Pravda.ru

Notícias » Desporto


Clássico uruguaio fica amarelo e preto

28.11.2006 | Fonte de informações:

Pravda.ru

 

Peñarol 4 – Nacional 1 - Num dos Clássicos mais antigos da história do mundo e sem dúvida com mais canecos internacionais ganhos juntando as duas equipas abriu-se ontem mais uma edição “da partida“ do futebol uruguaio.

Num dos Clássicos mais antigos da história do mundo e sem dúvida com mais canecos internacionais ganhos juntando as duas equipas abriu-se ontem mais uma edição “da partida“ do futebol uruguaio.

Tinham-se vendido 47 mil ingressos até sexta retrasada porém o palpite daqueles que conhecem o jeito de agir dos torcedores do futebol uruguaio acreditavam que quase não iam ficar na hora do apito inicial do árbitro internacional Roberto “perro” Silvera ( também foi nomeado como árbitro da primeira final da Taça Sul-Americana Colo-Colo de Chile perante o Pachuca do México ).

Com quase 51 mil ingressos vendidos deu início o Clássico no Estádio Centenario de Montevidéu ( Monumento histórico do Futebol Mundial segundo a FIFA ).

Hoje a FIFA tentando fazer o futebol um “show” confortável acabou “diminuindo” a lotação dos estádios do mundo inteiro.

Tal é o caso do Maracanã do Rio de Janeiro que conseguiu hospedar 200 mil pessoas aquele 16 de julho de 1950 ficando agora com apenas 110 mil tendo a mesma estrutura.

O Estádio Centenario recebeu muitas partidas acima de 75 mil pessoas tendo o máximo histórico de ingressos vendidos na Final Intercontinental do ano 1966 do Peñarol perante o Real Madrid no eixo dos 66.070.

Em janeiro de 1979 no Sul-Americano Junior, “ Juventude de Prata “ também recebeu muitos torcedores (maioria uruguaios) assistindo dois jogos.

Essa noite o Uruguai do Ruben Paz ganhou o Sul-Americano na segunda partida perante os “adultos“ paraguaios, jogando na primeira partida a Argentina do Maradona ( logo Campeã no Mundial Junior de Japão alguns meses depois ) perante o Brasil.

Quanto tem a ver com o Clássico, as arquibancadas vestiram-se num 70% das cores amarelo e preto mas foi esse 30% de camisas tricolores ( branca, azul e vermelha ) que tiraram o primeiro sorriso da tarde, comemorando o gol do Rodrigo Vázquez (6) quase saindo do vestiário ( 2 minutos ).

No quarto minuto da partida houve uma jogada que gerou muitas dúvidas na grande área do Peñarol aonde o artilheiro argentino Carlos Juarez do Nacional acabou caindo sem que o árbitro muito perto dissesse nada.

Aliás no oitavo minuto o internacional uruguaio Nicolás Vigneri (7) dando uma segunda cabeçada na área pequena ( sinônimo do gol ) após um escanteio do Diego Rodríguez (20) colocou a partida 1 x 1.

A partiir desse instante o Peñarol teve o controlo da partida até o minuto 90.

Ainda no primeiro tempo os “manyas” aumentaram a diferença no minuto 28 por conta do artilheiro argentino Alejandro Delorte ( mede 1,98 e nasceu na capital do basquete argentino, Bahia Blanca, igualzinho do que o herói argentino deste desporto, o Emanuel “Manu” Ginóbili ).

Passaram mais quatro minutos e o mais baixinho no relvado, o Egídio “cacha” Arévalo Rios após novo escanteio deu uma cabeçada que parou a defesa do Nacional mas sem conseguir chutar a bola longe porém voltando para o “cacha” quem chutou forte e raso dando começo a comemoração com punhos apertados indo para o plantão e dando aquele abraço para todos os amigos do time.

No segundo tempo o “cacha” deu mais uma cabeçada precisa quase de fora a grande área depois a cobrança duma falta do craque argentino, Ruben “mágico” Capria, destaque do Racing argentino do ano 90.

Logo ter concretizado esse 4 x 1, Peñarol teve oportunidades de aumentar a diferença levando o resultado ainda mais histórico.

Peñarol acabou derrubando o Nacional do jeito que o torcedor pede sempre para os jogadores, sem assinar “armistício”.

Nesta grande mudança do Peñarol do ano passado para o atual, muito tem a ver o treinador Gregorio Pérez ( Campeão quatro vezes com o Peñarol no Uruguai e parte da Comissão Técnica do Maestro Oscar W. Tabarez na frente da Seleção uruguaia na Taça do Mundo, Itália ’90 ).

Nacional não tem chance de ganhar o caneco do Torneio Abertura.

Por enquanto Danúbio ( maior “fábrica de jogadores” uruguaios ) está na frente da tabela com 31 pontos, Peñarol 29 e Defensor Sporting com 27 faltando duas rodadas.

Aproximam-se duas partidas muito importantes para resolver o campeão.

Danúbio – Defensor Sporting (no estádio Jardines del Hipódromo) e Peñarol-Danubio (no Estádio Centenario).

Assim que tivermos o nome do Campeão, máximo o domingo 10 de Dezembro, vamos compartilhar com vocês !!!

Correspondente PRAVDA em português.

ESPIN ASISTENCIA COMERCIAL

Gustavo Espiñeira

Montevidéu – Uruguai

Seg. 27 de novembro de 2006

 
4953
Loading. Please wait...

Fotos popular