Pravda.ru

Notícias » Mundo


A Semana Revista

05.12.2004 | Fonte de informações:

Pravda.ru

 

Ucrânia: Entre Leste e Oeste

Bom teste para relações entre Federação Russa e União Europeia

A situação na Ucrânia é um teste real, e não simbólico, para as relações entre a Federação Russa e o mundo ocidental em geral e em particular, a União Europeia.

Os resultados não oficialmente divulgados mas já conhecidos nos quatro cantos da Terra indicam, para alguns, o pior pesadelo para um “país” que tenta afirmar-se na ressaca da União Soviética. De facto, há duas “Ucrânias”.

Mas será assim um pesadelo tão grande? A essência da União Soviética, de outrora, e da Federação Russa de hoje, é uma sociedade pluralista baseada num conceito de multi-etnicidade. Sendo assim, se a Ucrânia só tem dois grupos, ou seja, dois povos eslavos, a viverem lado a lado, onde estão as chamas que poderiam provocar uma implosão? Primeiro, e é bom que esta mensagem seja dispersa, ninguém nos média internacionais falou até agora a verdade, que é nomeadamente que 95% da população da Ucrânia, sejam residentes quer na parte oriental, quer ocidental, se identificam com a “classe” política que quer polarizar o país entre os que ganharam e os que perderam.

O “grande negócio” da parte oriental, industrial, pró-Moscovo, Ortodoxa/Russa, se confronta com o “pequeno negócio” na parte ocidental, agricultural, Católico/Ortodoxa Ucraniana, anti-orientação pró-Moscovo. Por isso, os “negociantes”, sejam “grandes” ou “pequenos” que decidam a questão e que deixem a população em paz. O Ocidente também. Paira no ar a noção que os média estão à procura do próximo desastre, duma explosão de violência, uma guerra civil, qualquer coisa que valha o circo mediático e o resultante frenesim de movimentação de pessoas, bens e capitais, beneficiando sempre os que controlam a movimentação destes.

Não é a guerra civil que a maioria das pessoas na Ucrânia quer. Querem que as instituições se assentem e que o país progrida. De igual modo que as vacas alimentadas com proteínas ficam malucas, a Europa oriental bombardeada com valores da Europa ocidental também anda com uma dose de indigestão política e seria bom que as causas, e não as sintomas, fossem abordadas.

Deixem a Ucrânia resolver os seus problemas.

Putin: Novos Membros do CS da ONU deverão ter direito de veto

Afirmações do Presidente têm grande relevância para Índia e Brasil.

Algumas reportagens na Imprensa internacional entenderam mal as palavras do Presidente e circulam informações erradas. Durante a sua estadia atual na Índia, Presidente Vladimir Putin afirmou que na ocasião do alargamento do número de membros permanentes do Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas, os novos membros deveriam ter o pleno direito de veto, como os cinco membros já existentes, situação que seria de interesse do Brasil cuja candidatura a esse lugar Presidente Putin apoia mas também para a Índia, possível candidato segundo a posição oficial de Moscovo.

“Se não dermos o direito de veto aos novos membros do CS da ONU, o direito como instrumento das actividades mais efectivas da ONU poderá ser abolida”, considerou o Presidente da Federação Russa, acrescentando que “a perda desse instrumento iria decrescer a influência da ONU e sua importância no mundo”.

No entanto, qualquer decisão deverá ser tomada com o consenso de todos e após um longo período de reflexão, considera o Presidente. Algumas órgãos de informação internacionais não entenderam bem as palavras do Presidente, ou por falhas na tradução ou por terem distorcido aquilo que Vladimir Putin disse e alguns artigos saindo agora na Internet, declarando que Presidente Putin não favorece o direito de veto a novos membros, é errado e totalmente falso.

As palavras exatas traduzidas para o português são as seguintes:

“Se nós conseguirmos a expansão do número de membros permanentes do CS, então eu pessoalmente acredito que estes devem ter o direito a veto desde o início”.

Resposta ao artigo “The Pravda about Putin”

Disparate imperialista publicado em The American Spectator

Uma pesquisa no Google acerca do autor desta peça de disparate, um senhor de nome Jed Babbin, revela outras gemas no seu historial de artigos, tais como “Dentro do Asilo”. Se questiona se foi dum asilo destes que Jed Babbin escapou antes de escrever “A Pravda acerca do Putin”.

Pertencendo ao tipo de jornalismo que cita a mosca na parede da banheira como fonte oficial e que imprime artigos do tipo “Extraterrestres com dez mamas e três pénis violam em série autocarro cheio de avós em excursão para parque subterrâneo”, normalmente nem se atribuiria tempo para responder a este tipo de artigo de duas páginas e meia, no entanto, visto que espalha a histeria anti-russa, que insulta o Presidente Putin, que insulta o psique do povo russo, que insulta a inteligência e a integridade dos muitos patriotas russos que se concentram na construção da Rússia, que insulta as normas de jornalismo por afirmar que fala a verdade quando de facto é um tecido de mentiras desde o início até ao final, e ainda por come cita o nome da PRAVDA, há que ter resposta.

É precisamente este tipo de jornalismo que é típico de fontes ocidentais, que por um lado se afirmam como os bastiões de liberdade de expressão e de imprensa, mas atrás das costas filtram qualquer coisa que contraria a linha seguida pelos patrões corporativos que são os donos e que controlam todas estas fontes. É precisamente este tipo de jornalismo que contaminou as mentes de tantas milhões de cidadãos ocidentais ao longo dos últimos anos, mentes tão cheias de propaganda que acreditariam em tudo, mesmo que Saddam tinha Armas de Destruição Maciça. Pode ser que The American Spectator consiga convencer seus leitores que existem fadas no fundo do quintal também.

Empregando frases do tipo “Rússia sendo a Rússia – a sede pelo Império nunca fica satisfeita”, e “Tranquila e asperamente, paciente e inexoravelmente, a velha malta soviética e uma cambada de jovens que queriam ser os Brezhnev dos dias modernos, trabalham para restaurar a potência militar russa e a hegemonia sobre os estados satélite soviéticos”, este artigo dá provas que as fontes de notícias ocidentais continuam a tentar manipular a opinião pública através de material escrito por pessoas que evidentemente nem percebem nada sobre aquilo que escrevem e cuja compreensão da Rússia e dos russos se limita à filosofia da caça às bruxas.

Falando agora em Impérios, este artigo deixa de fora qualquer comparação entre o número de bases militares norte-americanas e russas no estrangeiro, deixa de fora qualquer menção das operações militares activas por pessoal militar norte-americano e russo fora das fronteiras nacionais e deixa de fora qualquer referência à questão chamada Iraque.

Relativamente à edificação da Rússia, qual é o problema com a vontade de restaurar a dignidade e o poder que o país gozava durante os tempos soviéticos, quando o PIB era o duplo daquilo que é hoje e quando o estilo e nível de vida da maioria dos cidadãos era bastante mais elevado do que é hoje em dia? O quê é que os russos devem fazer, venderem todos os seus recursos ao ocidente, viver numa lixeira gigante e dizerem “Muito obrigado”, enquanto o Ocidente mija nas suas orelhas?

Para informar Jed Babbin e seus leitores nos Estados Unidos da América, que devem deliciar-se com este tipo de artigo atacando Putin e Pravda, posso dizer que se fizer a pergunta a qualquer grupo representativo do povo russo, se querem ou não voltar ao sistema soviético, diria a maioria “Não, mas recusamo-nos a vender a nossa cultura pelo rio abaixo, queremos permanecer na linha de frente da política mundial e do desenvolvimento científico e aceitamos e assumimos a nossa história, o bom e o mau”.

A União Soviética foi um dos sistemas políticos no mundo que conseguiu preencher e realizar seus objectivos a cem por cento na sua história de 64 anos, nomeadamente pão, paz e direitos iguais para todos os seus cidadãos. A taxa de alfabetismo foi transformada desde níveis medievais até padrões da primeira linha – pleno alfabetismo – se garantiu a segurança do estado da Rússia, depois da perda de milhões de vidas em duas guerras e o nível de vida foi melhorada bastante não só em Moscovo mas também nas províncias russas e nos outros estados membros da União.

O que os russos não querem é uma situação como aquela que viviam sob Boris Nikolaievich Eltsin, em que lacaios ocidentais agarraram pela garganta os recursos da Rússia, filtraram fundos para suas contas no estrangeiro, receberam simultaneamente subornos para atribuir contratos a interesses estrangeiros, com o presidente mais confortável com uma garrafa de vodka do que um documento legislativo e que fez palhaço do seu povo e dele próprio, aparecendo bêbado em público.

O que Presidente Vladimir Vladimirovich Putin tenciona, e está fazendo juntamente com sua equipa, é assegurar que os recursos russos permaneçam nas mãos de russos, que pagam seus impostos ao governo, que contribuem e cometem os recursos que controlam ao bem colectivo, à riqueza comum e em fortalecer a Comunidade de Estados Independentes, Moscovo, em vez de praticar o imperialismo como diz Jed Babbin, garante a segurança não só dos recursos russos e da sua população mas também a segurança dos outros onze países membros da CEI.

Relativamente ao comentário acerca da PRAVDA na The American Spectator, que “Lembramo-nos, como deveríamos, que o papel da Pravda foi, e é outra vez, impor sobre nós uma imagem de espelho daquilo que os soviéticos faziam e daquilo que Putin faz”, estamos mais uma vez perante um exemplo clássico de dis- e mis-informação. Enfim, continuam a fazer o que sempre faziam – enfiar sua porcaria pelas gargantas abaixo duma população ingénua e ignorante, que se sente suficientemente insegura que aceita com braços abertos quaisquer frases tipo paternalistas, baseadas nos preceitos dos cowboyadas primitivos e primários – que há o tipo mau com o chapéu preto e há o tipo bom com o chapéu branco.

Uma visão do mundo tipo preto e branco que pertence à época da televisão preta e branca mas que continua a ser praticada por “políticos” como Bush e continua a ser reiterada por publicações como The American Spectator. Uma visão do mundo baseado em porcaria pintada de verdade, ultra-nacionalismo da pior espécie e disparates do tipo pregado por Babbin, que as forças militares russas estão numa situação tão má que precisam de se intrometer na Ucrânia para roubarem o material da Frota do Mar Negro. O autor nem sequer teve o trabalho e o orgulho profissional de pesquisar a matéria sobre a qual ele escreveu com tanta “autoridade” e por isso se revela ignorante do Acordo da Frota do Mar Negro assinado em Maio de 1997, que resolveu esta questão há sete longos anos.

Quanto à política externa, a Rússia apoia o presidente Hugo Chavez, não porque é um “neo-Castrista” como afirma Babbin, mas sim porque foi eleito pelo seu povo, e cuja popularidade foi reiterada no referendo recente. A política externa de Moscovo perante a Venezuela foi algo diferente daquela da Washington, com sua tentativa falhada de golpe de estado e a política externa da Rússia também não passa por tentativas de assassínio de Fidel Castro, adorado pela grande maioria do seu povo.

A política externa da Rússia é forjada pela psique colectiva formada pela sua história e o objectivo principal é garantir a segurança do estado. A União Soviética foi baseada num desejo pela paz num mundo de interesses e direitos iguais e as forças militares da Rússia, tais como as forças armadas da União Soviética, têm o direito e a obrigação de protegerem os cidadãos da Federação Russa contra interesses beligerantes estrangeiros.

Por isso mesmo, por quê é que a Rússia não deve igualar o ocidente na construção de equipamento militar que garante a integridade do país? Será quer o ocidente agora começa a se queixar porque o equipamento que a Rússia está desenvolvendo é mais uma vez superior a aquele que o ocidente produz?

A parte beligerante foi sempre, e continua a ser, o ocidente, cuja história colectiva presta testemunho a onde jazem seus valores básicos: enquanto a Rússia estava contente dentro das suas fronteiras, os ocidentais estavam a matar asiáticos a tiro, a chacinar africanos, a cometerem genocídio contra os índios e a forçaram gente inocente para a escravatura. Gente simpática, pois não?

A relação da Federação Russa com a comunidade internacional é uma de amizade e cooperação por acordos bilaterais que fortalecem os laços económicos, culturais e políticos entre as partes. A Rússia não precisa dos ensinamentos de Colin Powell, muito menos depois deste ter mentido entre os dentes no edifício das Nações Unidas, com suas provas da existência de ADM no Iraque, com fotografias com setas, e modelos de plástico de fábricas de químicos nocivos, alias leite em pó. Se não sabe a diferença entre Sarin e Xarope, qual é a utilidade dos conselhos dele? A Rússia não precisa de lições políticas dos Estados Unidos da América, onde o processo eleitoral mais parece uma que se esperaria encontrar numa república das bananas de terceira qualidade.

A diferença entre a peça no The American Spectator e esta resposta aqui na PRAVDA.Ru é cristalina: dum lado, beligerância, intromissão e agressividade numa peça de propaganda insolente e insultante e o outro baseado em factos, na razão, que se defende mas sem atacar primeiro. Que típico é esta peça do The American Spectator, do tipo de disparate que se atira na cara dos cidadãos hoje em dia no hemisfério ocidental e quão típico é o espírito de ingenuidade com que este tipo de porcaria é tão facilmente aceite por uma população ignorante, mal informada e manipulada.

Vamos lá ver se até ao Natal a gente consegue convencer as pessoas que o Papá Noel traz consigo coelhinhos dourados que conseguem cantar “Feliz Natal” em trinta e seis línguas. A sério!

10ª CIMEIRA FRANCÓFONA EM OUAGADOUGOU

Cabo Verde, Guiné-Bissau e São Tomé e Príncipe na 10ª Cimeira Francófona em Ouagadougou

Presidente Pedro Pires assistiu à Cimeira de Países Francófonos na capital de Burkina Faso este final de semana, provocando rumores que Cabo Verde vai procurar laços mais pertos com a comunidade francófona.

Presidente Fradique de Menezes representou São Tomé e Príncipe e Primeiro-ministro Carlos Gomes Júnior, Guiné-Bissau, na Cimeira, presidida por Presidente Paul Biya e a Primeira-dama, Chantal, com a assistência de 23 chefes de estado.

Entre as maiores preocupações levantadas na Cimeira de Ouagadougou é, na opinião de Ibrahima Fall, enviada do Secretário-geral da ONU, “o ciclo endémico de pobreza e subdesenvolvimento e a diferença na distribuição de riqueza.

Durante a Cimeira, cuja lema foi “Francofonia: fórum de solidariedade para o desenvolvimento duradouro”, foram abordadas outras temas, como a promoção da língua francesa, educação, paz, democracia e direitos humanos, programas de pesquisa e desenvolvimento, cultura e solidariedade entre as nações na procura de desenvolvimento sustentável.

Quanto à área internacional, os temas referidos foram Costa de Marfim, Darfur, Haiti e os Grandes Lagos, onde há mais uma vez tensões entre Ruanda e a RD Congo. O desafio referido por Abdou Diouf, nomeadamente como a Francofonia pode evitar que solidariedade e paz sejam apenas slogans, teve como resposta nesta Cimeira duas perguntas e duas respostas por Alpha Omar Konare, se há falta de recursos? Não. Se os objectivos são impossíveis? Não.

Na próxima Cimeira da Francofonia, em Bucharest, 2006, haverá mais respostas e sensivelmente, mais perguntas.

Moçambique em eleições: Batalha renhida Eleição presidencial poderá entrar na segunda volta numa eleição em que o partido das abstenções sai o grande vencedor

A diferença entre a intenção de voto entre FRELIMO e RENAMO tem vindo a decrescer na última década e se esta tendência se repetir no resultado das eleições na passada quarta- e quinta-feira, o vencedor poderá não ter maioria absoluta no Parlamento, devido à existência dos outros partidos na corrida e a eleição presidencial poderá entrar numa segunda volta.

No entanto, com uma abstenção estimada entre 70 e 80% dos eleitores, fartos de histórias de corrupção e de crime organizado mas já vivendo em paz e com taxas de desenvolvimento que rondam os 10% por ano durante a última década, muitos não se sentiram motivados a votar.

Uma grande parte da população em Moçambique sente que os políticos levam a vida deles, entre o povo vive cada um seu dia a dia e que a classe político pouco ou nada pode fazer para melhorar a vida dos 70% da população que vive em pobreza.

Em 1999, o presidente cessante, Joaquim Chissano, que se demite voluntariamente, passando a liderança do FRELIMO a Armando Guebuza, venceu a eleição presidencial contra Afonso Dhlakama (RENAMO) por 52,9% a 47,7% e no Parlamento, FRELIMO ganhou 48,5% dos lugares, contra os 38,8% da RENAMO.

Desta vez há outros três candidatos: o terceiro candidato na corrida presidencial, Raul Domingos, é líder do Partido para Paz, Desenvolvimento e Democracia, o que poderá empurrar a eleição para uma segunda volta na ausência de um vencedor claro na primeira: Carlos Reis e Yaqub Sibindy são os outros dois candidatos, relativamente líderes da União Nacional de Moçambique e o Partido da Independência de Moçambique.

Como a última vez, RENAMO já se afirmou o vencedor, tendo ganho em seis círculos eleitorais (sem especificar quais) e o director da campanha eleitoral, Eduardo Namburete, declarou que os resultados “oficiais” que vão surgindo são falsos, embora que só na quinta-feira próxima se saberá o que estes são, que foi mais uma vez um acto de grande imaturidade política, uma falta de senso comum e grande irresponsabilidade.

Por isso é perigoso a divulgação de qualquer resultado “oficial” por qualquer fonte que não seja a Comissão.

PORTUGAL: GOVERNO CAI Presidente Jorge Sampaio dissolve Assembleia da República O governo da coligação do PSD/PP caiu hoje quando Jorge Sampaio anunciou ao Primeiro-ministro Pedro Santana Lopes que iria dissolver a Assembleia da República e convocar eleições antecipadas.

A decisão foi comunicada ao país pelo próprio Primeiro-ministro de declarou que respeitava-a com “serenidade e calma”, embora discordando, porque “há uma maioria que quer governar”.

Eis a questão. A maioria representa a votação de há dois anos e meio atrás, quando a população caiu no engodo do então líder do PSD e depois Primeiro-ministro, José Barroso, que passou dois anos a destruir a imagem do seu partido, do seu governo e do seu país, fugindo depois para Bruxelas e passando a batata a Santana Lopes, que ainda não teve tempo “político” a deixar a sua marca, mas que tinha tido a astúcia política de se posicionar para ser Primeiro-ministro sem que ninguém o tinha eleito. Brilhante, e talvez um feito singular na história mundial da política.

No entanto, a maioria que está no parlamento não representa a maioria da vontade política no país, que dá, em sondagens, uns 49% de intenção de voto ao Partido Socialista, 32% ao PSD, 6,5% ao PCP (Comunistas), 6% ao Bloco de Esquerda e apenas 2.1% ao PP de Paulo Portas, que passou dois anos e meio como ministro ao custo do partido que tirou de Manuel Monteiro, que já tinha assegurado um espaço entre 10 e 15% das intenções de voto mas que destruiu o partido e o levou quase à extinção. Dois anos e meio, belo trabalho.

Paulo Portas, líder do PP, representa a pior espécie de oportunista político que grassa em Portugal, nomeadamente entre estes três partidos da direita: Partido Popular (conservador, extrema-direita), Partido Social Democrata (direita) e Partido Socialista (que se assume como centro-esquerda mas é de facto centro-direita).

Os dois partidos que representam a verdadeira vontade do povo português, nomeadamente políticas de esquerda numa altura de crise, mas também responsabilidade perante a massa associativa do país, são o Bloco de Esquerda e o Partido Comunista Português, que entra nas eleições como a Coligação Democrática Unitária, com o Partido ecológico, os Verdes (PEV).

Timothy BANCROFT-HINCHEY PRAVDA.Ru

 
20821
Loading. Please wait...

Fotos popular