Pravda.ru

Notícias » Portugal


Peter’s Principle

17.07.2004 | Fonte de informações:

Pravda.ru

 

Assim vai o preceito inventado por Laurence J. Peter, chamado o “Princípio de Peter” (Pedro, em português). Será que Pedro Santana Lopes, o novo PM de Portugal, acertou na escolha do seu novo governo, ou será que o ex-autarca de Lisboa irá encalhar nas águas turbulentas da vida política portuguesa?

Em primeiro lugar, se bem que se pode perguntar ao eleitorado português, “Foi você que escolheu este Primeiro-Ministro?”, se pode perguntar com toda a justiça, “Foi Santana Lopes quem escolheu este governo?” A resposta seria “nim”. Um começo mau.

Seis dos 19 ministros são iguais ao executivo de Durão Barroso, que se apressou a instalar-se em Bruxelas, suspirando de alívio sem dúvida já que está livre do pesadelo que criou (uma duplicação da taxa de desemprego em dois anos – grande obra – e uma situação em que o desempregado tem de esperar até sete meses para receber qualquer subsídio do estado). Ainda mais, o novo Ministro de Negócios Estrangeiros (António Monteiro), é um amigo pessoal do antigo Primeiro-Ministro, que conseguiu manter o Ministro de Estado e da Presidência, Nuno Sarmento (que vê aumentado seu estatuto como Ministro de Estado) e José Luís Arnaut, agora Ministro das Cidades, Administração Local, Habitação e Desenvolvimento Regional, por procuração. Maria da Graça Carvalho continua no seu lugar como Ministra da Ciência e Ensino Superior e Luís Filipe Pereira continua como Ministro da Saúde.

Também o partido na coligação, o Partido Popular, xenófobo (que apesar do nome conseguiria angariar sensivelmente menos que 5% dos votos neste momento), viu aumentar o seu poder no governo, subindo de três para quatro ministérios e registando uma subida de cotação em termos de peso político, ganhando o Ministério das Finanças.

Assim António Bagão Félix, Independente mas ligado ao CDS/PP, transita do Ministério de Segurança Social e Trabalho para o Ministério das Finanças e da Administração Pública. Luís Nobre Guedes, o número dois do PP, assume o Ministério do Ambiente, que tanto surpreendeu a média em Portugal mas sem necessidade, visto que há um ano e meio dizia ao seu círculo de conhecidos que estava interessado nesta pasta. O novo Ministério do Turismo é criado para Telmo Correia, líder da bancada do PP no parlamento e Paulo Portas, o líder dos Populares, fica como Ministro de Estado e da Defesa Nacional, apesar de ter querido mudar de pasta (já farto de fazer revistas aos tropas e comprar helicópteros e submarinos para enfrentar qualquer eventual invasão da…Quirguistão?)

Dos restantes ministros novos, quantos são “Santanistas” e quantos pertencem às escolas dos barões do PSD, um partido vastíssimo em termos de vertentes políticas do centro e da direita? Poucos. Carlos Costa Neves, açoriano, Ministro da Agricultura, Pescas e Florestas, é próximo do Presidente do Parlamento, Mota Amaral (açoriano). Daniel Sanches, que agora ocupa a pasta de Ministro da Administração Interna, é protegido de Dias Loureiro (que ocupou esta pasta no tempo do Primeiro-ministro Cavaco Silva, 1987 – 1995) e José Aguiar-Branco (Ministro da Justiça, que substitui Celeste Cardona, PP) é amigo do antigo líder do PSD, agora comentarista político, Marcelo Rebelo de Sousa.

Restam apenas sete novas caras escolhidas pelo novo PM/Partido PSD/Presidente Jorge Sampaio (ex-Socialista, hoje em dia, ??). Na escolha de Álvaro Barreto, número dois do governo (Ministro de Estado, das Actividades Económicas e do Trabalho), Pedro Santana Lopes tem um animal político com uma história de grande competência em várias pastas…há dez ou vinte anos atrás. Quem o conhece hoje em dia diz que o Álvaro Barreto de hoje não é a mesma pessoa. Será fundamental seu empenho neste governo novo.

Maria João Bustorff é a novo Ministra da Cultura, Maria do Carmo Seabra assume o Ministério da Educação, Fernando Negrão chefia o novo Ministério da Segurança Social, da Família e da Criança, António Mexia entra na pasta de Ministro das Obras Públicas, Transportes e Comunicações.

Santanistas, Santanistas mesmo…são apenas dois. Henrique Chaves é o Ministro adjunto ao Primeiro Ministro (seu braço direito) e Rui Gomes da Silva é o Ministro dos Assuntos Parlamentares.

Afinal, o novo governo em Portugal é um guisado político com muitos ingredientes, uns mais indigestos que os outros e é precisamente aí que Pedro Santana Lopes vai ser julgado.

Quem o conhece, e apesar dos boatos, sabe que é um homem solidário com seus amigos, com preocupação social, com grande sensibilidade quanto a assuntos de exclusão social e de marginalidade.

Será que Santana Lopes tem a maturidade e a habilidade suficiente para ser um costureiro político capaz de reunir gregos e troianos que se agruparam a volta dele porque Pedro Santana Lopes é a única figura política no governo com carisma e qualidades pessoais capazes de evitar uma eleição precoce?

Ou será que o governo de Santana Lopes, que desde já muito favorece o empresariado português (que pouco ou nada entende da vida diária dos cidadãos), irá desmoronar-se numa guerrilha de interesses pessoais e de grupinhos de pressão?

Muito dependerá de Pedro Santana Lopes, a quem seria correcto e justo dar o benefício da dúvida, uma página branca para ele escrever os primeiros sinais, antes de começarmos a criticá-lo. O resto dependerá dos poderes da oposição, que tem todo o direito, e a obrigação, de se expressar.

Daqui a dois anos veremos se Santana governou bem ou se chegou ao nível da sua incompetência.

Timothy BANCROFT-HINCHEY PRAVDA.Ru

 
5673
Loading. Please wait...

Fotos popular