquer atividade relacionada a mísseis balísticos capaz de desenvolver armas nucleares", além de investimentos iranianos em atividades como mineração de urânio, e a compra armas pesadas, como helicópteros de ataque e mísseis.

ANTONIO CARLOS LACERDA

PRAVDA Ru BRASIL

 
5075
Loading. Please wait...

Fotos popular