Pravda.ru

Notícias » Mundo


Mobilização geral na Ucrânia

04.03.2014 | Fonte de informações:

Pravda.ru

 
Mobilização geral na Ucrânia. 19915.jpeg

Incêndio do Reichstag em Kiev[1]
2/3/2014, Pawel Kuczyński, ClubOrlov, Grã-Bretanha
http://cluborlov.blogspot.co.uk/2014/03/reichstag-fire-in-kiev.html?m=1

[Atualização, 3/3/2014, 12h:

O governo de Kiev anunciou mobilização geral do exército: apenas 1-1,5% dos alistados apresentaram-se.

Uma dúzia de prefeituras, das principais cidades - praticamente todas a sudeste da linha que vai de Carcóvia a Odessa - hastearam a bandeira tricolor da Rússia.

A nave-madrinha da Marinha da Ucrânia está navegando com bandeira da Rússia.

O recém-nomeado comandante da Marinha da Ucrânia desertou para o lado russo, na Crimeia, poucas horas depois de nomeado.

A maioria das unidades militares na Crimeia passaram-se voluntariamente para o lado russo, sem que um único tiro tivesse sido disparado.

Tropas ucranianas de Kirov receberam ordem de marchar para a Crimeia, mas recusaram-se a cumprir orden (ilegais) do governo de Kiev.

Ao longo das últimas duas semanas de fevereiro, 143 mil cidadãos ucranianos pediram asilo na Rússia.]


Há muito tempo, tive um ótimo professor de História, que teve impacto profundo sobre o modo como eu via o mundo. "Tudo é sempre sobre as datas" - ele nos ensinou. - "Cuidem de não esquecer as datas, e terão a chave da História".

Sabem como é: as datas são importantes porque a maioria dos eventos históricos são, de fato, aniversários. Há aquela frase banal: a história não se repete - a história rima; mas muito mais próximo da verdade é que a história tem ritmo, que se baseia largamente em múltiplos do ciclo anual.

Considerem, por exemplo, a bomba na Maratona de Boston, que aconteceu dia 19/4/2013. Acho que foi o único a perceber que a imposição sem precedentes de lei marcial em grandes partes da cidade de Boston - ostensivamente justificada porque haveria à solta dois jovens chechenos que se supunha que estivessem armados - aconteceu no Patriot's Day [Dia do Patriota].

Esse dia é feriado estadual em Massachusetts e importante aniversário da Revolução Americana, que comemora as Batalhas de Lexington e de Concord,[2] as primeiras batalhas da guerra de Independência dos EUA, que aconteceram dia 19/4/1775. Que brilhante escolha de data: ignora a Constituição e assinala um precedente, quando os militares ocuparam uma imensa área urbana em território dos EUA, amparados no mais ridículo dos pretextos! Historiadores futuros verão essas duas datas como marcos: o dia em que começaram e o dia em que acabaram 238 anos de história da democracia constitucional nos EUA.

Dia 23/2/2014, em Kiev, aconteceu um golpe de estado, quando militantes neonazistas cercaram e tomaram o Parlamento e obrigaram os membros eleitos do Parlamento, sob ameaça de armas, a substituir o governo eleito, por figuras da oposição apoiadas e promovidas por agentes da União Europeia e do Departamento de Estado dos EUA. Representantes do partido do governo derrubado - o Partido das Regiões - foram forçados a renunciar, também sob ameaça de armas.

O pretexto para o golpe de Estado foi o assassinato de manifestantes por atiradores uniformizados, os quais foram apresentados como 'milícias' representantes do governo derrubado à força. O presidente derrubado, que está hoje na Rússia, foi acusado de assassinato em massa, e o novo governo 'exigiu' sua extradição (demanda ridícula, porque a Constituição russa proíbe a extradição).

Fato é que há sérias questões sobre essa interpretação dos eventos: as Forças Especiais sequer portavam rifles e nunca receberam ordens para atirar contra os manifestantes; vários policiais dessas Forças Especiais (polícia antitumulto) também foram mortos; os assassinatos foram executados de tal modo, que muito mais serviram para incitar mais tumultos que para dispersar os protestos (houve tiros contra mulheres, pessoas que passavam e socorristas que atendiam os feridos.

Os assassinatos foram imediatamente seguidos de campanha de propaganda gerenciada por profissionais, que incluía uma designação-slogan sedutora - "Heaven's Hundred" ("Небесная сотня") ["Os Cem do Paraíso"[3]] - completada com vigílias com velas, limpeza rápida dos locais, deposição de coroas de flores na cena do crime e por aí vai.

Desgraçadamente, essa expressão tem antecedentes sórdidos nos "Black Hundred" ("Чёрная сотня") [Os Cem Negros] que foi o nome de uma coalizão de antissemitas e nacionalistas de ultra-direita, nos anos de 1905. É ilustrativo de uma tendência, nos autores da campanha de propaganda, que se viu também na escolha das "fitas brancas"[4] - símbolo usado na 2ª Guerra Mundial por colaboradores dos nazistas e auxiliares da Wehrmacht [forças armadas unificadas da Alemanha, de 1935 a 1945] - que apareceram também, desembarcadas do exterior, nas demonstrações antigoverno que houve em Moscou em dezembro de 2011. Todas essas demonstrações foram noticiadas como se fossem realizadas por OMGs ocidentais. Mas o mais provável é que a mesma organização de propaganda esteja por trás dos eventos em Moscou em 2011 e também em Kiev em 2014. Nada mais razoável que pressupor que essa máquina de propaganda esteja recheada de fascistas - o que explicaria que, nos dois casos, aparecem os mesmos símbolos e a mesma terminologia fascista.

Consideremos agora o mesmo dia, 23 de fevereiro, mas há exatos 81 anos.

Dia 23/2/1933, algém pôs fogo no prédio do Reichstag [Parlamento] em Berlim (os comunistas foram acusados de ter provocado o incêndio, mas nada jamais se provou; o evento ainda é visto por muitos como operação clandestina de provocação). Dia seguinte, Hitler usou o incêndio como pretexto para assumir poderem de emergência e para expulsar os comunistas do governo, o que deu aos nacional-socialistas a maioria.

23/2/1933 é data lembrada como ponto de virada definitivo, no crescimento do fascismo na Europa, que definiu o curso na direção da 2ª Guerra Mundial, na qual morreram milhões.

Obviamente, não se trata de replay, mais, isso sim, de um eco remoto. É resultado de uma longa sequência de eventos. Deixando de lado o passado sombrio que fez nascer organizações como "Os Cem Negros" e seus artífices de pogroms, o maior problema é que o oeste da Ucrânia (leste da Polônia, antes da 2ª Guerra Mundial) jamais foi adequadamente desnazificada[5] (em alemão, o termo técnico para esse processo é  Entnazifizierung[6]). Depois, veio o fatídico erro de Khrushchev (ucraniano), que deu a Crimeia russa à Ucrânia, gesto paralelo ao de Stálin (georgiano), que deu a Abkhazia à Geórgia.

Em seguida vieram os anos de descaso, depois do colapso da URSS, durante os quais a Ucrânia, jamais perfeitamente capaz de se autogovernar, atingiu níveis absolutamente espantosos de miséria e de corrupção, e ganhou fama pelo principal item da sua pauta de exportações: prostitutas jovens.

Na sequência, veio a 'revolução laranja', na qual Yushchenko, que é casado com uma neoconservadora norte-americana que trabalhou no governo Reagan, foi posto no governo, na sequência de campanha orquestrada pelos EUA. Ele, e sua parceira Yulia Tymoshenko, continuaram a orgia de corrupção, até que foram tirados do poder (pelo voto) e substituídos por outro presidente igualmente corrupto, mas, também, extraordinariamente obtuso, Yanukovych - o qual, afinal foi derrubado do governo no aniversário de 81 anos do Incêndio do Reichstag.

E agora a situação na Ucrânia é, em termos rápidos, a seguinte:

O novo governo ucraniano, nascido, como nasceu, de uma relação incestuosa entre uma ucraniana neonazista skinhead e sua cria (ou terá sido de uma agente do Departamento de Estado dos EUA?) não tem qualquer legitimidade.

Nas províncias falantes de russo no leste, as populações locais já estão ocupando os prédios do governo ucraniano e pedindo ajuda à Rússia - que responde rapidamente, movendo tropas para a Crimeia, província tradicionalmente russa e fornecendo passaportes russos a quem os peça. (Interessante: a Rússia está fornecendo passaportes russos aos policiais ucranianos membros das forças antitumulto, todos tentando deixar a Ucrânia. Bem visivelmente, os russos não acreditam que as versões de "assassinatos em massa" em Kiev possam algum dia ser comprovadas.)

Tendo perdido 26,6 milhões de vidas em combate contra os fascistas durante a 2ª Guerra Mundial, absolutamente não está no DNA político da Rússia admitir governos fascistas bem ali, no coração do continente eslavo. Nem uma nova Rússia ressurgente, cujas equipes esportivas aparecem em primeiro lugar no quadro de medalhas dos Jogos Olímpicos em Sochi - superando o velho recorde soviético de medalhas -, se deixará ficar, relaxada e indiferente, a um levante fascista na Ucrânia.

Por isso tudo, dia 1/3/2014, o Parlamento russo aprovou o pedido de autorização, encaminhado por Putin, para usar forças armadas russas na Ucrânia. Agora, nesse exato momento, no oeste da Ucrânia, há gente ocupada demolindo os monumentos que celebram as vitórias russas na 2ª Guerra Mundial; e celebrando colaboradores nazistas como heróis nacionais. Meu palpite, contudo, é que, com os eventos que se vão desenrolando, o oeste da Ucrânia, afinal, com 70 anos de atraso, será desnazificado.

Entendo que muitos leitores nos EUA considerarão chocante o que aqui escrevo. Mas é preciso entender também que estão submetidos à mesma campanha de propaganda imunda que foi ativada em 2011, quando dos eventos em Moscou; e agora, novamente, quando dos eventos em Kiev.

O pessoal que comanda essa propaganda não é notavelmente letrado, mas há dois livros que, parece, eles consideram literatura seminal e que seguem cegamente, como vade-me-cum de tendência da moda: 1984, de George Orwell; e Bravo Novo Mundo, de Aldous Huxley. Tudo que fazem tende a ser uma mistura do que aí se lê, em matéria de controle das mentes. Especificamente, abraçaram o conceito, de 1984, dos "dois minutos de ódio" - um ritual diário, durante o qual a população é treinada para desviar suas emoções negativas, dirigindo-as, não contra os inimigos óbvios existentes, mas contra algum inimigo externo, possivelmente não existente.

Assim acontece de os cidadãos norte-americanos, domados e encilhados por seus temerários, corrompidos presidentes, deputados e senadores - e, correspondentemente, andando em passo acelerado rumo à bancarrota - estão sendo sistematicamente condicionados e treinados para odiar Vadimir Putin. (No quesito presidentes corrompidos, Bush ganha com larga margem, com os mais de um trilhão de dólares roubados mediante os 'resgates' de bancos e a chamada 'reconstrução do Iraque'; Obama vem bem atrás, tendo rapinado só o 'estímulo ao consumo'; mas pode rapidamente passar à frente de Bush, graças ao massivo esquema de corrupção conhecido como "Obamacare" e outros golpes variados, de menor monta.)

Quanto a Putin, é visto na Rússia como o mais competente líder russo desde Pedro O Grande. Goza de maior popularidade entre os seus, do que Bush e Obama jamais terão, nem que se passe a 'pesquisar' índices somados de popularidade de governos ao longo de quase vinte anos. E Putin é estadista respeitado em todo o mundo, o mesmo mundo, por falar dele, que, ano passado, considerava os EUA como a maior ameaça à paz mundial.[7]

A primeira grande iniciativa de Putin - a ditadura da lei - rapidamente transformou a Rússia sem-lei, em estado respeitador de leis (embora ainda um pouco conservador, no que tenha a ver com destinos individuais. A segunda grande ideia de Putin - democracia soberana - tornou a Rússia quase completamente imunizada contra as tentativas ocidentais de manipulação política.

Acrescentem-se aos seus sucessos econômicos (a renda dos russos dobrou várias vezes, enquanto a renda dos norte-americanos médios e pobres está estagnada) os sucessos da política externa da Rússia (recentemente, o governo de Putin impediu guerra de graves proporções contra a Síria e, na sequência, construiu uma reaproximação entre o ocidente e o Irã), e é fácil começar a entender por que Putin absolutamente enlouquece de raiva todo o Departamento de Estado, apparatchiks em geral e os neoliberais neoconservadores dos EUA. Essa ira, além de má conselheira, é contagiosa. Daí que tantos jornalistas e comentaristas deixem-se a tal ponto enrolar nos mesmos sentimentos contra Putin, que já descuidam até do próprio trabalho de informar a opinião pública.[8]  Até alguns russos em geral satisfatoriamente inteligentes conseguiram deixar-se prender na mesma armadilha.

Se, dessa vez, Putin conseguir alcançar a paz na Ucrânia, talvez aqueles todos morram de apoplexia. Não farão falta. O mundo festejará.

Para terminar, tudo continua a indicar que, à parte o incêndio do Rechstag, o atual estado de coisas na Ucrânia é, diretamente, resultado de erros do ocidente: a Ucrânia foi empurrada para uma escolha, entre assinar um acordo imprestável com a União Europeia e integrar-se a uma união aduaneira com Moscou. Ambas, Washington e Bruxelas, além de praticamente toda a grande imprensa-empresa ocidental, absolutamente ignorara a sugestão de Putin, de que os lados negociassem alguma solução de compromisso, para impedir a bancarrota da Ucrânia - a qual, hoje, já é, pode-se dizer, fato consumado.

Por causa da intransigência do ocidente, o governo da Ucrânia ficou encurralado entre a União Europeia e Moscou, perdeu consistência no processo, o que forneceu aos fascistas uma abertura conveniente.

À luz de tudo isso, há quem pergunte: o povo, em Washington e em Bruxelas está, mesmo, assim tão decidido a apoiar fascistas, ou a coisa é novidade para eles? Entendo que a resposta não faz diferença alguma. Washington e Bruxelas têm a tarefa de destruir países e destroem. Já destruíram o Iraque, a Líbia e a Síria, mas são peixes pequenos, e a besta quer mais. Adorariam ter destruído o Irã, mas o Irã é osso mais duro de roer. Então, agora, puseram os olhos em presas maiores: a Venezuela e a Ucrânia.

A razão pela qual têm de continuar essa sua empreitada de destruição está em que a destruição de riqueza, inevitável, agora que o mundo está entrando em fase de carência de recursos críticos, pode seguir seu curso em outros lugares que não sejam o coração da riqueza econômica do ocidente, nos EUA e no Norte da Europa. Pouco significa para eles que tenham de se aliar à al-Qaeda na Líbia e na Síria, ou a fascistas na Ucrânia; para eles não faz diferença alguma.

Há também quem duvide de que os atiradores mascarados da Ucrânia sejam realmente fascistas. Ah, sim, são. São skinheads, gostam de suásticas e seus líderes odeiam judeus e vivem a citar Goebbels... mas serão realmente fascistas? (É claro que são.[9]). Essas dúvidas 'de consciência' sempre que se trata de denunciar fascistas são, de fato, muito tocantes (não para mim).

Se você acha interessante esse tema, John Michael Greer apareceu recentemente com um tratado de 3.200 palavras sobre o assunto,[10] com continuação igualmente alentada.[11] Detém-se na definição de fascismo, e sua tese, em resumo, é que o fascismo salta em cena, como moça despida de dentro de um bolo, sempre que o centro político fracassa no serviço de preservar a própria coesão.

Se você preferir algo mais curto, minha tese é que o fascismo pode ser pragmaticamente identificado com estupidez militarizada, e, enquanto muitos países já estão imunes a essa estupidez militarizada, outros ainda não chegaram lá - países pobres, socialmente fragmentados, países desgraçados, que tenham passado fascista ainda não resolvido, e que, por tudo isso, ficam expostos à manipulação inescrupulosa por agentes políticos externos - como a pobre Ucrânia.

[Atualização: Consideradas algumas respostas que recebi, vejo que as pessoas simplesmente não fazem ideia do que seja ter fascistas no poder. Talvez entendam melhor, com imagens. No vídeo que se vê em https://www.youtube.com/watch?v=fT35J5C3EWs#t=30 um dos líderes do novo governo de Kiev 'fala' com um advogado, Procurador-geral da Ucrânia, diante das câmeras. Não é preciso entender ucraniano para saber o que acontece ali. *****


________________________________________
[1] Em alemão, em https://docs.google.com/document/d/1YAgHwDP0dJACR1U9RCaGoi8nbhe77Z5VBjZ9AvRG4_s/edit
[2] "Revolução Americana", em http://en.wikipedia.org/wiki/Battles_of_Lexington_and_Concord )
[3] Sobre um desses eventos, na Suécia, ver http://eng.lundagard.se/2014/02/27/the-heavens-hundred/
[4] Sobre isso, em clave metafórica, há A Fita Branca, filme de Michael Haenecke, de 2010 (mais sobre o filme em http://www.adorocinema.com/filmes/filme-131948/ [NT].
[5] Sobre "desnazificação" ver http://pt.wikipedia.org/wiki/Desnazifica%C3%A7%C3%A3o
[6] Em http://de.wikipedia.org/wiki/Entnazifizierung (al.)
[7] http://rt.com/news/us-biggest-threat-peace-079/
[8] http://www.thenation.com/article/178344/distorting-russia
[9] http://www.globalresearch.ca/ukraine-and-the-rebirth-of-fascism-in-europe/5366852
[10] http://thearchdruidreport.blogspot.com.br/2014/02/fascism-and-future-part-two.htm
[11] http://thearchdruidreport.blogspot.com.br/2014/02/fascism-and-future-part-three-weimar.html 

 
20513
Loading. Please wait...

Fotos popular