Pravda.ru

Notícias » Portugal


Cavaco? Não obrigado

02.08.2005 | Fonte de informações:

Pravda.ru

 

Para os que contemplam colocar um voto a favor do Professor Doutor Aníbal Cavaco Silva na próxima eleição presidencial, havemos de confrontar a eventual candidatura desse....senhor... com umas realidades, vividas por aqueles que tiveram o azar de tentar ganhar a vida quando ele foi primeiro-ministro.

Aníbal Cavaco Silva foi o pai da política de betão, que viu Portugal investir rios de dinheiro, que custou muito a ganhar pelos cidadãos dos outros países da Comunidade Europeia, em pontes e auto-estradas e um centro cultural de Belém e mesmo assim, viu Portugal andar sistematicamente para trás. Por qualquer razão teria sido.

Aníbal Silva, durante seu legado de primeiro-ministro entre 1985 e 1995, deixou sua marca no tecido social de Portugal tal como um cão que urina num poste. Marcou sua posição, e ponto final. Nem investiu no tecido social do país, nem cultivou um clima de pactos sociais numa altura importante, dez anos depois da Revolução e a transformação social inerente.

Aníbal Silva não investiu no tecido social de Portugal fundamentalmente porque é o tipo de pessoa que tem problemas com a relação humana, condição básica para qualquer candidato à Presidência.

Notou-se no legado de Aníbal Silva entre 1985 e 1995, anos muitíssimo facilitados pela injecção de rios de dinheiro jorrando pelas fronteiras dentro, que o primeiro-ministro de então vivia em estado de sítio... num bunker subterrâneo durante a primeira guerra do Golfo...espancamentos institucionais contra trabalhadores...investidas das autoridades contra os utentes da Ponte 25 de Abril (lembram-se do veículo blindado colocado aí pelo governo de Cavaco?)

Mentor dum modelo económico agressivo de monetarismo liberal com cariz demente, Aníbal Silva conseguiu numa década destruir quase por completo o elo de confiança que ligava o povo aos seus governantes e conseguiu em dez anos destruir o tecido social do seu país, impondo sobre seu povo políticas de laboratório, tornando os portugueses em cobaias, lançando cientistas sociais do calibre de Manuela Ferreira Leite, a única Ministra de Educação que conseguiu juntar dez mil estudantes na Avenida Cinco de Outubro a gritarem “Puta!” frente ao seu ministério.

Aníbal Silva afirmou muitas vezes que os impostos diminuíram, mas só se fosse nas suas políticas de laboratório. Quem trabalha em Portugal há 25 anos sabe muito bem que não foi bem assim. Houve quem pagasse três contos por ano no imposto complementar e no ano seguinte pagasse 90 contos do IRS, com aquela loucura dos pagamentos por conta (em que o Ministério das Finanças consegue receber um empréstimo, baseado nos cálculos sobre o que uma pessoa poderia vir a ganhar).

Aníbal Silva foi pai do pagamento por conta, que é um roubo institucional sobre rendimentos especulativos que poderiam ou não provir no futuro. Aníbal Silva foi pai da ideia de ligar a hora de Portugal à Europa Central, o que provocou um número recorde de portugueses a procurarem apoio psicológico, devido a níveis de estresse sociais numa exacerbada situação económica e uma arrogância institucional e horários desumanos e nunca testados em Portugal. Foi um desastre, e Aníbal Silva sabe disso.

A gestão partidária de Aníbal Silva foi igualmente desastrosa, pois esse professor universitário conseguiu quebrar quase por completo a credibilidade do seu partido, divorciando-se deste e lançando-se no seu absurdo tabú (que resultaria na derrota compreensiva por Dr. Jorge Sampaio), sabendo que estar ligado ao seu próprio partido, que dirigiu durante dez anos, seria suicídio político.

Ora bem, qual é a credibilidade política duma pessoa que lidera um partido durante dez anos e depois se esconde dele?

Aníbal Silva foi um péssimo gestor do seu povo, pois tentou tratar os portugueses como um negócio. Durante o legado de Aníbal Silva, o PSD chegou a ser odiado pela maioria dos portugueses. Apareceram imagens de Duarte Lima (líder da bancada do PSD) a serem comparadas com Rottweilers...Aníbal Silva levou o seu partido ao fundo do vale e houve muitos membros do PSD na altura que declararam que nunca iriam perdoar Aníbal Silva por aquilo que fez ao partido.

Porém, no estudo duma candidatura para uma presidência, há que ir além dos fracassos como líder partidário, como primeiro-ministro e como pessoa. Basicamente é na condição da sua pessoa que Aníbal Cavaco Silva falha (também) rotundamente como candidato, embora que possa haver muitos amigos e familiares que dizem o contrário, naturalmente.

Como é que Portugal, cuja população é historicamente da área política do centro-esquerda, pode eleger um presidente com caracter abrasivo, arrogante, antipático e ríspido, como é o Aníbal Silva, que foi descrito por fontes de imprensa estrangeiros como “o espinhoso”?

Para a presidência, é preciso uma pessoa culta, que sabe quantos cânticos tem Os Lusíadas, que sabe comer com a boca fechada, que sabe mexer nos talheres, e cuja esposa esteja à altura e não ridicularize as pessoas pela sua maneira de falar.

É preciso uma pessoa ponderada, simpática, moderada, paterna, calma, conciliador, humilde quanto baste mas com a capacidade de atingir e motivar as pessoas com inteligência emocional e não QI frio, em fim, uma pessoa que gosta dos seres humanos e que tem uma relação normal com eles.

Para aqueles cujas memórias sejam curtas, uma pergunta: será que Aníbal Silva tem o perfil certo, será que tem uma única qualidade daquelas referidas acima?

Então Cavaco...não obrigado.

Timothy BANCROFT-HINCHEY PRAVDA.Ru

 
5699
Loading. Please wait...

Fotos popular