Pravda.ru

Notícias » Mundo


Expor Bush, o mentiroso, o assassino, o criminoso de Guerra

06.04.2004 | Fonte de informações:

Pravda.ru

 

O ataque contra o Iraque foi planeado muito antes do 9/11 (como se tivesse alguma coisa a ver com esse evento) – a família Bush tinha negócios a resolver com Saddam Hussein, o homem colocado em Bagdade por Washington, que entendeu que ele era o ponto de equilíbrio entre as várias forças do caos. A decisão de não utilizar o Conselho de Segurança da ONU foi um sinal que não houve um causus belli e a ordem para retirar as equipas de inspecção da UNMOVIC e da AIEA, uma demonstração de arrogância, e medo que não iriam encontrar nada. E nada encontraram.

Seguiu Colin Powell para o edifício das Nações Unidas em Nova York, apresentando o que ele descrevia como trabalho magnífico dos serviços da inteligência, com relatórios, fotografias por satélite e maquetas com setas e rótulos, como por exemplo “laboratório móvel”, que mais tarde diria que “estão a ser levados pelo deserto dentro, em veículos”. Passado um ano, agora diz que a inteligência era faltosa. Um homem mais decente admitiria que mentiu entre os dentes.

Não há, e nunca houve, Armas de Destruição Maciça no Iraque. Bush e seu regime simplesmente mentiram ao seu povo, mentiram aos cidadãos do mundo, mentiram na ONU e mentiram à comunidade internacional de estados.

Os libertadores heróicos do Iraque seriam recebidos por uma população grata, disseram. Grandes cuidados foram tomados para fotografar as multidões em êxtase…o que se viu eram poucas dezenas de pessoas confusas e chocadas perante as cenas de vandalismo e destruição descarada cometidas pelos tropas norte-americanos, e perante a destruição propositada das infra-estruturas civis que ainda não recuperaram.

Os repórteres da média ocidentais começam a admitir que nem sequer atrevam a sair dos seus hotéis e os repórteres dos EUA ou utilizam a folha “Maple” (símbolo do Canadá) ou então se escondem debaixo dos hijab. Por quê esse ódio? Porque os Estados Unidos da América decidiram destruir total e completamente o Iraque para prepararem a concessão de contratos de reconstrução ( alguns até sem concurso) ao clique da elite corporativa que rodeia a Casa Branca e que dita a política desta, (não o povo que votou nos Republicanos).

Paul Bremer vende o Iraque e o povo iraquiano a instituições estrangeiras controladas por Washington. Em Outubro passado, passou uma lei ligando a economia do Iraque a mecanismos de controlo fora do país (Ordem 39, que não pode ser revogado pelo novo governo) e instituiu poderes especiais para instituições especiais, controladas por Washington, que irão supervisionar o trabalho de vários ministérios iraquianos no futuro. Muitos anos depois dos tropas se retirarem, ou baterem em retirada, o Escritório da Gestão do Projecto e a Embaixada dos EUA em Bagdade irão continuar a controlar o processo e o financiamento da reconstrução.

Nem irão todos os tropas sair, pois há planos para estacionar mais que 100.000 em vários pontos do país nas 14 bases permanentes a serem construídas, bases avançadas para lançar ataques contra região mais rica do mundo em recursos minérios no mundo.

É essa a verdade e não as mentiras inventadas por Washington acerca de liberdade e democracia e ditadores maus e Armas de Destruição Maciça (ADM).

A liberdade e democracia do George Bush se traduz em estatísticas horríveis sobre as baixas humanas, as pessoas que ele disse que Deus lhe mandou salvar. O grande cuidado tomado por Washington para reduzir as baixas civis incluíram o acto de deitar bombas de fragmentação coloridas e brilhantes em áreas civis para as crianças as confundirem com rebuçados, para depois os fragmentos explodirem, tirando-lhes a cara, os olhos, as mãos, as pernas, ou a vida. UNICEF estima que pelo menos 1.000 crianças – mil crianças – foram mutiladas desta maneira. Bem-vindas à liberdade e democracia de George W. Bush.

As estimativas independentes indicam uma taxa de mortalidade civil entre 7.500 e 9.500 pessoas e mais 20.000 feridas, incluindo mulheres e crianças, idosos e bebés recém-nascidos, projectados pelos telhados das suas casas pela liberdade e democracia de George W. Bush e pelos grandes cuidados das suas forças assassinas. Quanto aos soldados iraquianos, estima-se entre 13.500 e 45.000 mortos e 40.000 a 135.000 feridos.

As baixas no lado das forças invasoras são impossíveis de afirmar, devido às constantes mentiras de Washington. As declarações oficias do Pentágono apontaram para 1.927 feridos, enquanto o Washington Post citava fontes fidedignas que afirmaram que a cifra seria acima dos 6.000, portanto, três vezes mais.

Entre mil e dois mil toneladas de urânio empobrecido foi deitado no Iraque pelas forças invasores, poluindo o ambiente e a rede da água por muitos anos. As bombas de fragmentação, minas, granadas, jazem por toda a parte, prontas para rebentarem na cara da primeira criança que as encontra, 40% da rede de distribuição de água ainda não funciona, devastaram estações ETAR, espalhando doença entre uma população já propositadamente enfraquecida por dez anos de sanções ineficazes e cruéis…enquanto o Iraque desarmava.

Apontaram como alvos militares estações do fornecimento da electricidade e agiram com tanta violência que hoje, um ano depois, os peritos estimam que levará três anos a reconstruir a rede (gerando um contratozinho jeitozinho de dez bilhões de USD). 7% dos hospitais no Iraque foram também alvos de ataques militares, bem como o fornecimento de vacinas, o que põe em risco de saúde nada menos que 210.000 bebés recém-nascidos.

Quanto às escolas, Washington gosta de apresentar uma escola modelo na TV com dezenas de crianças sorridentes à América Média mas a verdade é que a taxa de frequência escolar caiu para pouco mais que 60%, a mais baixa na história recente do país.

George W. Bush é um criminoso de guerra, um assassino em grande escala e um mentiroso descarado. Que este documento sirva como testemunho para qualquer instituição que tenha a coragem de levar esse homem e seus lacaios maldosos, que raptaram, violaram e estupraram seu país, a democracia e o mundo, num êxtase assassino de destruição de vidas e de propriedade – por causa da gula corporativa –para um tribunal de lei, onde pertencem.

Timothy BANCROFT-HINCHEY PRAVDA.Ru

 
6370
Loading. Please wait...

Fotos popular