Pravda.ru

Notícias » Mundo


Análise: História da Humanidade

02.09.2012 | Fonte de informações:

Pravda.ru

 
Análise: História da Humanidade. 17213.jpeg

Revisitando "Miradas" estimulantes dirigidas à história da humanidade

Iraci del Nero da Costa*

Quando contrapomos o homem aos demais seres da natureza verificamos que ele é um ser em si, para si (tem consciência de si, de sua existência) e, no plano social, poderá vir a ser por si, vale dizer poderá chegar a "pôr" a vida social, a criar conscientemente formas de sociabilidade e de vivência econômica, comportando-se, portanto, como sujeito e senhor autoconsciente de seu futuro. Há, portanto, um processo histórico e lógico mediante o qual o homem passa da condição de ser em si para a de ser em si e para si e, num último momento, para a condição de ser em si, para si e por si; vale dizer, o homem, inicialmente um ser imediatamente vinculado à natureza (ser em si), passa a ter consciência de sua individualidade (ser para si) e, por fim, chega a definir-se como um ser por si no momento em que construir uma sociabilidade determinada e sustentada não por leis cegas independentes de sua vontade - como, por exemplo, a lei da oferta e da procura ou a lei do valor -, mas por sua própria consciência .

Assim, quando tomamos a história da humanidade observamos o homem desgarrando-se, destacando-se, a pouco e pouco da natureza. Podemos adotar, pois, uma "mirada" específica e vermos a história da humanidade como o processo de individuação do homem. Os homens deixam de ser meros entes naturais para transformarem-se, ao final de um processo histórico e lógico, em indivíduos cientes de sua condição e que livremente se associam para construir, criar, consciente e deliberadamente a sociedade planejada em que desejam viver. De um ser que se sente e se vê como uma pessoa integrante de um grupo (ser em si), passa o homem a saber-se como uma individualidade destacada de todo o universo (ser para si), individualidade que pode vir a se associar livre e conscientemente com os seus iguais e estabelecer uma sociedade dirigida pela consciência (ser por si).

Uma outra "mirada" mostrar-nos-ia o homem caminhando do reino da necessidade ao da liberdade. Neste caso ele estaria, num primeiro momento, total e imediatamente entregue aos condicionamentos naturais. Num segundo momento, alargaria seus graus de liberdade mediante a consciência que vai assumindo dos processos em que se insere e mediante a consequente atuação consciente que lhe permite definir-se como mediador entre sua própria existência e as condições com as quais se depara. Para, num terceiro momento, alcançar a liberdade plena, que representa a culminância do aludido processo histórico e lógico e que se explicita na emergência efetiva de um homem inteiramente sabedor de seus condicionamentos materiais e, por isto mesmo, capaz de realizar sua plena liberdade na medida em que projeta e estabelece, conscientemente, a sociedade na qual deseja viver. Liberdade esta a qual, como queria Hegel, representa o conhecimento (e a adequação) à necessidade, não se pondo, pois, como a realização arbitrária de toda e qualquer volição.

As três "miradas" acima descritas definem-se, para mim, como três processos solidários que se condicionam mutuamente (são inter-dependentes) e que se entrecruzam (estão inter-relacionados).

Assim, o estabelecimento da propriedade privada embasou, objetivamente, a emergência do conceito de indivíduo, vale dizer, a formulação, conscientemente assumida pelos homens de que cada ser humano distingue-se de tudo o mais, inclusive dos demais humanos. Destarte, segundo os autores marxistas, a propriedade privada leva ao para si (reconhecimento de si), ela é a objetivação do eu individual. Quando digo isto é meu, digo isto não é de mais ninguém, ou seja, reconheço-me como algo distinto e isolado de  todos os outros homens, reconheço-me, pois, como indivíduo: único em relação a todos os demais e a tudo o mais (grupo, tribo etc. e objetos - que não são eu, mas são meus). O reconhecimento do EU é mediado pelos objetos (propriedade) e não se dá exclusivamente de maneira abstrata. O EU exterioriza-se (objetiva-se) na MINHA propriedade a qual torna possível que eu me reconheça como INDIVÍDUO: único e isolado de tudo o mais e de todos os demais.

Já a transformação da força de trabalho em mercadoria, além de autonomizar o mundo econômico e lastrear objetivamente a igualdade de todos perante a lei, deu sustentação à universalização da democracia, dos direitos humanos e de cidadania. 1

Por seu turno, a crítica do capital e do capitalismo efetuada por Marx instituiu as bases sobre as quais se fundamenta a possibilidade de o homem devir um ser por si, vale dizer, capaz de elaborar e instituir um modo de relacionamento social e econômico assentado em sua consciência e por ela sustentada. Tal forma de sociabilidade supõe, evidentemente, a necessária organização política de cuja ação terá de decorrer a imprescindível supressão da propriedade privada sobre os meios de produção.

Estas ponderações justificam, a meu juízo, a interdependência e o inter-relacionamento aludidos acima; servem elas, ademais, para ilustrar as ricas potencialidades analíticas encerradas nas três  "miradas" que abrem esta crônica. Aprofundar a leitura da história e das demais ciências sociais com base em tais perspectivas pode representar, pois, o enriquecimento das formulações necessárias a que nos tornemos senhores autoconscientes de nosso futuro.

 

1. Sobre essas questões veja-se, de COSTA, I. & MOTTA, J. F., os artigos: A emergência da mercadoria força de trabalho: algumas implicações, disponível em http://port.pravda.ru/sociedade/curiosas/06-09-2011/32099-emergencia_mercadoria-0/; Implicações políticas da mercantilização da força de trabalho, disponível em http://port.pravda.ru/cplp/brasil/27-09-2011/32210-mercantilizacao_trabalho-0/. De COSTA, I.: A democracia e os direitos de cidadania apontam para além do capitalismo, disponível em: http://www.fipe.org.br/publicacoes/downloads/bif/2005/1_bif303.pdf.

 

 

* Professor Livre-docente aposentado da Universidade de São Paulo.

 
7237
Loading. Please wait...

Fotos popular