Pravda.ru

Notícias » Desporto


Últimas da Federação Portuguesa de Andebol

01.02.2003 | Fonte de informações:

Pravda.ru

 

A selecção da Croácia venceu a da Espanha, por 39-37, após dois prolongamentos, alcançando a final. Croácia e Alemanha discutem amanhã o título de campeão do Mundo.

Perante um Pavilhão Atlântico quase lotado, a Espanha entrou melhor no encontro e cedo alcançou uma vantagem de quatro golos (6-2). A Croácia tinha grandes dificuldades em ultrapassar a muralha defensiva espanhola, em que se destacava o gigante Juan Pérez. Os espanhóis iam alargando o resultado e, ao intervalo (14-9), ficava no ar a impressão de que este seria o jogo menos disputado da tarde. Grande engano.

Na segunda parte, os croatas deram início a uma recuperação espectacular, com Jovic, Goluza e Metlicic em destaque. A Croácia conseguiu empatar (20-20) a dez minutos do fim, concretizando a seguir a reviravolta (20-22). A partir de então, a Croácia teve sempre o jogo na mão e um golo de vantagem com o relógio a esgotar-se. Iker Romero salvou a Espanha sobre o apito, obrigando a um prolongamento. 26-26 no marcador.

No tempo extra, os espanhóis tiraram o melhor partido da meia-distância do catalão Masip, que terminou com oito golos à sua conta. Mas os croatas nunca se deixaram dominar e o 31-31 no marcador ao fim de dez minutos obrigava a outro prolongamento. Nessa fase, estiveram melhor os croatas, que acabaram por vencer (37-39).

A Croácia joga amanhã a final com a Alemanha, enquanto a Espanha disputa o terceiro lugar com a França.

Resultado final: 37-39 Ao intervalo: 14-9

A selecção da Rússia bateu a Islândia, por 30-27, na segunda meia-final, e defronta amanhã a Hungria na luta pelo quinto lugar.

Os islandeses entraram melhor no jogo, com um andebol mais objectivo. Os russos, pelo contrário pareciam um pouco desencontrados e permitiram à Islândia abrir uma vantagem de 6-2 e depois gerir o resultado. Só que a imaginação dos islandeses foi-se esgotando. Os russos começaram a acertar nas marcações e tinham na baliza Andrei Lavrov, um dos melhores guarda-redes do mundo.

A Rússia ultrapassou a Islândia a poucos minutos do intervalo, que chegou com o marcador em 12-13 favoráveis aos russos.

Na segunda parte, os russos tiveram o jogo sob controlo, guardando sempre um ou dois pontos de vantagem no marcador. Os islandeses ainda empataram a partida a 19, mas logo voltaram a ceder a liderança.

Tutchkin e Krivochlikrov raramente falhavam no ataque russo, enquanto o guardião Lavrov ia somando grandes defesas em alturas cruciais, dando poucas hipóteses de recuperação ao adversário.

No final, 27-30 favoráveis à Rússia, que defronta amanhã a Hungria, num duelo pelo quinto lugar. A Islândia joga com a Jugoslávia o encontro de atribuição do sétimo e oitavo lugares.

A selecção da Hungria bateu a da Jugoslávia (33-34), após dois prolongamentos e vai jogar amanhã pelo quinto lugar.

A Jugoslávia entrou com um andebol que aparentava maior consistência que o dos húngaros, mas a equipa magiar respondia com muita garra. Mesmo nos momentos mais complicados da primeira metade, como quando esteve a jogar com dois jogadores excluídos, a Hungria nunca permitiu que o seu oponente se distanciasse no marcador.

Os húngaros iam beneficiando também de algumas fantásticas defesas do seu guarda-redes Nandor Fazekas. Ao intervalo, os jugoslavos venciam por apenas um golo (12-11).

Na segunda parte, a Jugoslávia voltou a entrar melhor, mas a Hungria não se deixou surpreender e, com muita concentração defensiva e mais algumas boas intervenções de Fazekas, conseguiu assumir o comando no marcador, que manteve durante grande parte desse período.

Até que a Jugoslávia empatou o encontro a 25. Ambas as equipas tiveram várias oportunidades para marcar o 26º ponto ainda antes do final do tempo regulamentar, mas Fazekas e o guardião jugoslavo Peric, que também esteve muito concentrado, impediram-no.

No prolongamento, ambas as equipas entraram muito determinadas a defender. Apenas um ponto foi marcado na primeira metade: Bojinovic, de meia-distância, para a Jugoslávia. Carlos Pérez salvou a Hungria da linha de sete metros, ao apontar dois castigos máximos, um deles no último minuto de jogo, que anulou um golo marcado por Perunicic e empatou a partida a 27, obrigando a novo prolongamento.

A Hungria esteve melhor no segundo tempo extra e acabou por vencer por 34-33. Os húngaros defrontam amanhã o vencedor do Islândia-Rússia na luta pelo quinto lugar.

Resultado final: 33-34 Ao intervalo: 12-11

A selecção da Alemanha eliminou a França, campeã em título, num jogo de nervos que terminou em 23-22 para os alemães, que garantiram assim um lugar na final.

O jogo começou de forma muito equilibrada, mas a Alemanha foi a primeira equipa a ganhar algum ascendente, beneficiando dos remates ceiteiros de meia-distância de Pascal Hens e de uma boa actuação do guarda-redes Hennig Fritz.

Perto do intervalo, a Alemanha vencia por 11-7, mas a França renasceu com três golos consecutivos, que colocaram o marcador em 11-10, deixando tudo em aberto para a segunda parte. Daniel Narcisse sobressaía no sete francês.

Na segunda parte, os gauleses entraram melhor, a defender com mais consistência e a não desperdiçar no ataque. A França chegou a dispor de quatro golos de vantagem (12-16), mas assistiu então à recuperação germânica. Os alemães viraram o resultado para 18-17 e não mais perderam o controlo do marcador.

No final, 23-22 para os alemães, que ficam à espera do desfecho do Espanha-Croácia para saber quem será o adversário na final de amanhã.

Resultado final: 23-22 Ao intervalo: 11-10

www.fpa.pt

 
5818
Loading. Please wait...

Fotos popular